Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



BLONDE PHANTOM 1946-1949

Sexta-feira, 18.05.12
BlondePhantomDetail.jpg 

                                        BLONDE PHANTOM
   BLONDE PHANTOM   ( Louise Grant Mason ) é uma ficção mascarado combatente do crime em quadrinhos publicados pela Marvel Comics . Criado pelo escritor - editor Stan Lee e artista Syd Shores para o antecessor da Marvel Timely Comics , ela apareceu pela primeira vez em todos os quadrinhos Select # 11 (Outono 1946), durante a década de 1940 os fãs da época e os historiadores chamam de Idade de Ouro dos quadrinhos . O personagem foi classificado em 98 Comics guia do comprador "s "100 mulheres mais sexy Comics" lista. 

                                                                                                                                          História da publicação

All Winners Comics vol. 2, #1 (Aug. 1948), cover artist(s) unknown

Como super-heróis começou a desvanecer-se fora de moda na era pós-guerra, quadrinhos editoras correram para explorar novos tipos de histórias, personagens e público. Na tentativa de atrair jovens leitores do sexo feminino, as empresas de quadrinhos começou a introduzir algumas das primeiras significativas Superheroines desde Mulher-Maravilha . Aqueles de Marvel Comics 'predecessor de 1940, Timely Comics , incluiu Golden Girl , Miss América , Namora , garota dom , e Vênus , e seu filho adolescente - humor estrela Millie modelo a . outras empresas incluídas Fox Comics 'renascimento da Quality Comics " Lady Fantasma e DC Canário Negro .
O Fantasma Blonde, criado pelo escritor - editor Stan Lee e artista Syd Shores , estreou em todos os quadrinhos Select # 11 (Outono 1946), que se tornou Loira Fantasma Comics o seguinte problema. A série durou pouco mais de dois anos (de # 12-22, Winter 1946 a março de 1949), período em que o combatente do crime também apareceu como um recurso de backup em:
Marvel Comics Mistério # 84-91 (outubro 1947 - abril 1949)
Todos os vencedores Comics # 1 (Agosto 1948)
Sub-Mariner Comics # 25-28 e 30 (Primavera - outubro 1948 e fevereiro 1949)
todas as três questões de Blackstone o Mago (# 2-4, maio-setembro 1948)
Namora # 2 (outubro 1948)
Dom Garota # 2-3 (outubro-dezembro 1948).
O personagem foi a província de nenhum artista um, e para além de originais Shores, suas aventuras neste grande variedade de quadrinhos foram lápis por Vince Alascia , Ken Bald , Bellman Allen, Carl Burgos , a Henkel Vernon, Sekowsky Mike , Ed Winiarski , o pseudônimo Charles Nicholas e outros. Quando não tinta si, os pencilers foram embelezados por inkers incluindo Al Avison , Jack Binder , e Sahle Harry .
Loira Fantasma Comics mudou títulos e formatos completamente para se tornarem os antológicos romances em quadrinhos dos amantes com a edição # 23 (Maio 1949). 

   Concurrent Fantasma Loiro


           Quadrinhos historiador Jess Nevins observa que a oportuna Comics adolescente humor caracteres Millie Collins usava uma máscara e véu e posou como o "Fantasma Blonde" para uma cosméticos campanha da empresa de publicidade em uma história em Millie o modelo n º 2 (outubro 1946), publicado próximo ao mesmo tempo que a estréia da super-heroína Loira Fantasma no All-Select Comics # 11 (Outono 1946). Reconhecendo a compartilhada Marvel Universe , Nevins escreve que o modelo famoso dublê "talvez inspirado Louise Grant a vestir uma fantasia e combater o crime".

                     Revival


               Identidade civil do personagem, Louise Mason, foi reintroduzido em A Sensacional Mulher-Hulk # 2 (Junho 1989). Duas edições depois, ela revelou ser o super-herói aposentado ex. Mason continuou a ser um membro do elenco da série, mediante a emissão final, # 60 (fevereiro 1994).Ela foi destaque em flashback, aventuras em Select All Comics 70 º Aniversário Especial (Fev. 2009) ea questão e cinco minisséries Avengers 1959 , começando com a edição # 1 (dezembro 2011).



                           Biografia Fictional do caráter    

                                                    Origem e aventuras da Era de Ouro



    Louise Grant, nascido em Hoboken, New Jersey , foi secretário particular detetive Mark Mason. Encantado com seu chefe e querendo ajudá-lo a quebrar casos, ela sorrateiramente vestiu um preto máscara de dominó e uma sexy, skintight, fenda perna-vermelha vestido de noite e salto alto , e aventurou-se em crime noite de luta. Altamente atlético e aparentemente treinado em artes marciais , o Fantasma loira também carregava uma pistola calibre .45. Em um eco roca de Superman e Lois Lane , Mason tinha uma queda por o Fantasma Blonde, mas não em Louise. Eventualmente, Grant e Mason casou. [ volume e número necessário ] Em um ponto não especificado, o Fantasma Loiro lutou ao lado do All-Winners Esquadrão equipe de super-herói para uma aventura.                          


    Idade Moderna


               Louise Grant tinha deixado crimefighting se casar com seu empregador, Mark Mason, em 1949, e tendo o seu último nome. Ela deu à luz sua filha Wanda e, posteriormente, para Earl filho. Após a morte do marido, ela começou a trabalhar como secretária legal para promotor Blake Torre na série 1989-1994 A Sensacional Mulher-Hulk , agindo como o general voz-da-razão para tanto Torre e Jennifer Walters / She-Hulk .
Mason, muitas vezes encontrar-se mais ou menos voluntariamente puxado para aventuras surreais a Mulher-Hulk, e, ocasionalmente, vice-versa. Eles enfrentam muitas ameaças, de Stilt-Man na edição # 4 (agosto 1989) para uma cidade onde pisar fora da linha, mesmo jurando, foi fatalmente punidos. Mason sequer acompanhar She-Hulk para o espaço exterior, onde o par se tornar aliados do herói a navegação espacial Razorback e seus compatriotas EUA Archer e Al o estrangeiro. Depois de ter sido feito prisioneiro pelo governante subterrânea da Toupeira , ela foi restaurada para uma versão mais jovem de si mesma por um processo químico misterioso na edição # 33 (novembro 1991).

Mason, carinhosamente apelidado de "Weezi", iniciou um relacionamento amoroso com o pai de Jennifer, Morris Walters em # 36 (fevereiro 1992). Mason mais tarde encontrou-se negociando estatura física e poderes com um não muito satisfeito She-Hulk na edição # 48-49 (fevereiro-março de 1993), tornando-se tão encantado com sua nova forma e habilidades que ela só mudou de volta quando Morris revelou ele queria Weezi do jeito que ela tinha sido.





  Poderes e capacidades


                    O Fantasma Loiro não tinha poderes sobre-humanos. Ela era uma mulher atlética, e um markswoman bem com a arma convencional que ela carregava. Ela também tinha excelentes habilidades de secretariado, como o secretário da Agência de Detetive Mark Mason, e depois como secretário da cidade de Nova York District Attorney Blake Tower.


                                                    BLONDE PHANTOM 


Filha Louise, Wanda Louise Mason, introduzido em A Sensacional Mulher-Hulk # 21 (Nov. 1990), alguns instantes, seguido legado de sua mãe combatente do crime, tornando-se a Loura Fantasma fantasiados duas edições mais tarde, em uma história do escritor Steve Gerber e penciler o Buzz Dixon. Ela foi mais tarde a ser considerado um "recruta em potencial" para o programa do governo dos EUA de super-heróis de formação, a iniciativa . 
                                A Louise Mason versão de Loira Fantasma aparece como um personagem recorrente na Marvel Adventures Spider-Man e sua série de seguimento, Spider-Man Marvel Adventures , ambos publicados como parte do jovens leitores Marvel Adventures marca , ocorrendo em um não-canônico alternativo realidade da continuidade Marvel mainstream. Aqui, ela é retratada como um detetive famoso privado, que muitas vezes funciona como um confidente do Homem-Aranha e sua namorada Sophia "Chat" Sanduval . 




Art by Jim Steranko.
Publication information
PublisherTimely ComicsMarvel Comics
First appearanceAll Select Comics #11 (Fall 1946)
Created byStan LeeSyd Shores
In-story information
Alter egoLouise Grant Mason
Team affiliationsAll-Winners Squad
Invaders[1]
"Avengers" (1959)
Notable aliasesLouise Mason, Weezie
AbilitiesHighly athletic
Skilled marksman and hand-to-hand combatant
                                                                                   















                                                                                                                                                                
Contador de visitas
计数器
Contador de visitas

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por duronaqueda às 21:25

BLONDE PHANTOM 1946-1949

Sexta-feira, 18.05.12
BlondePhantomDetail.jpg 

                                        BLONDE PHANTOM
   BLONDE PHANTOM   ( Louise Grant Mason ) é uma ficção mascarado combatente do crime em quadrinhos publicados pela Marvel Comics . Criado pelo escritor - editor Stan Lee e artista Syd Shores para o antecessor da Marvel Timely Comics , ela apareceu pela primeira vez em todos os quadrinhos Select # 11 (Outono 1946), durante a década de 1940 os fãs da época e os historiadores chamam de Idade de Ouro dos quadrinhos . O personagem foi classificado em 98 Comics guia do comprador "s "100 mulheres mais sexy Comics" lista. 

                                                                                                                                          História da publicação

All Winners Comics vol. 2, #1 (Aug. 1948), cover artist(s) unknown

Como super-heróis começou a desvanecer-se fora de moda na era pós-guerra, quadrinhos editoras correram para explorar novos tipos de histórias, personagens e público. Na tentativa de atrair jovens leitores do sexo feminino, as empresas de quadrinhos começou a introduzir algumas das primeiras significativas Superheroines desde Mulher-Maravilha . Aqueles de Marvel Comics 'predecessor de 1940, Timely Comics , incluiu Golden Girl , Miss América , Namora , garota dom , e Vênus , e seu filho adolescente - humor estrela Millie modelo a . outras empresas incluídas Fox Comics 'renascimento da Quality Comics " Lady Fantasma e DC Canário Negro .
O Fantasma Blonde, criado pelo escritor - editor Stan Lee e artista Syd Shores , estreou em todos os quadrinhos Select # 11 (Outono 1946), que se tornou Loira Fantasma Comics o seguinte problema. A série durou pouco mais de dois anos (de # 12-22, Winter 1946 a março de 1949), período em que o combatente do crime também apareceu como um recurso de backup em:
Marvel Comics Mistério # 84-91 (outubro 1947 - abril 1949)
Todos os vencedores Comics # 1 (Agosto 1948)
Sub-Mariner Comics # 25-28 e 30 (Primavera - outubro 1948 e fevereiro 1949)
todas as três questões de Blackstone o Mago (# 2-4, maio-setembro 1948)
Namora # 2 (outubro 1948)
Dom Garota # 2-3 (outubro-dezembro 1948).
O personagem foi a província de nenhum artista um, e para além de originais Shores, suas aventuras neste grande variedade de quadrinhos foram lápis por Vince Alascia , Ken Bald , Bellman Allen, Carl Burgos , a Henkel Vernon, Sekowsky Mike , Ed Winiarski , o pseudônimo Charles Nicholas e outros. Quando não tinta si, os pencilers foram embelezados por inkers incluindo Al Avison , Jack Binder , e Sahle Harry .
Loira Fantasma Comics mudou títulos e formatos completamente para se tornarem os antológicos romances em quadrinhos dos amantes com a edição # 23 (Maio 1949). 

