Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



FF 2012-2013(MARVEL CAPAS)

Terça-feira, 23.09.14
FF 001FF 002FF 003FF 004FF 005FF 006FF 007FF 008FF 009FF 010
Contador de visitas
计数器
Contador de visitas

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por duronaqueda às 22:59

FF 2012-2013(MARVEL CAPAS)

Terça-feira, 23.09.14
FF 001FF 002FF 003FF 004FF 005FF 006FF 007FF 008FF 009FF 010
Contador de visitas
计数器
Contador de visitas

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por duronaqueda às 22:59

Fernando Gonsales cartunista

Terça-feira, 23.09.14

     Fernando Gonsales

Fernando Gonsales é um cartunista brasileiro, cujo principal personagem é o rato Níquel Náusea – nome que também intitulada a tira de jornal em que aparece. Nascido em 3 de fevereiro de 1961, na cidade de São Paulo, formou-se em Veterinária, na turma de 1983 da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da USP e em Biologia, na turma de 1998/1999 do Instituto de Biociências da mesma universidade. Graças a essa formação, muitas vezes insere informações científicas em quadrinhos que retratam de forma divertida características de animais – com personagens que vão de protozoários a dinossauros. Esse tipo de quadrinho, com personagens “soltos”, são alternados com as tiras de personagens fixos, entre os quais a barata Fliti, a rata Gatinha o rato Ruter – além do próprio Níquel Náusea. Suas tiras foram publicadas inicialmente em 1985, quando ganhou um concurso promovido pelo jornal Folha de São Paulo. Desde então as tiras continuam a ser publicadas neste veículo há mais de 20 anos. Vários outros jornais também passam ou já passaram suas tiras, entre os quais Zero Hora (Porto Alegre - RS), Correio Brasiliense (Brasília - DF), e Diário do Comércio (Belo Horizonte - MG) sendo que, em média, 12 jornais no Brasil as publicam com regularidade, um jornal no exterior – o Diário de Notícias, de Portugal, e a revista mensal inglesa Jungle Drums.  

Antes de se lançar profissionalmente como cartunista, realizou seu único trabalho como médico veterinário: a captação e tratamento de animais de uma região da floresta amazônica que foi inundada para implantação da Usina Hidrelétrica de Tucuruí, no Pará. Mas faz críticas a ação desenvolvida neste projeto, que segundo ele não trouxe reais benefícios para os animais. Na faculdade, criou cartazes para o centro acadêmico e fez uma prova sobre parasitologia toda em quadrinhos – formato que não agradou o professor, mas que foi obrigado a aceitá-lo porque as informações contidas nele estavam corretas. Além dos quadrinhos, Fernando Gonsales também faz ilustrações para livros, matérias de revistas e para publicidade

Em 2005 colaborou com a linha de sandálias “Havainas Cartunistas” criando um desenho com o tema Amazônia, ao lado de outros quatro cartunistas brasileiros, que trabalharam em cima de outros “temas nacionais”. Fora da esfera do desenho, criou roteiros para o extinto programa de televisão TV Colosso, da emissora Rede Globo. Seu processo criativo consiste em pensar no contexto, desenhar a lápis e depois passar o nanquim. Após ser “escaneada”, a imagem é colorida no computador – esta última etapa costuma ser realizada por sua companheira, Marília Di Láscio, que foi uma colega de faculdade de veterinária. Ele não tem filhos e nem animais de estimação - mas conta que na infância, além de bichinhos como gafanhoto, aranha, rã e hamster, criou uma pulga, a qual alimentava com seu próprio sangue, encostando o vidrinho que a continha na barriga.

Fernando GONSALES teve seus quadrinhos compilados no livro Os Ratos Também Choram pela editora Bookmakers em parceria com a Cybercomix em 1999, e pela Editora Devir nos livros:
Com Mil Demônios (2002 – ISBN 8575320297)
Botando os Bofes pra Fora (2002 – ISBN 8575320491)
Nem Tudo que Balança Cai (2003 – ISBN 8575320866)
Vá Pentear Macacos (2004 – ISBN 8575321129)
A Perereca da Vizinha (2005 – ISBN 857532201X)
Manteve por um período de 10 anos a revista Níquel Náusea, de periodicidade irregular - entre 1986 e 1996, foram publicadas 29 edições. Ao final de 2005, seu acervo já contava com mais de 5000 tiras. Novas tirinhas podem ser vistas diariamente em seu site.
                                                                              Prêmios