   Concurrent Fantasma Loiro


           Quadrinhos historiador Jess Nevins observa que a oportuna Comics adolescente humor caracteres Millie Collins usava uma máscara e véu e posou como o "Fantasma Blonde" para uma cosméticos campanha da empresa de publicidade em uma história em Millie o modelo n º 2 (outubro 1946), publicado próximo ao mesmo tempo que a estréia da super-heroína Loira Fantasma no All-Select Comics # 11 (Outono 1946). Reconhecendo a compartilhada Marvel Universe , Nevins escreve que o modelo famoso dublê "talvez inspirado Louise Grant a vestir uma fantasia e combater o crime".

                     Revival


               Identidade civil do personagem, Louise Mason, foi reintroduzido em A Sensacional Mulher-Hulk # 2 (Junho 1989). Duas edições depois, ela revelou ser o super-herói aposentado ex. Mason continuou a ser um membro do elenco da série, mediante a emissão final, # 60 (fevereiro 1994).Ela foi destaque em flashback, aventuras em Select All Comics 70 º Aniversário Especial (Fev. 2009) ea questão e cinco minisséries Avengers 1959 , começando com a edição # 1 (dezembro 2011).



                           Biografia Fictional do caráter    

                                                    Origem e aventuras da Era de Ouro



    Louise Grant, nascido em Hoboken, New Jersey , foi secretário particular detetive Mark Mason. Encantado com seu chefe e querendo ajudá-lo a quebrar casos, ela sorrateiramente vestiu um preto máscara de dominó e uma sexy, skintight, fenda perna-vermelha vestido de noite e salto alto , e aventurou-se em crime noite de luta. Altamente atlético e aparentemente treinado em artes marciais , o Fantasma loira também carregava uma pistola calibre .45. Em um eco roca de Superman e Lois Lane , Mason tinha uma queda por o Fantasma Blonde, mas não em Louise. Eventualmente, Grant e Mason casou. [ volume e número necessário ] Em um ponto não especificado, o Fantasma Loiro lutou ao lado do All-Winners Esquadrão equipe de super-herói para uma aventura.                          


    Idade Moderna


               Louise Grant tinha deixado crimefighting se casar com seu empregador, Mark Mason, em 1949, e tendo o seu último nome. Ela deu à luz sua filha Wanda e, posteriormente, para Earl filho. Após a morte do marido, ela começou a trabalhar como secretária legal para promotor Blake Torre na série 1989-1994 A Sensacional Mulher-Hulk , agindo como o general voz-da-razão para tanto Torre e Jennifer Walters / She-Hulk .
Mason, muitas vezes encontrar-se mais ou menos voluntariamente puxado para aventuras surreais a Mulher-Hulk, e, ocasionalmente, vice-versa. Eles enfrentam muitas ameaças, de Stilt-Man na edição # 4 (agosto 1989) para uma cidade onde pisar fora da linha, mesmo jurando, foi fatalmente punidos. Mason sequer acompanhar She-Hulk para o espaço exterior, onde o par se tornar aliados do herói a navegação espacial Razorback e seus compatriotas EUA Archer e Al o estrangeiro. Depois de ter sido feito prisioneiro pelo governante subterrânea da Toupeira , ela foi restaurada para uma versão mais jovem de si mesma por um processo químico misterioso na edição # 33 (novembro 1991).

Mason, carinhosamente apelidado de "Weezi", iniciou um relacionamento amoroso com o pai de Jennifer, Morris Walters em # 36 (fevereiro 1992). Mason mais tarde encontrou-se negociando estatura física e poderes com um não muito satisfeito She-Hulk na edição # 48-49 (fevereiro-março de 1993), tornando-se tão encantado com sua nova forma e habilidades que ela só mudou de volta quando Morris revelou ele queria Weezi do jeito que ela tinha sido.





  Poderes e capacidades


                    O Fantasma Loiro não tinha poderes sobre-humanos. Ela era uma mulher atlética, e um markswoman bem com a arma convencional que ela carregava. Ela também tinha excelentes habilidades de secretariado, como o secretário da Agência de Detetive Mark Mason, e depois como secretário da cidade de Nova York District Attorney Blake Tower.


                                                    BLONDE PHANTOM 


Filha Louise, Wanda Louise Mason, introduzido em A Sensacional Mulher-Hulk # 21 (Nov. 1990), alguns instantes, seguido legado de sua mãe combatente do crime, tornando-se a Loura Fantasma fantasiados duas edições mais tarde, em uma história do escritor Steve Gerber e penciler o Buzz Dixon. Ela foi mais tarde a ser considerado um "recruta em potencial" para o programa do governo dos EUA de super-heróis de formação, a iniciativa . 
                                A Louise Mason versão de Loira Fantasma aparece como um personagem recorrente na Marvel Adventures Spider-Man e sua série de seguimento, Spider-Man Marvel Adventures , ambos publicados como parte do jovens leitores Marvel Adventures marca , ocorrendo em um não-canônico alternativo realidade da continuidade Marvel mainstream. Aqui, ela é retratada como um detetive famoso privado, que muitas vezes funciona como um confidente do Homem-Aranha e sua namorada Sophia "Chat" Sanduval . 




Art by Jim Steranko.
Publication information
PublisherTimely ComicsMarvel Comics
First appearanceAll Select Comics #11 (Fall 1946)
Created byStan LeeSyd Shores
In-story information
Alter egoLouise Grant Mason
Team affiliationsAll-Winners Squad
Invaders[1]
"Avengers" (1959)
Notable aliasesLouise Mason, Weezie
AbilitiesHighly athletic
Skilled marksman and hand-to-hand combatant
                                                                                   















                                                                                                                                                                
Contador de visitas
计数器
Contador de visitas

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por duronaqueda às 21:25

BLADE ESPECIAIS

Sexta-feira, 18.05.12

as capas dos especiais de blade



Contador de visitas
计数器
Contador de visitas

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por duronaqueda às 20:53

BLADE ESPECIAIS

Sexta-feira, 18.05.12

as capas dos especiais de blade



Contador de visitas
计数器
Contador de visitas

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por duronaqueda às 20:53

BLADE 2006-2007

Sexta-feira, 18.05.12

as capas da revista publicada neste periodo













Contador de visitas
计数器
Contador de visitas

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por duronaqueda às 20:51

BLADE 2006-2007

Sexta-feira, 18.05.12

as capas da revista publicada neste periodo













Contador de visitas
计数器
Contador de visitas

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por duronaqueda às 20:51

BLADE 2002

Sexta-feira, 18.05.12

as capas da revista publicadas em 2002







Contador de visitas
计数器
Contador de visitas

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por duronaqueda às 20:44

BLADE 2002

Sexta-feira, 18.05.12

as capas da revista publicadas em 2002







Contador de visitas
计数器
Contador de visitas

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por duronaqueda às 20:44

Blade, o Caçador de Vampiros

Sexta-feira, 18.05.12




Blade, o Caçador de Vampiros é um personagem de histórias em quadrinhos norte-americanas da Marvel Comics. Foi criado pelo roteirista Marv Wolfman (o mesmo de Crise nas Infinitas Terras) e pelo desenhista Gene Colan. Também foi adaptado por quatro vezes para o cinema (ver Blade).



                                                  Biografia do personagem


       A mãe de Blade foi mordida por um vampiro pouco antes de dar a luz. Como resultado do fato, a criança nasceu com alguns dos dons vampíricos como a força e agilidade extraordinárias. Diferente dos verdadeiros vampiros, Blade pode andar à luz do dia; por outro lado às vezes ele é tentado pela mesma sede de sangue.
Blade conta com a ajuda de Abraham Whistler, que o encontrou quando era um adolescente. Whistler passou a perseguir e executar vampiros após estes terem assassinado sua família.
O fato de possuir os poderes mas não todas as fraquezas dos vampiros caracteriza Blade como um daywalker (andarilho do dia), nome que os vampiros costumam usar para descrevê-lo. Existem outros daywalkers nascidos na mesma situação em que Blade.
O personagem teve uma série regular durante os anos 80, cancelada quando as vendas caíram. Com o sucesso do primeiro filme a Marvel retirou o personagem da aposentadoria, mas não voltou a dedicar-lhe uma série própria. Em vez disso, fez aparições em outras revistas, como a do Homem-Aranha e algumas minisséries como A Tumba de Drácula (na qual tenta evitar que Drácula realize um ritual que lhe concederia poderes imensos) e Blade - V3 (na qual Blade enfrenta uma raça de vampiros conhecidos como Tryks e Os Sete, uma associação humana criada pra controlar o equilíbrio entre os vampiros). Essa última minissérie foi publicada pelo selo Marvel Max e escrita pelo roteirista Cristopher Hinz. A editora deixara em aberto a possibilidade de torná-la uma série regular, o que não ocorreu devido à baixa reação do público.


                                                             Poderes e Habilidades


Blade é um daywalker, um meio vampiro e meio humano. Isso lhe confere habilidades vampíricas como regeneração espontânea, força, reflexos, velocidade, fôlego e agilidade sobre-humanas. Blade também não tem nenhuma fraqueza dos vampiros: pode andar de dia e pode fazer tudo que um vampiro não pode, exceto que as vezes sente necessidade de beber sangue. Blade também é um mestre em artes marciais e em disfarces. Também é otimo espadachim e com suas habilidades vampíricas pode sentir a presença de criaturas sobrenaturais.Blade ainda conta com um arsenal de armas e equipamentos para sua guerra contra os vampiros, como:punhais de madeira teca em forma de cruz para empalar os inimigos;estacas de mogno;facas para combates hand-to-hand;uma espada longa em prata com o cabo em forma de cruz (estilo das usadas no final da Idade Média, início do Renascimento), mas mais tarde o cabo cruciforme foi substituído por um redondo com protecção da mão e um truque escondido para os inimigos;katanas em titânio gravadas com ácido e banhadas a prata - forjadas por ele;armas de fogo com balas em prata de ponta oca e cheias de alho liquefeito;granadas “flashbang” que libertam uma explosão de luz UV ao mesmo tempo que vaporizam minúsculos fragmentos de prata;boomerang de lâminas cortantes em prata que carrega no seu cinto e que servem muitas vezes para matar com um lance vários vampiros, voltando depois à mão de Blade.

                          Curiosidades


           Blade costuma chamar os vampiros de ghouls (um outro tipo de morto-vivo, o Carniçal). Nas traduções brasileiras o termo costuma ser trocado por "sanguessuga"


                                                      Videogames




Em Marvel: Ultimate Alliance, Blade é jogável em todas as plataformas, sendo que seu ataque extremo é o Blood Haze e suas roupas são: Ultimate, Classic, Night Stalker e Daywalker.
No jogoSpider-Man: Friend or Foe, ele é um personagem jogável, que pode ser liberado passando a segunda parte da transilvania.
Ele é jogável emGhost Rider sendo secreto.
Ele também tem seu jogo, Blade 2.















Contador de visitas
计数器
Contador de visitas

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por duronaqueda às 20:39

Blade, o Caçador de Vampiros

Sexta-feira, 18.05.12




Blade, o Caçador de Vampiros é um personagem de histórias em quadrinhos norte-americanas da Marvel Comics. Foi criado pelo roteirista Marv Wolfman (o mesmo de Crise nas Infinitas Terras) e pelo desenhista Gene Colan. Também foi adaptado por quatro vezes para o cinema (ver Blade).



                                                  Biografia do personagem


       A mãe de Blade foi mordida por um vampiro pouco antes de dar a luz. Como resultado do fato, a criança nasceu com alguns dos dons vampíricos como a força e agilidade extraordinárias. Diferente dos verdadeiros vampiros, Blade pode andar à luz do dia; por outro lado às vezes ele é tentado pela mesma sede de sangue.
Blade conta com a ajuda de Abraham Whistler, que o encontrou quando era um adolescente. Whistler passou a perseguir e executar vampiros após estes terem assassinado sua família.
O fato de possuir os poderes mas não todas as fraquezas dos vampiros caracteriza Blade como um daywalker (andarilho do dia), nome que os vampiros costumam usar para descrevê-lo. Existem outros daywalkers nascidos na mesma situação em que Blade.
O personagem teve uma série regular durante os anos 80, cancelada quando as vendas caíram. Com o sucesso do primeiro filme a Marvel retirou o personagem da aposentadoria, mas não voltou a dedicar-lhe uma série própria. Em vez disso, fez aparições em outras revistas, como a do Homem-Aranha e algumas minisséries como A Tumba de Drácula (na qual tenta evitar que Drácula realize um ritual que lhe concederia poderes imensos) e Blade - V3 (na qual Blade enfrenta uma raça de vampiros conhecidos como Tryks e Os Sete, uma associação humana criada pra controlar o equilíbrio entre os vampiros). Essa última minissérie foi publicada pelo selo Marvel Max e escrita pelo roteirista Cristopher Hinz. A editora deixara em aberto a possibilidade de torná-la uma série regular, o que não ocorreu devido à baixa reação do público.


                                                             Poderes e Habilidades


Blade é um daywalker, um meio vampiro e meio humano. Isso lhe confere habilidades vampíricas como regeneração espontânea, força, reflexos, velocidade, fôlego e agilidade sobre-humanas. Blade também não tem nenhuma fraqueza dos vampiros: pode andar de dia e pode fazer tudo que um vampiro não pode, exceto que as vezes sente necessidade de beber sangue. Blade também é um mestre em artes marciais e em disfarces. Também é otimo espadachim e com suas habilidades vampíricas pode sentir a presença de criaturas sobrenaturais.Blade ainda conta com um arsenal de armas e equipamentos para sua guerra contra os vampiros, como:punhais de madeira teca em forma de cruz para empalar os inimigos;estacas de mogno;facas para combates hand-to-hand;uma espada longa em prata com o cabo em forma de cruz (estilo das usadas no final da Idade Média, início do Renascimento), mas mais tarde o cabo cruciforme foi substituído por um redondo com protecção da mão e um truque escondido para os inimigos;katanas em titânio gravadas com ácido e banhadas a prata - forjadas por ele;armas de fogo com balas em prata de ponta oca e cheias de alho liquefeito;granadas “flashbang” que libertam uma explosão de luz UV ao mesmo tempo que vaporizam minúsculos fragmentos de prata;boomerang de lâminas cortantes em prata que carrega no seu cinto e que servem muitas vezes para matar com um lance vários vampiros, voltando depois à mão de Blade.

                          Curiosidades


           Blade costuma chamar os vampiros de ghouls (um outro tipo de morto-vivo, o Carniçal). Nas traduções brasileiras o termo costuma ser trocado por "sanguessuga"


                                                      Videogames




Em Marvel: Ultimate Alliance, Blade é jogável em todas as plataformas, sendo que seu ataque extremo é o Blood Haze e suas roupas são: Ultimate, Classic, Night Stalker e Daywalker.
No jogoSpider-Man: Friend or Foe, ele é um personagem jogável, que pode ser liberado passando a segunda parte da transilvania.
Ele é jogável emGhost Rider sendo secreto.
Ele também tem seu jogo, Blade 2.















Contador de visitas
计数器
Contador de visitas

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por duronaqueda às 20:39

BEAVIS & BUTT-HEAD 1994-1996

Sexta-feira, 18.05.12

BEAVIS & BUTT-HEAD 1994-1996 as capas da revista publicada pela marvel






























Contador de visitas
计数器
Contador de visitas

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por duronaqueda às 20:30

BEAVIS & BUTT-HEAD 1994-1996

Sexta-feira, 18.05.12

BEAVIS & BUTT-HEAD 1994-1996 as capas da revista publicada pela marvel






























Contador de visitas
计数器
Contador de visitas

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por duronaqueda às 20:30

ASTONISHING TALES 1970-1976

Sexta-feira, 18.05.12


Tales Astonishing # 1 (agosto 1970). Cubra arte porMarie Severin e Bill Everett .
Publicação informações
EditorMarvel Comics
ProgramarQuinzenal
FormatoSérie em curso
GêneroSuper-Herói
Data de publicaçãoAgosto  1970  - julho  1976
Número de questões36
Editor (s)Stan Lee 
Roy Thomas
Edições coletados
Essencial Super-Villain Team-Up, Volume 1ISBN 0-7851-1545-5

A HISTORIA DA PUBLICAÇAO E LOGO ABAIXO AS CAPAS DA REVISTA

                                                 ASTONISHING TALES 1970-1976


Astonishing Tales é um americano antologia de quadrinhos da série publicada pela Marvel Comics originalmente 1970-1976. Sua publicação irmã foi Incríveis Aventuras vol. 2Em 2008 e 2009, a Marvel produziu 11 webcomics , estrelado por personagens diferentes guarda-chuva sob o título Astonishing Tales . Várias histórias foram reimpressos em seis títulos de minissérie Astonishing Tales vol. 2 (abril-setembro 2009).


               História da publicação
                                                         
Ka-Zar e Doctor Doom


Tales Astonishing começou como um título dividido com características individuais, estrelado pela selva senhor Ka-Zar e do supervilão e principado soberano Doctor Doom em 10 páginas histórias de cada um. A última característica foi abandonada após a edição # 8 (outubro 1971).A equipe criativa de "Doctor Doom" foi inicialmente composta por escritor Roy Thomas e desenhista - inker Wally Wood , um veterano de 1950 EC Comics histórias e um dos primeiros artistas, a assinatura do Demolidor . Madeira manteve-se como artista por edição # 4 (Fev. 1971), sucedido pelo desenhista George Tuska para duas questões e Gene Colan para o final dois. Larry Lieber era escritor para # 3-6, sucedido por Gerry Conway ."Ka-Zar" foi inicialmente pela equipe de longa data e altamente influente de escritor e editor da Marvel-chefe Stan Lee e desenhista e co-plotter Jack Kirby , o duo que tinha introduzido os anos na selva Senhor antes como uma questão de sustentação personagem em Os X-Men . Ka-Zar teve desde co-estrelou em Demolidor e em outras séries antes de ganhar seu primeiro disco solo de característica aqui. Depois que a história inicial, Roy Thomas roteiro da segunda parcela, com a equipe de escritor Gerry Conway e desenhista Barry Windsor-Smith para assumir edições # 3-6. Thomas e assinatura Hulk artista Herb Trimpe uniram para os próximos dois assuntos, com Thomas auxiliados por Mike Friedrich no último. Tales Astonishing seguida, estrelou Ka-Zar exclusivamente em histórias que vão de 16 a 21 páginas cada.A variedade de equipes criativas em seguida, com Lee, Thomas, Conway e Len Wein individualmente escrevendo ou colaborando em histórias antes de Mike Friedrich tornou-se escritor regular com a edição # 14 (dezembro 1972). Pencilers incluído Dan Adkins , rico Buckler , Gil Kane e John Buscema , além de um Buscema- Neal Adams colaboração um problema. O recurso terminou com # 20 (outubro 1973).Edição # 14 contou com uma reedição de cor censurada do preto-e-branco conto Ka-Zar nas revistas de quadrinhos Tales Savage # 1 (Maio 1971). Questões # 12 e # 13 introduziu Homem-Coisa de cor histórias em quadrinhos, como um antagonista do Ka-Zar.Duas questões contidas recurso de backup-reimpressões de 1950 histórias da selva de antecessor Marvel Atlas Comics : Duas histórias de Lorna o Jungle Girl # 14 (Julho de 1955) em Astonishing Tales # 9, e Jann of the Jungle história de Tales selva # 2 (Nov . 1954), em Astonishing Tales # 14.

Tales Astonishing # 25 (Agosto 1974).Cubra a arte de rico Buckler e Klaus Janson.

               It! e Deathlok


            Tales Astonishing # 21-24 (dezembro 1973 - Junho 1974) caracterizou " É O Colosso vivo! ", estrelado por um gigante de pedra introduzido em uma antológica ficção científica história monstro em Tales of Suspense # 14 (fevereiro 1961), com um sequela na edição # 20 (agosto 1961). Tony Isabella e Dick Ayers composta equipe o caráter moderno de escritor-artista.
O recurso final no Tales Astonishing estrelou e introduziu Deathlok , um conflito cyborg que antecedeu o caráter popular filme RoboCop por vários anos e se tornou um dos personagens mais marcantes da Marvel, entre as introduzidas na década de 1970, pelo menos duas iterações principais do personagem, com pessoas diferentes, estrelou em série nos anos 1990 e 2000. Criado pelo artista rico Buckler, que inventou o conceito inicial e escritor Doug Moench , o recurso funcionou # 25-28 e 30-36 (agosto 1974 - fevereiro 1975 e junho de 1975 - Julho de 1976)., a questão final Bill Mantlo questões script # 32-35, com Buckler próprio script da finale.
As duas últimas questões foram lançadas em ambos a 25 centavos de dólar e uma edição de 30 cêntimos.
Edição # 29 (Abril 1975) foi um preenchimento que reimpresso uma versão editada das primeiras Guardiões da Galáxia história, a partir de Marvel Super 

Heroes . # 18 (Jan. 1969)






































Contador de visitas
计数器
Contador de visitas

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por duronaqueda às 20:17

ASTONISHING TALES 1970-1976

Sexta-feira, 18.05.12


Tales Astonishing # 1 (agosto 1970). Cubra arte porMarie Severin e Bill Everett .
Publicação informações
EditorMarvel Comics
ProgramarQuinzenal
FormatoSérie em curso
GêneroSuper-Herói
Data de publicaçãoAgosto  1970  - julho  1976
Número de questões36
Editor (s)Stan Lee 
Roy Thomas
Edições coletados
Essencial Super-Villain Team-Up, Volume 1ISBN 0-7851-1545-5

A HISTORIA DA PUBLICAÇAO E LOGO ABAIXO AS CAPAS DA REVISTA

                                                 ASTONISHING TALES 1970-1976


Astonishing Tales é um americano antologia de quadrinhos da série publicada pela Marvel Comics originalmente 1970-1976. Sua publicação irmã foi Incríveis Aventuras vol. 2Em 2008 e 2009, a Marvel produziu 11 webcomics , estrelado por personagens diferentes guarda-chuva sob o título Astonishing Tales . Várias histórias foram reimpressos em seis títulos de minissérie Astonishing Tales vol. 2 (abril-setembro 2009).