Fernando GONSALES ganhou por 2 vezes o Prêmio Angelo Agostini, mantido pela AQC-ESP, um de melhor roteirista e outro de melhor desenhista, e por 14 vezes o Troféu HQ Mix, entre 1989 e 2004, nas seguintes categorias:
Melhor tira nacional de quadrinhos em 1989, 1990, 1991, 1993, 1994, 1996, 2001, 2003
Personagem destaque do ano para Níquel Náusea em 1998
Melhor revista de humor - Níquel Náusea em 1992
Melhor álbum de humor - Níquel Náusea em 1999 e Com mil demônios em 2002
Melhor publicação de livro de tiras - Nem tudo que balança cai em 2003 e Vá pentear macacos em 2004
Contador de visitas
计数器
Contador de visitas

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por duronaqueda às 22:58

Festa junina

Terça-feira, 23.09.14

Festa junina
Festas juninas ou festas dos santos populares são celebrações que acontecem em vários países historicamente relacionadas com a festa pagã do solstício de verão na europa ou do inverno no Brasil, que era celebrada no dia 24 de junho, segundo o calendário juliano (pré-gregoriano) e cristianizada na Idade Média como "Festa de São João". Outros dois santos populares celebrados nesta mesma época são São Pedro e São Paulo (no dia 29) e Santo António (no dia 13). Em Portugal, as festas dos 3 santos populares, marcam o início das festas de Verão, por todo o país.

Essas celebrações são particularmente importantes no Norte da Europa — Dinamarca, Estónia, Finlândia, Letônia, Lituânia, Noruega e Suécia — mas também em grande escala na Irlanda, na Galiza, partes do Reino Unido (especialmente na Cornualha), França, Itália, Malta, Portugal, Espanha, Ucrânia, outras partes da Europa, e em outros países como Canadá, Estados Unidos, Porto Rico, Brasil e Austrália.

Ficheiro:Seurasaari-2005-johannus2.jpg
Fogueira de Festa do Verão em Mäntsälä. Fogueiras de São João (Festa do Verão) são bastantes populares no dia de São João ("Juhannus") no campo ao redor das cidades em festejos.


                                            Tradições e costumes
                                                Origem da fogueira 
De origem europeia, as fogueiras juninas fazem parte da antiga tradição pagã de celebrar o solstício de verão. Assim como a cristianização da árvore pagã "sempre verde" em árvore de natal, a fogueira do dia de "Midsummer" (25 de junho) tornou-se, pouco a pouco na Idade Média, um atributo da festa de São João Batista, o santo celebrado nesse mesmo dia. Ainda hoje, a fogueira de São João é o traço comum que une todas as Festas de São João Europeias (da Estônia a Portugal, da Finlândia à França). Uma lenda católica cristianizando a fogueira pagã estival afirma que o antigo costume de acender fogueiras no começo do verão europeu tinha suas raízes em um acordo feito pelas primas Maria e Isabel. Para avisar Maria sobre o nascimento de São João Batista e assim ter seu auxílio após o parto, Isabel teria de acender uma fogueira sobre um monte.

Ficheiro:Quadrilha Junina 1.jpg
Quadrilha Junina da Festa do São Pedro de Belém (Paraíba)

O uso de balões  
O uso de balões e fogos de artifício durante o São João no Brasil, está relacionado com o tradicional uso da fogueira junina e seus efeitos visuais. Este costume foi trazido pelos portugueses para o Brasil, e ele se mantém em ambos lados do Atlântico, sendo que é na cidade do Porto, em Portugal, onde mais se evidência. Fogos de artifício manuseados por pessoas privadas e espetáculos pirotécnicos organizados por associações ou municipalidades tornaram-se uma parte essencial da festa no Nordeste, em outras partes do Brasil e em Portugal. Os fogos de artifício, segundo a tradição popular, servem para despertar São João Batista.

Ficheiro:Quadrilha junina Sergipe.jpg
Uma quadrilha de Sergipe.


                                                 Em Portugal, pequenos papéis são atados no balão com desejos e pedidos. Os balões serviam para avisar que a festa iria começar; eram soltos de cinco a sete balões para se identificar o início da festança. Os balões, no entanto, constituem atualmente uma prática proibida por lei em muitos locais, devido ao risco de incêndio.
Durante todo o mês de junho é comum, principalmente entre as crianças, soltar bombas, conhecidas por nomes como traque, chilene, cordão, cabeção-de-negro, cartucho, treme-terra, rojão, buscapé, cobrinha, espadas-de-fogo'chuvinha pimentinha bufa-de-vei e bombão.


ANTES

DEPOIS

O mastro de São João 
O mastro de São João, conhecido em Portugal também como o mastro dos Santos Populares, é erguido durante a festa junina para celebrar os três santos ligados a essa festa. No Brasil, no topo de cada mastro são amarradas em geral três bandeirinhas simbolizando os santos. Tendo hoje em dia uma significação cristã bastante enraizada e sendo, entre os costumes de São João, um dos mais marcadamente católico, o levantamento do mastro tem sua origem, no entanto, no costume pagão de levantar o "mastro de maio", ou a árvore de maio, costume ainda hoje vivo em algumas partes da Europa.