               História da publicação
                                                         
Ka-Zar e Doctor Doom


Tales Astonishing começou como um título dividido com características individuais, estrelado pela selva senhor Ka-Zar e do supervilão e principado soberano Doctor Doom em 10 páginas histórias de cada um. A última característica foi abandonada após a edição # 8 (outubro 1971).A equipe criativa de "Doctor Doom" foi inicialmente composta por escritor Roy Thomas e desenhista - inker Wally Wood , um veterano de 1950 EC Comics histórias e um dos primeiros artistas, a assinatura do Demolidor . Madeira manteve-se como artista por edição # 4 (Fev. 1971), sucedido pelo desenhista George Tuska para duas questões e Gene Colan para o final dois. Larry Lieber era escritor para # 3-6, sucedido por Gerry Conway ."Ka-Zar" foi inicialmente pela equipe de longa data e altamente influente de escritor e editor da Marvel-chefe Stan Lee e desenhista e co-plotter Jack Kirby , o duo que tinha introduzido os anos na selva Senhor antes como uma questão de sustentação personagem em Os X-Men . Ka-Zar teve desde co-estrelou em Demolidor e em outras séries antes de ganhar seu primeiro disco solo de característica aqui. Depois que a história inicial, Roy Thomas roteiro da segunda parcela, com a equipe de escritor Gerry Conway e desenhista Barry Windsor-Smith para assumir edições # 3-6. Thomas e assinatura Hulk artista Herb Trimpe uniram para os próximos dois assuntos, com Thomas auxiliados por Mike Friedrich no último. Tales Astonishing seguida, estrelou Ka-Zar exclusivamente em histórias que vão de 16 a 21 páginas cada.A variedade de equipes criativas em seguida, com Lee, Thomas, Conway e Len Wein individualmente escrevendo ou colaborando em histórias antes de Mike Friedrich tornou-se escritor regular com a edição # 14 (dezembro 1972). Pencilers incluído Dan Adkins , rico Buckler , Gil Kane e John Buscema , além de um Buscema- Neal Adams colaboração um problema. O recurso terminou com # 20 (outubro 1973).Edição # 14 contou com uma reedição de cor censurada do preto-e-branco conto Ka-Zar nas revistas de quadrinhos Tales Savage # 1 (Maio 1971). Questões # 12 e # 13 introduziu Homem-Coisa de cor histórias em quadrinhos, como um antagonista do Ka-Zar.Duas questões contidas recurso de backup-reimpressões de 1950 histórias da selva de antecessor Marvel Atlas Comics : Duas histórias de Lorna o Jungle Girl # 14 (Julho de 1955) em Astonishing Tales # 9, e Jann of the Jungle história de Tales selva # 2 (Nov . 1954), em Astonishing Tales # 14.

Tales Astonishing # 25 (Agosto 1974).Cubra a arte de rico Buckler e Klaus Janson.

               It! e Deathlok


            Tales Astonishing # 21-24 (dezembro 1973 - Junho 1974) caracterizou " É O Colosso vivo! ", estrelado por um gigante de pedra introduzido em uma antológica ficção científica história monstro em Tales of Suspense # 14 (fevereiro 1961), com um sequela na edição # 20 (agosto 1961). Tony Isabella e Dick Ayers composta equipe o caráter moderno de escritor-artista.
O recurso final no Tales Astonishing estrelou e introduziu Deathlok , um conflito cyborg que antecedeu o caráter popular filme RoboCop por vários anos e se tornou um dos personagens mais marcantes da Marvel, entre as introduzidas na década de 1970, pelo menos duas iterações principais do personagem, com pessoas diferentes, estrelou em série nos anos 1990 e 2000. Criado pelo artista rico Buckler, que inventou o conceito inicial e escritor Doug Moench , o recurso funcionou # 25-28 e 30-36 (agosto 1974 - fevereiro 1975 e junho de 1975 - Julho de 1976)., a questão final Bill Mantlo questões script # 32-35, com Buckler próprio script da finale.
As duas últimas questões foram lançadas em ambos a 25 centavos de dólar e uma edição de 30 cêntimos.
Edição # 29 (Abril 1975) foi um preenchimento que reimpresso uma versão editada das primeiras Guardiões da Galáxia história, a partir de Marvel Super 

Heroes . # 18 (Jan. 1969)






































Contador de visitas
计数器
Contador de visitas

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por duronaqueda às 20:17

historia da MARVEL COMICS

Sexta-feira, 18.05.12

                          MARVEL COMICS


Marvel Comics, apelidada de House of Ideas ("Casa das Idéias") é uma editora americana de banda desenhada (português europeu) ou história em quadrinhos (português brasileiro) pertencente à Walt Disney Company, ao comprar em 2009, por 4 bilhões de dólares, a Marvel Entertainment. Com sede na 387 Park Avenue South, em Nova Iorque, é uma das mais importantes editoras do gênero no mundo, tendo criado muitos dos mais importantes e mais populares super-heróis, anti-heróis e vilões das histórias em quadrinhos. Entre as revistas mais famosas da Marvel, encontram-se o Quarteto Fantástico, Homem-Aranha, O Incrível Hulk, Capitão América, O Justiceiro, Os Vingadores, Demolidor, Thor, Homem de Ferro, Surfista Prateado, os X-Men, Blade:O Caçador de Vampiros, Motoqueiro Fantasma entre muitos. A partir da década de 1960, tornou-se uma das maiores empresas estadunidenses neste ramo, ao lado da DC Comics - sua principal concorrente - e da Image Comics. O catálogo da Marvel, possui 5,000 personagens

                         HISTORIA          

martin goodman                                     


A Marvel Comics foi fundada nos anos 30 do século XX, por Martin Goodman, como Timely Comicsç. Goodman, um editor de revistas pulp que começou a vender um pulp de faroeste em 1933, expandiu-se para um emergente -e até então bastante popular- novas histórias em quadrinhos. Goodman começou sua nova linha de sua existente empresa na 330 West 42nd Street, New York City, New York. Ele oficialmente detinha os títulos de editor, editor-executivo e gerente de negócios, com Abraham Goodman oficialmente listado como publisher.A sua primeira publicação ocorreu em 1939, com o primeiro número da revista Marvel Comics, onde se deram as primeiras aparições do super-herói Tocha Humana e do anti-herói Namor, o Príncipe Submarino. O conteúdo deste sucesso de vendas veio de uma outra publicação, Funnies, Inc., mas no ano seguinte, teve sua própria equipe no lugar. Com a segunda edição, o título da série mudou para Marvel Mystery ComicsO primeiro editor de quadrinhos da Marvel, o também roteirista e desenhista Joe Simon, se juntou a quem seria brevemente considerado uma lenda das HQ, Jack Kirby, para criar o primeiro herói patriota, o Capitão América, em Captain America Comics #1. (Março 1941). Capitão América logo virou um sucesso com uma circulação de quase um milhão. Portanto, nos anos 40 a Timely tornou-se muito conhecida.Em 1939, Goodman contratou o primo de sua esposa, Stanley Lieber, como auxiliar de escritório em geral.Quando o editor Simons deixou a companhia no final de 1941, Goodman fez de Lieber - até então a escrevendo sob pseudônimo como "Stan Lee" - editor provisório da linha de quadrinhos, uma posição que Lee manteve durante décadas, exceto por três anos durante o serviço militar na II Guerra Mundial. Lee escreveu extensivamente para a Timely Comics, contribuindo para vários títulos diferentes.O mercado americano de quadrinhos de super-heróis caiu no pós-guerra. A Editora de Goodman deixou de publicar a maior parte, e expandiu-se para uma ampla variedade de gêneros que a Timely Comics ainda não havia publicado, com ênfase no gênero de horror, faroeste, humor, funny-animal,crime, quadrinhos de guerra, e posteriormente, acrescentando uma porção de jungle books, títulos de romance, e até mesmo espionagem, aventura medieval, histórias da Bíblia e esportes. Como outras editoras, Goodman também cortejou os leitores do sexo feminino com quadrinhos principalmente humorístico sobre modelos e mulheres famosas.Nos anos 50, a Marvel atravessou tempos difíceis, da mesma maneira que as outras editoras. Goodman começou a publicar com nome de Atlas, uma distribuidora de sua propriedade, em Novembro de 1951. Atlas, ao invés de inovar, seguia as seguintes tendências populares na televisão e no cinema - faroestes e dramas de guerra em vigor por um tempo, monstros de cinema drive-in em outro - e mesmo outras revistas em quadrinhos, especialmente a linha de terror da EC Comics. A Atlas também publicou uma infinidade de títulos para crianças e humor adolescente, incluindo Homer the Happy Ghost de Dan DeCarlo (fantasma à la Gasparzinho) e Homer Hooper (adolescente à la Archie Andrews). A editoa tentou sem sucesso ressuscitar os super-heróis entre 1953 e 1954, como o Tocha Humana (arte de Syd Shores e Dick Ayers, alternadamente), o Namor (quase todas histórias escritas e desenhadas por Bill Everett), e Capitão América (escritor Stan Lee e desenhada John Romita Sr.). A Atlas tinha no minímo cinco escritores oficiais(chamados oficialmente de editores) além de Stan Lee: Hank Chapman, Paul S. Newman, Don Rico, Carl Wessler e o futuro cartunista da Revista MAD, Al Jaffee.

                                                                                                                       

martin goodman 

  

No final dos anos 50 e início dos 60, o sucesso da DC Comics ao reviver o gênero de super-heróis nas histórias em quadrinhos (principalmente com a Liga da Justiça) fez com que a Marvel seguisse o mesmo caminho. Os principais expoentes desta época foram os seus empregados Stan Lee (edição e argumento) e Jack Kirby (arte), responsáveis pela criação do Quarteto Fantástico. A revista foi um enorme sucesso o que levou a Marvel a        publicar outros títulos de super-heróis, entre os quais se destacou o gibi do personagem Homem-Aranha, criado por Stan Lee e Steve Ditko.

As histórias da Marvel distinguiam-se das demais pelo universo em que se desenvolviam ter características mais próximas da realidade, sendo mais humanizado e verossímil. Os argumentos exploravam a caracterização dos personagens. No caso do Homem-Aranha, ele era um jovem herói com alguma falta de auto-estima e muitos problemas mundanos, semelhantes ao de muitos adolescentes. Este novo olhar acabou por incentivar uma revolução nas histórias em quadrinhos (banda desenhada) estadunidenses com o passar do tempo. Até mesmo a concorrente DC Comics adotou algumas inovações realizadas pela Marvel em suas histórias. Stan Lee ganhou prestígio e foi durante alguns anos o diretor da empresa.No início dos anos 70, uma série de novos directores trabalharam para a empresa em mais uma época não favorável para esta indústria. No entanto, no final dessa década, a Marvel estava novamente de boa saúde, graças a novas estratégias de marketing na distribuição e à renovação do título dos X-Men, arquitetado principalmente por Chris Claremont e John Byrne.Nos anos 80, Jim Shooter era o diretor. Apesar da sua personalidade controversa, conseguiu eliminar alguns dos males da empresa - como a não publicação das revistas no prazo devido - e promover um renascimento criativo na Marvel, fazendo com que seus gibis tornassem-se ainda mais vendidos .Em 1981, a Marvel comprou os estúdios de animação DePatie-Freleng Enterprises do famoso animador do desenho da A Pantera Cor-de-Rosa, Friz Freleng. A empresa foi rebatizada de Marvel Productions Ltd. e produziu séries de desenhos animados bastante conhecidas, como G.I. Joe, Transformers e Muppet Babies.Em 1988, a Marvel foi comprada pelo investidor/empresário Ronald Perelman, que colocou a empresa na Bolsa de Nova Iorque e promoveu o aumento do número de títulos publicados. Entretanto, a empresa vendeu o seu catálogo de animação à Saban Entertainment e fechou permanentemente o estúdio de animação, optando por contratar terceiros para produzir seus projetos de animação.A Marvel ganhou bastante dinheiro no início dos anos 90 devido ao boom das histórias em quadrinhos (banda desenhada) nos EUA, mas no meio da década enfrentou graves problemas financeiros, com acusações de que Perelman havia tirado todo o dinheiro da empresa em proveito próprio. Como consequência, a Marvel anunciou que o seu distribuidor exclusivo passaria a ser o Heroes World, que fez com que toda a indústria de distribuição de revistas de histórias em quadrinhos (banda desenhada) sofresse um grande abalo. A perda potencial da maior empresa da indústria, originou o encerramento das atividades da maioria dos distribuidores. No momento, existe apenas uma grande distribuidora de histórias em quadrinhos (banda desenhada) nos EUA: a Diamond Distribution. Muitos peritos julgam que esse fato causou um imenso dano à indústria das histórias em quadrinhos (banda desenhada).No auge da crise,o investidor Carl Icahn tentou obter o controlo da Marvel, mas após arrastadas batalhas jurídicas, o controle da empresa foi entregue em 1997 à Isaac Perlmutter, proprietário da Toy Biz, uma das empresas do grupo. Com o seu sócio Avi Arad e os seus nomeados (e controversos) editor Bill Jemas e diretor Joe Quesada, Perlmutter reergueu a Marvel. Além da revitalização das revistas da empresa, alguns dos seus personagens foram licenciados para se tornarem filmes de sucesso, principalmente X-Men, X-Men Origins: Wolverine, Homem-Aranha, Quarteto Fantástico, Hulk, Homem de Ferro e Blade.A Marvel mantém-se a principal editora estadunidense de histórias em quadrinhos (banda desenhada), mesmo numa altura em que a indústria é apenas uma fração do que foi décadas atrás. Há pelo menos três décadas, a principal concorrente, DC Comics, está abaixo da Marvel em vendas. Stan Lee já não está oficialmente ligado à empresa, mas permanece sendo o nome mais conhecido e importante na indústria e ocasionalmente demonstra o seu carinho pelos personagens, em edições especiais ou declarações públicas.Em 2001, a Marvel Comics retirou-se da Comics Code Authority e estabeleceu o seu próprio sistema de classificação para as suas revistas. Criou também novas linhas editoriais, incluindo uma destinada a adolescentes mais velhos (Marvel Knights) e outra a adultos: a (MAX). Outro fator marcante na história da Marvel no início do novo milênio foi sua parceria com Hollywood, que resultou em várias adaptações de sucesso, iniciadas com o filme do Homem-Aranha, em 2002.Em 2006, a Marvel lançou uma Mega-Saga intitulada Guerra Civil, onde a comunidade heróica viu-se dividida, devido a uma Lei de Registro de Super-Humanos. Essa saga discutiu, de maneira profunda, vários fatores políticos e éticos, aumentando ainda mais a verossimilhança do Universo Marvel com o universo real. Nestes mesmo ano a empresa criou sua própria enciclopédia wiki em seu website.Em 2007 a empresa inovou novamente, anunciando a Marvel Digital Comics Unlimited, um arquivo digital de cerca de 2.500 edições de histórias em quadrinhos antigas, disponíveis para leitura após o pagamento de uma pequena taxa mensal ou anualEm 2009, a Walt Disney Company comprou a Marvel Entertainment por 4 bilhões de dólares em dinheiro e ações.




                         EDITORES CHEFE DA MARVEL COMICS



                   O editor-chefe
supervisiona as decisões criativas de maior escala dentro da companhia. O cargo evoluiu lentamente. Nos primeiros anos, a empresa teve um único editor a supervisionar a linha inteira. Com o crescimento da companhia, tornou-se cada vez mais comum para os títulos ser inspecionado em separado. O conceito de "escritor-editor" evoluiu com Cainã Silva, que escrevia e geria mais de uma linha de produção. Porém, enquanto Lee deteve grande poder dentro da empresa durante sua gestão, quando o editor Martin Goodman promoveu as mudanças na estrutura de sua empresa e os quadrinhos tornaram-se um divisão relativamente pequena, seus sucessores tiveram participações de escalas variáveis dentro da gestão corporativa.
A década de 70 foi marcada por uma grande quantidade de editores-chefe. Com grande rotatividade de nomes, parece que alguns foram nomeados como mera extensão de suas funções editoriais. Somente quando Jim Shooter assumiu em 1978, o cargo foi claramente definido.
Em 1994, a Marvel aboliu o cargo, substituindo Tom DeFalco por um grupo de 5 editores, que receberam cada um o título de editor-chefe, tendo outros editores subordinados a si. Porém, no mesmo ano, o cargo foi restaurado, sendo entregue a Bob Harras. Em 2000, Joe Quesada assumiu a posição

joe simon

                             1939-1941 - Joe Simon1941-1942 - Stan Lee1942-1945 - Vincent Fago-(atuou durante o Serviço Militar de Stan Lee)1945-1972 - Stan Lee1972-1974 - Roy Thomas1974-1975 - Len Wein1974-1975 - Marv Wolfman ("black-and-white magazines",1975-1976 - Mary Wolfman - toda a linha1976-1976 - Gerry Conway1976-1978 - Archie Goodwin                                                                                                       1978-1987 - Jim Shooter                                                   

    1987-1994 - Tom DeFalco                                            

1994-1995 - Período Sem Editor-Chefe Oficial                    
1995-2000 - Bob Harras
2000-2011 - Joe Quesada                                          


            jack kirb                                                                                    

         Stan Lee, seu parceiro criativo, apelidou-o de "O Rei". Título mais do que merecido dada a dimensão da sua obra, fruto de uma prodigiosa (e aparentemente inesgotável) imaginação. Jack Kirby é uma lenda. E as lendas são eternas...

    Nascido Jacob Kurtzberg a 28 de agosto de 1917 em Nova Iorque, foi, sob o pseudónimo que o imortalizou, escritor, editor e desenhador de quadradinhos.

    Kirby começou a trabalhar para os Estúdios Fleischer em 1935, onde fazia as sequências para o desenho "Popeye". No ano seguinte, juntou-se ao Lincoln Newspaper Syndicate, ali trabalhando até à falência da empresa em 1938.

   Conheceu Joe Simon enquanto este fazia trabalho freelance para diversas editoras. Os dois jovens uniram-se e começaram a produzir e vender BD. É da autoria desta Dupla Maravilha o heroi patriótico Capitão América para a Timely Comics (antecessora da Marvel Comics) em 1940. As perspetivas dinâmicas de Kirby, as técnicas cinematográficas, o seu uso de quebrar quadros sequenciais e um exagerado senso de ação fez do título um sucesso imediato, reescrevendo as regras das histórias em quadradinhos.

   O nome Simon & Kirby tornou-se sinónimo de estórias empolgantes de super-heróis. Depois de dez edições de "Captain America", eles mudaram-se para a concorrente DC, onde assumiram o personagem Sandman na revista "Adventure Comics"; a dupla também produziria Boy Commandos, Newsboy Legion (Legião Jovem) e Manhunter.

   O fim da II Guerra Mundial trouxe o declínio da popularidade dos comics com super-heróis. Kirby e o seu parceiro apostaram então em géneros alternativos: crime, terror, humor e faroeste.

   A parceria Kirby & Simon terminaria em 1954 com a indústria dos comics estagnada por uma autoimposta censura. Kirby entretanto continuou a escrever, reinventando a personagem Green Arrow (Arqueiro Verde) na revista Adventure Comics, além de criar o clássico sobre os aventureiros desafiadores da morte Challengers of the Unknown (Desafiadores do Desconhecido).

   Entretanto, Kirby regressou à Marvel onde desenhou uma série de histórias de terror, monstros e ficção científica. O visual bizarro das suas criaturas alienígenas foi sucesso imediato entre os leitores. A pedido do diretor Martin Goodman e do editor, diretor de arte e escritor Stan Lee, Kirby voltou a trabalhar com quadradinhos de super-heróis em 1961.

   Kirby teve participação na criação de praticamente todas as personagens Marvel nos anos seguintes. Destacam-se as personagens e conceitos do Quarteto Fantástico, Homem de Ferro, Dr. Destino, Inumanos e muitos outros.

   Kirby era frequentemente coautor das histórias que desenhava, introduzindo elementos que não eram mencionados nos scripts de Lee; em particular, Kirby é creditado como sendo o criador do Surfista Prateado (Silver Surfer), que não foi citado no argumento de Lee da história onde a personagem apareceu pela primeira vez.

    A relação entre Kirby e Lee nem sempre seria, porém, pacífica. Em virtude de uma desavença entre ambos, Kirby migrou novamente para a arquirrival DC no princípio dos anos 1970. Sob a chancela "Jack Kirby´s Fourth World", produziu uma série de novos títulos, entre os quais Os Novos Deuses (The New Gods) e Senhor Milagre (Mister Miracle).

   Várias personagens desta fase acabaram integradas no universo DC. É o caso do demónio Etigran e do vilão cósmico Darkseid.

    Retornaria uma última vez à Marvel para relançar o Capitão América (cujas histórias escrevia e ilustrava) mas acabaria por abandonar os comics para se dedicar à animação, projetando o design de "Turbo Teen" e de "Thundarr The Barbarian".

    Partiu a 6 de fevereiro de 1994, deixando um impressionante legado: estima-se que desenhou para cima de 25 mil páginas e também tiras de jornal, esboços e ilustrações para filmes de Hollywood.

Um rei que deixou vazio um trono ainda por preencher...

roy thomas


                                                                                         
               

                                         MARVEL NOS PAISES LUSOFONOS


             Os personagens da Marvel Comics têm sido, ao longo dos anos, publicadas nas mais diferentes editoras brasileiras e portuguesas. Em Abril de 1940, Namor estreia em Gibi Mensal 142 da RGE (atual Editora Globo).  (tornando errônea a comemoração de 40 anos da Marvel no Brasil, já que a mesma celebra 70 anos em 2009, contando os anos da Timely[  A partir de 1967 foram lançados pelo Editora Ebal como estratégia de uma grande campanha publicitária da companhia Shell, que distribuía exemplares das revistas gratuitamente nos postos de gasolina. No filme brasileiro O Homem Nu (1968), produzido com parte do patrocinio obtido pela citada companhia, pode-se ver com destaque posters com os 5 super-heróis Marvel do desenho animado de 1966, colocados em uma vitrine: Capitão América, Hulk, Thor, Namor e Homem de Ferro. No Brasil, os gibis Marvel são publicados atualmente pela editora Panini, sendo seus personagens Wolverine, Homem-Aranha, Hulk, Demolidor, X-Men, O Justiceiro e Blade entre os mais populares.                                                                                                                                                              

                                                                                  

                                                                    senhor desmanipulador                                                     

                                                                                               




                                                                                          
Contador de visitas
计数器
Contador de visitas

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por duronaqueda às 13:26

Amor em toda parte

Sexta-feira, 18.05.12




                                         Amor em toda parte
Francisco Otaviano

Amor puro – apoio certo,
Luz que ampara e aperfeiçoa.
Deus que nos chama de perto,
No passo de outra pessoa.

Contador de visitas
计数器
Contador de visitas

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por duronaqueda às 00:23

Amor poema

Sexta-feira, 18.05.12
 












                              Amor

Ulisses Bezerra

Fala de amor lembra a vidaDa fonte que se abandona.Amor é água escondidaQue nunca subiu á tona. Amor - sorriso na estrada,Migalha de luz e pão!...Amor – lágrima chorada,Gerando consolação.            

Contador de visitas
计数器
Contador de visitas

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por duronaqueda às 00:19

Acordes da Verdade POEMA

Sexta-feira, 18.05.12

Acordes da Verdade
Sabino Batista

As penas chegam depressa
E vão-se devagarinho,
Pois somos sempre nós mesmos
Quem lhes prepara o caminho,

Preceito claro da vida
Nos destinos mais vulgares:
Serás tanto mais feliz
Quanto menos desejares.