Além de sua cristianização profunda em Portugal e no Brasil, é interessante notar que o levantamento do mastro de maio em Portugal é também erguido em junho e a celebrar as festas desse mês — o mesmo fenômeno também ocorrendo na Suécia, onde o mastro de maio, "majstången", de origem primaveril, passou a ser erguido durante as festas estivais de junho, "Midsommarafton". O fato de suspender milhos e laranjas ao mastro de São João parece ser um vestígio de práticas pagãs similares em torno do mastro de maio.A tradição do Cambeiro é celebrada em Janeiro.Hoje em dia, um rico simbolismo católico popular está ligado aos procedimentos envolvendo o levantamento do mastro e os seus enfeites. Atualmente no Brasil, soltar balões é considerado crime gravíssimo.


 A Quadrilha 
A quadrilha brasileira tem o seu nome de uma dança de salão francesa para quatro pares, a "quadrille", em voga na França entre o início do século XIX e a Primeira Guerra Mundial. A "quadrille" francesa, por sua parte, já era um desenvolvimento da "contredanse", popular nos meios aristocráticos franceses do século XVIII. A "contredanse" se desenvolveu a partir de uma dança inglesa de origem campesina, surgida provavelmente por volta do século XIII, e que se popularizara em toda a Europa na primeira metade do século XVIII.
A "quadrille" veio para o Brasil seguindo o interesse da classe média e das elites portuguesas e brasileiras do século XIX por tudo que fosse a última moda de Paris (dos discursos republicanos de Gambetta e Jules Ferry, passando pelas poesias de Victor Hugo e Théophile Gautier até a criação de uma academia de letras, dos cabelos cacheados de Sarah Bernhardt até ao uso do cavanhaque).
Ao longo do século XIX, a quadrilha se popularizou no Brasil e se fundiu com danças brasileiras pré-existentes e teve subsequentes evoluções (entre elas o aumento do número de pares e o abandono de passos e ritmos franceses). Ainda que inicialmente adotada pela elite urbana brasileira, esta é uma dança que teve o seu maior florescimento no Brasil rural (daí o vestuário campesino), e se tornou uma dança própria dos festejos juninos, principalmente no Nordeste.



 A partir de então, a quadrilha, nunca deixando de ser um fenômeno popular e rural, também recebeu a influência do movimento nacionalista e da sistematização dos costumes nacionais pelos estudos folclóricos.
O nacionalismo folclórico marcou as ciências sociais no Brasil como na Europa entre os começos do Romantismo e a Segunda Guerra Mundial. A quadrilha, como outras danças brasileiras tais que o pastoril, foi sistematizada e divulgada por associações municipais, igrejas e clubes de bairros, sendo também defendida por professores e praticada por alunos em colégios e escolas, na zona rural ou urbana, como sendo uma expressão da cultura cabocla e da república brasileira. Esse folclorismo acadêmico e ufano explica duma certa maneira o aspecto matuto rígido e artificial da quadrilha.

Ficheiro:Sao joao porto.jpeg

No entanto, hoje em dia, essa artificialidade rural é vista pelos foliões como uma atitude lúdica, teatral e festiva, mais do que como a expressão de um ideal folclórico, nacionalista ou acadêmico qualquer. Seja como for, é correto afirmar que a quadrilha deve a sua sobrevivência urbana na segunda metade do século XX e o grande sucesso popular atual aos cuidados meticulosos de associações e clubes juninos da classe média e ao trabalho educativo de conservação e prática feito pelos estabelecimentos do ensino primário e secundário, mais do que à prática campesina real, ainda que vivaz, porém quase sempre desprezada pela cultura citadina.
Desde do século XIX e em contato com diferentes danças do país mais antigas, a quadrilha sofreu influências regionais, daí surgindo muitas variantes:
"Quadrilha Caipira" (São Paulo)
"Saruê", corruptela do termo francês "soirée", (Brasil Central)
"Baile Sifilítico" (Bahia)
"Mana-Chica" (Rio de Janeiro)
"Quadrilha" (Sergipe)
"Quadrilha Matuta"

Hoje em dia, entre os instrumentos musicais que normalmente podem acompanhar a quadrilha encontram-se o acordeão, pandeiro, zabumba, violão, triângulo e o cavaquinho. Não existe uma música específica que seja própria a todas as regiões. A música é aquela comum aos bailes de roça, em compasso binário ou de marchinha, que favorece o cadenciamento das marcações.
Em geral, para a prática da dança é importante a presença de um mestre "marcante" ou "marcador", pois é quem determina as figurações diversas que os dançadores devem desenvolver. Termos de origem francesa são ainda utilizados por alguns mestres para cadenciar a dança.