Onde estejas quanto possas,
Ajuda em favor de alguém...
Origem de todo mal:
Ignorância do bem.

Quem dá para receber,
Quem no que dá põe valia,
Não favorece, nem dá,
Tão - somente negocia.

Nunca vejas no vizinho
Defeitos, fraquezas, taras...
A ostra mora no lodo
Criando perolas raras.


Contador de visitas
计数器
Contador de visitas

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por duronaqueda às 00:12

...

Sexta-feira, 18.05.12



Crenças e Negações









A Gália

A Gália conheceu a grande doutrina; possuiu-a sob uma forma poderosa e original; soube dela tirar conseqüências que escaparam aos outros países. “Há três unidades primitivas, diziam os druidas, Deus, a Luz, e a Liberdade.” Quando a Índia já andava dividida em castas estacionárias, em limites infranqueáveis, as instituições gaulesas tinham por bases a igualdade de todos, a comunidade de bens e o direito eleitoral. Nenhum dos outros povos da Europa teve, no mesmo grau, o sentimento profundo da imortalidade, da justiça e da liberdade.
É com veneração que devemos estudar as tendências filosóficas da Gália, porque aí encontraremos, fortemente denunciadas, todas as qualidades e também todos os defeitos de uma grande raça. Nada é mais digno de atenção e de respeito do que a doutrina dos druidas, os quais não eram bárbaros como se acreditou erradamente durante séculos.
Por muito tempo, só conhecemos os gauleses pelos autores latinos e pelos escritores católicos. Mas, essas fontes devem, a justo título, ser suspeitas, pois esses autores tinham interesse direto em desacreditá-los e em desfigurar suas crenças. César escreveu os Comentários com evidente intenção de se exaltar aos olhos da posteridade. Polião e Suetônio confessam que nessa obra abundam inexatidões e erros voluntários. Os cristãos só vêem nos druidas homens sanguinários e supersticiosos; em seu culto somente encontram práticas grosseiras. Entretanto, certos padres da Igreja – Cirilo, Clemente de Alexandria e Orígenes distinguem com cuidado os druidas da multidão dos idólatras, e conferem-lhes o titulo de filósofos. Entre os autores antigos, Lucano, Horácio e Florus consideravam a raça gaulesa como depositária dos mistérios do nascimento e da morte.
Os progressos dos estudos célticos,[i] a publicação das Tríades e dos cânticos bárdicos[ii] permitem-nos encontrar, em fontes seguras, uma justa apreciação de tais crenças. A filosofia dos druidas, reconstituída em toda a sua amplidão, conforma-se com a doutrina secreta do Oriente e com as aspirações dos espiritualistas modernos, pois, como estes, também afirma as existências progressivas da alma na escala dos mundos. Essa doutrina viril inspirava aos gauleses uma coragem indomável, uma intrepidez tal que eles caminhavam para a morte como para uma festa. Enquanto os romanos se cobriam de bronze e ferro, os gauleses despiam as vestes e combatiam a peito nu. Orgulhavam-se das suas feridas e consideravam cobardia usar-se de astúcia na guerra. Daí os seus repetidos reveses e a sua queda final. Tão grande era a certeza das vidas futuras que emprestavam dinheiro na expectativa de que seriam reembolsados em outros mundos. Os despojos dos guerreiros mortos, diziam, não são mais que invólucros gastos. Como indignos de atenção, eles os abandonavam no campo da batalha, o que era uma grande surpresa para os seus inimigos.
Os gauleses não conheciam o inferno e, por isso, Lucano, no canto primeiro da Farsália, os louva com os seguintes termos:
“Para nós, as almas não se sepultam nos sombrios reinos do Érebo, mas sim voam a animar outros corpos em novos mundos. A morte não é senão o termo de uma vida. Felizes esses povos que não se arreceiam no momento supremo da vida; daí o seu heroísmo no meio de sangrentos combates e o seu desprezo pela morte.”
Os gauleses eram castos, hospitaleiros e fiéis à fé jurada.
Na instituição dos druidas encontraremos a mais alta expressão do gênio da Gália. Os druidas não constituíam um corpo sacerdotal, pois seus títulos equivaliam ao sábio, sapiente. Aqueles que os possuíam tinham a liberdade de escolher a sua tarefa. Alguns, sob o nome de eubages, presidiam às cerimônias do culto, porém o maior número consagrava-se à educação da mocidade, ao exercício da justiça, ao estudo das ciências e da poesia. A influência política dos druidas era grande e tendia a realizar a unidade da Gália. No pais dos Carnutos haviam instituído uma assembléia anual, em que se reuniam os deputados das repúblicas gaulesas e em que se discutiam as questões importantes, os graves interesses da pátria. Os druidas eram escolhidos por eleição e tinham de passar por um preparo de iniciação que exigia vinte anos de estudos.
Praticava-se o culto debaixo da copa dos bosques. Os símbolos eram todos tomados da Natureza. O templo era a floresta secular de colunas inumeráveis, e sob zimbórios de verdura, onde os raios de sol penetravam com suas flechas de ouro, para irem derramar-se sobre a relva em mil tons de sombra e luz. Os murmúrios do vento, o frêmito das folhas, produziam em tudo acentos misteriosos, que impressionavam a alma e a levavam à meditação. A árvore sagrada, o carvalho, era o emblema do poder divino; o visco, sempre verde, era o da imortalidade. Por altar, tinham montões de pedra bruta. “Toda pedra lavrada é pedra profanada”, diziam esses austeros pensadores. Em seus santuários jamais se encontrava objeto algum saído da mão dos homens. Tinham horror aos ídolos e às formas pueris do culto romano.
A fim de que os seus princípios não fossem desnaturados ou materializados por imagens, os druidas proibiam as artes plásticas e mesmo o ensino escrito. Confiavam somente à memória dos bardos e dos iniciados o segredo da sua doutrina. Dai resultou a penúria de documentos relativos a tal época.
Os sacrifícios humanos, tão reprovados aos gauleses, mais não eram, na maior parte, do que execução da justiça. Os druidas, simultaneamente magistrados e executores, ofereciam os criminosos em holocausto à Potência suprema. Cinco anos distanciavam a sentença da execução; nos tempos de calamidade, vítimas voluntárias também se entregavam em expiação. Impacientes de reunirem-se com os seus antepassados nos mundos felizes, de se elevarem para os círculos superiores, os gauleses subiam prazenteiramente para a pedra do sacrifício e recebiam a morte no meio de um cântico de alegria. Mas no tempo de César já haviam caído em desuso essas imolações.
Teutatés, Esus, Gwyon eram, no panteão gaulês, a personificação da força, da luz e do espírito, mas, acima de todas as coisas, pairava a potência infinita, que os gauleses adoravam junto das pedras sagradas, no majestoso silêncio das florestas. Os druidas ensinavam a unidade de Deus.
Segundo as Tríades, a alma gera-se no seio do abismo – anoufn; aí reveste as formas rudimentares da vida; só adquire a consciência e a liberdade depois de ter estado por muito tempo imersa nos baixos instintos. Eis o que a tal respeito diz o cântico do bardo Taliesino, célebre em toda a Gália: “Existindo, desde toda a antiguidade, no meio dos vastos oceanos, não nasci de um pai e de uma mãe, mas das formas elementares da Natureza, dos ramos da bétula, do fruto das florestas, das flores das montanhas. Brinquei à noite, dormi pela aurora: fui víbora no lago, águia nas nuvens, lince nas selvas. Depois, eleito por Gwyon (Espírito divino), pelo Sábio dos sábios, adquiri a imortalidade. Bastante tempo decorreu e depois fui pastor. Vagueei longamente pela Terra antes de me tornar hábil na ciência. Enfim, brilhei entre os chefes superiores. Revestido dos hábitos sagrados, empunhei a taça dos sacrifícios. Vivi em cem mundos; agitei-me em cem círculos.” [iii]A alma, em sua peregrinação imensa, diziam os druidas, percorre três círculos, aos quais correspondem três estados sucessivos. No anoufn sofre o jugo da matéria; é o período animal. Penetra depois no abred, círculo das migrações que povoam os mundos de expiação e de provas; a Terra é um desses mundos e a alma se encarna bastantes vezes em sua superfície. A custa de uma luta incessante, desprende-se das influências corpóreas e deixa o círculo das encarnações para atingir gwynfid, círculo dos mundos venturosos ou da felicidade. Aí se abrem os horizontes encantadores da espiritualidade. Ainda mais acima se desenrolam as profundezas do ceugant, círculo do infinito que encerra todos os outros e que só pertence a Deus. Longe de se aproximar do Panteísmo, como a maior parte das doutrinas orientais, o druidismo afasta-se dele por uma concepção inteiramente diferente sobre a Divindade. A sua concepção sobre a vida também não é menos notável.
Segundo as Tríades, nenhum ser é joguete da fatalidade, nem favorito de uma graça caprichosa, visto preparar e edificar por si próprio os seus destinos. O seu alvo não é a pesquisa de satisfações efêmeras, mas sim a elevação pelo sacrifício e pelo dever cumprido. A existência é um campo de batalha onde o braço conquista seus postos. Tal doutrina exaltava as qualidades heróicas e depurava os costumes. Estava tão longe das puerilidades místicas quanto da avidez ilusória da teoria do nada.
Entretanto, parece ter-se afastado da verdade em certo ponto: foi quando estabeleceu[iv] que a alma culpada, perseverando no mal, pode perder o fruto de seus trabalhos e recair nos graus inferiores da vida, donde lhe será necessário recomeçar sua longa e dolorosa ascensão. Mas, ajuntam as Tríades, a perda da memória lhe permite recomeçar a luta, sem ter, por obstáculos, o remorso e as irritações do passado. No Gwynfid recupera, com todas as recordações, a unidade da sua vida e reata os fragmentos esparsos pela sucessão dos tempos.
Os druidas possuíam conhecimentos cosmológicos muito extensos. Sabiam que o nosso planeta rola no espaço, levado em seu curso ao redor do Sol. É o que ressalta deste outro canto de Taliesino, chamado O Cântico do Mundo:[v]“Perguntarei aos bardos, e por que os bardos não responderão? Perguntarei o que sustenta o mundo; porque, privado de apoio, este globo não se desloca. Que lhe poderia servir de apoio?
“Grande viajor é o mundo! Correndo sempre e sem repouso, nunca se desvia da sua linha, e quão admirável é a forma dessa órbita para que jamais se escape dela.”
O próprio César, tão pouco versado nessas matérias, diz-nos que os druidas ensinavam muitas coisas sobre a forma e a dimensão da Terra, sobre o movimento dos astros, sobre as montanhas e os vales da Lua. Dizem que o Universo, eterno e imutável em seu conjunto, se transforma incessantemente em suas partes; que a vida o anima por uma circulação infinita e espalha-se por todos os pontos. Desprovidos dos meios de observação de que dispõe a ciência moderna, pergunta-se: onde foram os gauleses aprender tais noções?
Os druidas comunicavam-se com o mundo invisível; mil testemunhas o atestam. Nos recintos de pedra evocavam os mortos. As druidesas e os bardos proferiam oráculos. Vários autores referem que Vercingétorix entretinha-se, debaixo das ramagens sombrias dos bosques, com as almas dos heróis mortos em serviço da pátria. Antes de sublevar a Gália contra César, foi para a ilha de Sem, antiga residência das druidesas, e aí, ao esfuziar dos raios,[vi] apareceu-lhe um Gênio que predisse sua derrota e seu martírio.
A comemoração dos mortos é de iniciativa gaulesa. No dia primeiro de novembro celebrava-se a festa dos Espíritos, não nos cemitérios – os gauleses não honravam os cadáveres –, mas sim em cada habitação, onde os bardos e os videntes evocavam as almas dos defuntos. No entender deles, os bosques e as charnecas eram povoados por Espíritos errantes. Os Duz e os Korrigans eram almas em procura de novas encarnações.
O ensino dos druidas adaptava-se, na ordem política e social, a instituições conforme à justiça. Os gauleses, sabendo que eram animados por um mesmo princípio, chamados todos aos mesmos destinos, sentiam-se iguais e livres. Em cada república gaulesa, os chefes eram oportunamente eleitos pelo povo reunido. A lei céltica punia, com o suplício do fogo, os ambiciosos e os pretendentes à coroa. As mulheres tomavam parte nos conselhos, exerciam funções sacerdotais, eram videntes e profetas. Dispunham de si mesmas e escolhiam seus esposos. A propriedade era coletiva, pertencendo todo o território à república. Por forma alguma era entre eles reconhecido o direito hereditário: a eleição decidia tudo.
A longa ocupação romana, depois a invasão dos francos e a introdução do feudalismo, fizeram esquecer essas verdadeiras tradições nacionais. Mas, também veio o dia em que o velho sangue gaulês se agitou nas veias do povo; em seu torvelinho a Revolução derrocou estas duas importações estrangeiras: a teocracia de Roma e a monarquia implantada pelos francos. A velha Gália encontrou-se inteira na França de 1789.
Uma coisa capital faltava-lhe entretanto: a idéia da solidariedade. O druidismo fortificava nas almas o sentimento do direito e da liberdade; mas, se os gauleses se sabiam iguais, nem por isso se sentiam bastante irmãos. Daí, essa falta de unidade que perdeu a Gália. Curvada sob uma opressão de vinte séculos, purificada pela desgraça, esclarecida por luzes novas, tornou-se por excelência a nação una, indivisível. A lei da caridade e do amor, a melhor que o Cristianismo lhe fez conhecer, veio completar o ensino dos druidas e formar uma síntese filosófica e moral cheia de grandeza.
*Do seio da Idade Média, como uma ressurreição do espírito da Gália, ergue-se uma figura brilhante. Desde os primeiros séculos da nossa era, Joana d'Arc fora anunciada por uma profecia do Bardo Myrdwyn ou Merlin. É debaixo do carvalho das fadas, perto da mesa de pedra, que ela ouve muitas vezes “suas vozes”. É cristã piedosa, mas acima da Igreja terrestre coloca a Igreja eterna, “a do alto”, a única a que se submete em todas as coisas.[vii]Nenhum testemunho da intervenção dos Espíritos na vida dos povos é comparável à história, tocante da Virgem de Domrémy. Em fins do século 15, agonizava a França sob o jugo férreo dos ingleses. Com o auxílio de uma jovem, uma criança de dezoito anos, as potências invisíveis reanimam um povo desmoralizado, despertam o patriotismo extinto, inflamam a resistência e salvam a França da morte.
Joana jamais procedeu sem consultar “suas vozes” e, quer nos campos de batalha, quer perante os juizes, elas sempre lhe inspiraram palavras e atos sublimes. Um só momento, na prisão em Ruão, essas vozes parecem abandoná-la. Foi então que, acabrunhada pelo sofrimento, consentiu em abjurar. Desde que os Espíritos se afastam, torna-se mulher; fraquejada, submete-se. Depois, as vozes fazem-se ouvir de novo e, então, ela levanta logo a cabeça diante dos juizes:
“A voz me disse que era traição abjurar. A verdade é que Deus ma enviou; o que fiz está bem-feito.”
Sagrada pelos seus martírios dolorosos, Joana tornou-se um exemplo sublime de sacrifício, um objeto de admiração, um profundo ensino para todos os homens.

[i]    Philosophie Gauloise, por Gatlen Arnoult; Histoire de France, por Henri Martin; Bibliothêque de Genêve, por Adolphe Pictet; Immortalité, por Altred Dumesnhi; L’Esprit de la Gaule, por Jean Reynaud.
[ii]   Cyfrinach Beirdd Inys Prydaln: Mystêres des bardes de l’lie de Bretagne, trad. Edward Williams, 1794.[iii]   Barddas, cad. Goddeu.[iv]   Triades Bardiques, nº 26, publicadas pela escola céltica de Glamorgan.[v]    Barddas, cad. Goddeu.
[vi]   Histoire Nationale des Gaulois, por Bosc e Bonnemère.
[vii]
  Procès de Réhabilitation de la Pucelle(segundo os documentos da Escola de Chartes).


                LEON DENIS

Contador de visitas
计数器
Contador de visitas

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por duronaqueda às 00:06

...

Sexta-feira, 18.05.12

Crenças e Negações





A Grécia

Entre os povos de iniciativa, nenhum há cuja missão se manifeste com maior brilho do que o da Hélade. A Grécia iniciou a Europa em todos os esplendores do belo. De sua mão aberta saiu a civilização ocidental e o seu gênio de vinte séculos atrás ainda hoje se irradia sobre as nações. Por isso é que, apesar de seus desmembramentos, de suas lutas intestinas, de sua queda final, ela tem sido admirada em todas as épocas.
A Grécia soube traduzir, em linguagem clara, as belezas obscuras da sabedoria oriental. Exprimiu-as a princípio com o adjutório dessas duas harmonias celestes que tornou humanas: a música e a poesia. Orfeu e Homero foram os primeiros que fizeram ouvir seus acordes à terra embevecida. Mais tarde, esse ritmo, essa harmonia que o gênio nascente da Grécia havia introduzido na palavra e no canto, Pitágoras, o iniciado dos templos egípcios, observou-os por toda parte do Universo, na marcha dos astros que se movem, futuras moradas da Humanidade, no seio dos espaços, na concordância dos três mundos, natural, humano e divino, que se sustentam, se equilibram, se completam, para produzirem a vida em sua corrente ascensional e em sua espiral infinita. Dessa visão estupenda decorria para ele a idéia de uma tríplice iniciação, pela qual o homem, conhecedor dos princípios eternos, aprendia, depurando-se, a libertar-se dos males terrestres e a elevar-se para a perfeição. Daí, um sistema de educação e de reforma a que Pitágoras deixou o seu nome, e que tantos sábios e heróis produziu.
Enfim, Sócrates e Platão, popularizando os mesmos princípios, derramando-os em círculo mais lato, inauguraram o reinado da ciência franca, que veio substituir o ensino secreto.
Tal foi o papel representado pela Grécia na história da evolução do pensamento. Em todos os tempos, a iniciação exerceu uma influência capital sobre os destinos desse país. Não é nas flutuações políticas, agitadas nessa raça inconstante e impressionável, que se devem procurar as mais altas manifestações do gênio helênico. A iniciação não tinha seu foco na sombria e brutal Esparta, nem na brilhante e frívola Atenas, mas, sim, em Delfos, em Olímpia, em Elêusis, refúgios sagrados da pura doutrina. Era ali que, pela celebração dos mistérios, ela se revelava em toda a sua pujança. Ali, pensadores, poetas e artistas iam colher o ensino oculto, que depois traduziam à multidão em imagens vivas e em versos inflamados. Acima das cidades turbulentas, sempre prontos a se dilacerarem, acima das oscilações políticas, passando alternativamente da aristocracia à democracia e ao reinado dos tiranos, um poder supremo dominava a Grécia: o tribunal dos Anfitriões, que tinha Delfos por sede, e que se compunha de iniciados de grau superior. Por si só, ele salvara a Hélade nas horas de perigo, impondo silêncio às rivalidades de Esparta e de Atenas.
Já no tempo de Orfeu os templos possuíam a ciência secreta.
“Escuta – dizia o mestre ao neófito [i] –, escuta as verdades que convém ocultar à multidão, e que fazem a força dos santuários. Deus é um, e sempre semelhante a si mesmo; porém, os deuses são inumeráveis e diversos, porque a divindade é eterna e infinita. Os maiores são as aluías dos astros, etc.
“Entraste com o coração puro no seio dos Mistérios. Chegou a hora suprema em que te vou fazer penetrar até às fontes da vida e da luz. Os que não levantam o véu espesso que esconde aos olhos dos homens as maravilhas invisíveis não se tornarão filhos dos Deuses.”
Aos místicos[ii] e aos iniciados:
“Vinde gozar, vós que tendes sofrido; vinde repousar, vós que tendes lutado. Pelos sofrimentos passados, pelo esforço que vos conduz, vencereis, e se acreditais nas palavras divinas já vencestes, porque, depois do longo circuito das existências tenebrosas, saireis, enfim, do círculo doloroso das gerações e, como uma só alma, vos encontrareis na luz de Dionisos.[iii]“Amai, porque tudo ama; amai, porém, a luz e não as trevas. Durante a vossa viagem tende sempre em mira esse alvo. Quando as almas voltam ao espaço, trazem, como hediondas manchas, todas as faltas da sua vida estampadas no corpo etéreo... E, para apagá-las, cumpre que expiem e voltem à Terra. Entretanto, os puros, os fortes, vão para o sol de Dionisos.”
*Domina o grupo dos filósofos gregos uma imponente figura. É Pitágoras, esse filho de Iônia que melhor soube coordenar e pôr em evidência as doutrinas secretas do Oriente, e melhor soube fazer delas uma vasta síntese, que ao mesmo tempo abraçasse a moral, a ciência e a religião. A sua Academia de Crotona foi uma escola admirável de iniciação laica, e sua obra, o prelúdio desse grande movimento de idéias que, com Platão e Jesus, iam agitar as camadas profundas da sociedade antiga, impelindo suas torrentes até às extremidades do continente.
Pitágoras havia estudado durante trinta anos no Egito. Aos seus vastos conhecimentos juntava uma intuição maravilhosa, sem a qual nem sempre bastam a observação e o raciocínio para descobrir a verdade. Graças a tais qualidades, pôde levantar o magnífico monumento da ciência esotérica, cujas linhas essenciais não podemos deixar de aqui traçar:
“A essência em si escapa ao homem, dizia a doutrina pitagórica,[iv] pois ele só pode conhecer as coisas deste mundo, em que o finito se combina com o infinito. Como conhecê-las? Há entre ele e as coisas uma harmonia, uma relação, um princípio comum, e esse princípio é dado a tudo pelo Uno que, com a essência, fornece também a sua medida e inteligibilidade.
“Vosso ser, vossa alma é um pequeno universo, mas está cheio de tempestades e de discórdias. Trata-se de realizar aí a unidade na harmonia. Somente então descerá Deus até vossa consciência, participareis assim do seu poder, e da vossa vontade fareis a pedra da ladeira, o altar de Hestia, o trono de Júpiter.”
Os pitagóricos chamavam Espírito ou inteligência à parte ativa e imortal do ser humano. A alma era para eles o Espírito envolvido em seu corpo fluídico e etéreo. O destino da Psique, a alma humana, sua queda e cativeiro na carne, seus sofrimentos e lutas, sua reascensão gradual, seu triunfo sobre as paixões e sua volta final à luz, tudo isto constituía o drama da vida, representado nos Mistérios de Elêusis como sendo o ensino por excelência.
Segundo Pitágoras,[v] a evolução material dos mundos e a evolução espiritual das almas são paralelas, concordantes, e explicam-se uma pela outra. A grande alma, espalhada na Natureza, anima a substância que vibra sob seu impulso e produz todas as formas e todos os seres. Os seres conscientes, por seus longos esforços, desprendem-se da matéria, que dominam e governam a seu turno, libertam-se e aperfeiçoam-se através de existências inumeráveis. Assim, o invisível explica o visível, e o desenvolvimento das criações materiais é a manifestação do Espírito Divino.
Procurando-se nos tratados de Física dos antigos a opinião deles sobre a estrutura do Universo, enfrentam-se dados grosseiros e atrasados; esses não são, porém, mais que alegorias. O ensino secreto dava, sobre as leis do Universo, noções muito mais elevadas. Diz-nos Aristóteles que os pitagóricos conheciam o movimento da Terra em torno do Sol. A idéia da rotação terrestre veio a Copérnico pela leitura de uma passagem de Cícero, que lhe ensinou ter Hicetas, discípulo de Pitágoras, falado do movimento diurno do globo. No terceiro grau de iniciação aprendia-se o duplo movimento da Terra.
Como os sacerdotes do Egito, seus mestres, Pitágoras sabia que os planetas nasceram do Sol, em torno do qual giram, e que cada estrela é um sol iluminando outros mundos, e que compõe, com seu cortejo de esferas, outros tantos sistemas siderais, outros tantos universos regidos pelas mesmas leis que o nosso. Essas noções, porém, jamais eram confiadas ao papel; constituíam o ensino oral comunicado sob sigilo. O vulgo não as compreenderia; considera-las-ia como contrárias à mitologia e, por conseguinte, sacrílegas.[vi]A ciência secreta também ensinava que um fluido imponderável se estende por toda parte e tudo penetra. Agente sutil, sob a ação da vontade ele se modifica, se transforma, se rarefaz e se condensa segundo a potência e elevação das almas que o empregam, tecendo com essa substância o seu vestuário astral. É o traço de união entre o Espírito e a matéria, tudo gravando-se nele, refletindo-se como imagens em um espelho, sejam pensamentos ou acontecimentos. Pelas propriedades desse fluido, pela ação que a vontade sobre ele exerce, explicam-se os fenômenos da sugestão e da transmissão do pensamento. Os antigos chamavam-lhe, por alegoria, véu misterioso de Ísis ou manto de Cibele, que envolve tudo o que existe. Esse mesmo fluido serve de veículo de comunicação entre o visível e o invisível, entre os homens e as almas desencarnadas.
A ciência do mundo invisível constituía um dos ramos mais importantes do ensino reservado. Por ela se havia sabido deduzir, do conjunto dos fenômenos, a lei das relações que unem o mundo terrestre ao mundo dos Espíritos; desenvolviam-se com método as faculdades transcendentais da alma humana, tornando possível a leitura do pensamento e a vista a distância. Os fatos de clarividência e de adivinhação, produzidos pelas sibilas e pitonisas, oráculos dos templos gregos, são atestados pela História. Muitos espíritos fortes os consideram apócrifos. Sem dúvida, cumpre levar em conta a exageração e a lenda; mas as recentes descobertas da psicologia experimental têm-nos demonstrado que nesse domínio havia alguma coisa mais do que vã superstição e convidam-nos a estudar mais atentamente um conjunto de fatos que, na antiguidade, repousava sobre princípios fixos e fazia parte de uma ciência profunda e grandiosa.
Em geral, não se encontram essas faculdades senão em seres de pureza e elevação de sentimento extraordinária; exigem preparo longo e minucioso. Os oráculos referidos por Heródoto, a propósito de Creso e da batalha de Salamina, provam que Delfos possuiu pessoas assim dotadas. Mais tarde, imiscuíram-se abusos nessa prática. A raridade das pessoas assim felizmente dotadas tornou os sacerdotes menos escrupulosos na sua escolha. Corrompeu-se e caiu em desuso a ciência adivinhatória. Segundo Plutarco, a desaparição dessa ciência foi considerada por toda a sociedade antiga como uma grande desgraça.
Toda a Grécia acreditava na intervenção dos Espíritos em coisas humanas. Sócrates tinha o seu daimon ou Gênio familiar. Exaltados pela convicção de que potências invisíveis animavam seus esforços, os gregos, em Maratona e Salanitna, repeliram pelas armas a terrível invasão dos persas. Em Maratona, os atenienses acreditaram ver dois guerreiros, brilhantes de luz, combaterem em suas fileiras. Dez anos mais tarde, Pítia, sacerdotisa de Apolo, sob a inspiração dum Espírito, indicou a Temístocles, do alto da sua trípode, os meios de salvar a Grécia. Se Xerxes caísse vencedor, os asiáticos bárbaros apoderar-se-iam de toda a Hélade, abafando o seu gênio criador, fazendo recuar, dois mil anos talvez, o desabrochar da ideal beleza do pensamento.
Os gregos, com um punhado de homens, derrotaram o imenso exército asiático e, conscientes do socorro oculto que os assistia, rendiam suas homenagens a Palas-Ateneu, divindade tutelar, símbolo da potência espiritual, nessa sublime rocha da Acrópole, moldurada pelo mar brilhante e pelas linhas grandiosas do Pentélico e do Himeto.
Para a difusão dessas idéias muito havia contribuído a participação nos Mistérios, pois desenvolvia nos iniciados o sentimento do invisível, que, então, sob formas diversas, se espalhava entre o povo. Na Grécia, no Egito e na Índia, consistiam os Mistérios em uma mesma coisa: o conhecimento do segredo da morte, a revelação das vidas sucessivas e a comunicação com o mundo oculto. Esse ensino, essas práticas, produziam nas almas impressões profundas; infundiam-lhes uma paz, uma serenidade, uma força moral incomparáveis.
Sófocles chama aos Mistérios “esperança da morte”, e Aristófanes diz que passavam uma vida mais santa e pura os que neles tomavam parte. Recusava-se a admitir os conspiradores, os perjuros e os debochados.
Porfiro escreveu:
“Nossa alma, no momento da morte, deve achar-se como durante os Mistérios, isto é, isenta de paixão, de cólera e de ócio.”
Pelos seguintes termos, Plutarco afirma que, nesse mesmo estado, conversava-se com as almas dos defuntos:
“Na maior parte das vezes, intervinham nos Mistérios excelentes Espíritos, embora, em algumas outras, procurassem os perversos ali se introduzirem.”
Proclo também acrescenta:[vii]“Em todos os Mistérios, os deuses (aqui, significa esta palavra todas as ordens de espíritos) mostram-se de muitas maneiras, aparecem sob grande variedade de figuras e revestem a forma humana.”
A doutrina esotérica era um laço de união entre o filósofo e o padre. Eis o que explica a sua harmonia em comum e a ação medíocre que o sacerdócio teve na civilização helênica. Essa doutrina ensinava os homens a dominarem as suas paixões e desenvolvia neles a vontade e a intuição. Por um exercício progressivo, os adeptos de grau superior conseguiam penetrar todos os segredos da Natureza, dirigir à vontade as forças em ação no mundo, produzir fenômenos de aparição sobrenatural, mas que, entretanto, eram simplesmente a manifestação natural das leis desconhecidas pelo vulgo.
Sócrates e, mais tarde, Platão continuaram na Atica a obra de Pitágoras. Sócrates não quis jamais fazer-se iniciar, porque preferia a liberdade de ensinar a toda gente as verdades que a sua razão lhe havia feito descobrir. Depois da morte deste, Platão transportou-se ao Egito e ali foi admitido nos Mistérios. Voltando a conferenciar com os pitagóricos, fundou, então, a sua academia. Mas, a sua qualidade de iniciado não mais lhe permitia falar livremente e, nas suas obras, a grande doutrina aparece um tanto velada. Não obstante isso, encontram-se no Fedon e no Banquete a teoria das emigrações da alma e suas reencarnações, assim como a das relações entre os vivos e os mortos. Conhece-se, igualmente, a cena alegórica que Platão colocou no fim da sua República. Um gênio tira, de sobre os joelhos das Parcas, os destinos, as diversas condições humanas, e exclama:
“Almas divinas! entrai em corpos mortais; ide começar uma nova carreira. Eis aqui todos os destinos da vida. Escolhei livremente; a escolha é irrevogável. Se for má, não acuseis por isso a Deus.”
Essas crenças tinham penetrado no mundo romano, pois Cícero a elas se refere, no Sonho de Cipião (capítulo III), bem como Ovídio, nas suas Metamorfoses (capítulo XV). No sexto livro da Eneida, de Virgílio, vê-se que Enéias encontra nos Campos Elíseos seu pai Anquises, e aprende deste a lei dos renascimentos. Todos os grandes autores latinos dizem que Gênios familiares assistem e inspiram os homens de talento.[viii] Lucano, Tácito, Apuleio, e bem assim Filóstrato, o grego, em suas obras falam freqüentemente de sonhos, aparições e evocações de mortos.
*Em resumo, a doutrina secreta, mãe das religiões e das filosofias, reveste aparências diversas no correr das idades, mas sua base permanece imutável em toda parte. Nascida simultaneamente na Índia e no Egito, passa daí para o Ocidente com a onda das migrações. Encontramo-la em todos os países ocupados pelos celtas. Oculta na Grécia pelos Mistérios, ela se revela no ensino de mestres tais como Pitágoras e Platão, debaixo de formas cheias de sedução e poesia. Os mitos pagãos são como um véu de ouro que esconde em suas dobras as linhas puras da sabedoria délfica. A escola de Alexandria recolhe os seus princípios e infunde-os no sangue jovem e impetuoso do Cristianismo. Já o Evangelho, como a abóbada das florestas sob um sol brilhante, era iluminado pela ciência esotérica dos essênios, outro ramo dos iniciados. A palavra do Cristo havia bebido nessa fonte de água viva e inesgotável as suas imagens variadas e os seus encantos poderosos.[ix] Assim é que, por toda parte, através da sucessão dos tempos e do rasto dos povos, se afirmam a existência e a perpetuidade de um ensino secreto que se encontra idêntico no fundo de todas as grandes concepções religiosas ou filosóficas. Os sábios, os pensadores, os profetas dos templos e dos países mais diversos, nele acharam a inspiração e a energia que fazem empreender grandes coisas e transformar almas e sociedades, impelindo-as para frente na estrada evolutiva do progresso.
Há aí como que uma grande corrente espiritual que se desenrola misteriosamente nas profundezas da História, e parece sair desse mundo invisível que nos domina, nos envolve, e onde vivem e atuam ainda os grandes Espíritos que têm servido de guias à Humanidade, e que jamais cessaram de com ela comunicar-se.

[i]    Hinos órficos.[ii]   Os que começavam a iniciação.[iii]   Segundo a expressão de Pitágoras, Apolo e Dionisos são duas revelações do Verbo de Deus, que se manifesta eternamente no mundo.[iv]   Ed. Schuré, Les Grands Initiés – Pythagore, pág. 329.
[v]    Ver Vers Dorés, de Pitágoras, tradução Ollvet; Pythagore et la Philosophie Pythagoricienrie, por Chalgnet.
[vi]   “Les Grands Initiés” – Pythagore, Ed. Schuré.
[vii]  Comentários de La République, de Platão.
[viii]  De Univers, 2, Maury 87, por Cicero; De Gen. Socrat., por Apulelo; Hist., 1, 20, capítulo 6, pág. 287, por A. Marcellin.
[ix]   Ver Nota Especial nº 1, no fim do volume.

LEON DENIS

Contador de visitas
计数器
Contador de visitas

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por duronaqueda às 00:00








comentários recentes




subscrever feeds