Os participantes da quadrilha, vestidos de matuto ou à caipira, como se diz fora do nordeste (indumentária que se convencionou pelo folclorismo como sendo a das comunidades caboclas), executam diversas evoluções em pares de número variável. Em geral o par que abre o grupo é um "noivo" e uma "noiva", já que a quadrilha pode encenar um casamento fictício. Esse ritual matrimonial da quadrilha liga-a às festas de São João europeias que também celebram aspirações ou uniões matrimoniais. Esse aspecto matrimonial juntamente com a fogueira junina constituem os dois elementos mais presentes nas diferentes festas de São João da Europa.
Outras danças e canções 
No nordeste brasileiro, o forró assim como ritmos aparentados tais que o baião, o xote, o reizado, o samba-de-coco e as cantigas canções típicas das festas juninas.


Costumes populares 
As festas juninas brasileiras podem ser divididas em dois tipos distintos: as festas da Região Nordeste e as festas do Brasil caipira, ou seja, nos estados de São Paulo, Paraná (norte), Minas Gerais (sobretudo na parte sul) e Goiás.No Nordeste brasileiro se comemora, com pequenas ou grandes festas que reúnem toda a comunidade e muitos turistas, com fartura de comida, quadrilhas, casamento matuto e muito forró. É comum os participantes das festas se vestirem de matuto, os homens com camisa quadriculada, calça remendada com panos coloridos, e chapéu de palha, e as mulheres com vestido colorido de chita e chapéu de palha.
No interior de São Paulo ainda se mantêm a tradição da realização de quermesses e danças de quadrilha em torno de fogueiras.Em Portugal há arraiais com foguetes, assam-se sardinhas e oferecem-se manjericos, as marchas populares desfilam pelas ruas e avenidas, dão-se com martelinhos de plástico e alho-porro nas cabeças das pessoas principalmente nas crianças e quando os rapazes se querem meter com as raparigas solteiras.
No nordeste brasileiro, O forró assim como ritmos aparentados tais que o baião, o xote, o reizado,o samba-de-coco e as cantigas são danças e cançoes típicas das festas juninas.


Simpatias, sortes e adivinhas para Santo Antônio  
O relacionamento entre os devotos e os santos juninos, principalmente Santo Antônio e São João, é quase familiar: cheio de intimidades, chega a ser, por vezes, irreverente, debochado e quase obsceno. Esse caráter fica bastante evidente quando se entra em contato com as simpatias, sortes, adivinhas e acalantos feitos a esses santos:
Confessei-me a Santo Antônio,
confessei que estava amando.
Ele deu-me por penitência
que fosse continuando.

Os objetos utilizados nas simpatias e adivinhações devem ser virgens, ou seja, estar sendo usados pela primeira vez, senão… nada de a simpatia funcionar! A seguir, algumas simpatias feitas para Santo Antônio:
Moças solteiras, desejosas de se casar, em várias regiões do Brasil, colocam um figurino do santo de cabeça para baixo atrás da porta ou dentro do poço ou enterram-no até o pescoço. Fazem o pedido e, enquanto não são atendidas, lá fica a imagem de cabeça para baixo. E elas pedem:
Meu Santo Antônio

Para arrumar namorado ou marido, basta amarrar uma fita vermelha e outra branca no braço da imagem de Santo Antônio, fazendo a ele o pedido. Rezar um Pai-Nosso e uma Salve-Rainha. Pendurar a imagem de cabeça para baixo sob a cama. Ela só deve ser desvirada quando a pessoa alcançar o pedido.
No dia 13, é comum ir à igreja para receber o "pãozinho de Santo Antônio", que é dado gratuitamente pelos frades. Em troca, os fiéis costumam deixar ofertas. O pão, que é bento, deve ser deixado junto aos demais mantimentos para que estes não faltem jamais.
Em Lisboa, é tradicional uma cerimónia de casamento múltiplo do dia de Santo António, em que chegam a casar-se 200 a 300 casais ao mesmo tempo. Esta "tradição" começou nos anos do salazarismo, e desapareceu com a revolução de 74. Voltou a reaparecer há uns anos, promovida por uma cadeia de televisão.


Festas juninas por país  

Brasil  
As festas juninas, são na sua essência multiculturais, embora o formato com que hoje as conhecemos tenha tido origem nas festas dos santos populares em Portugal: Festa de Santo Antônio, Festa de São João e a Festa de São Pedro e São Paulo principalmente. A música e os instrumentos usados, cavaquinho, sanfona, triângulo ou ferrinhos, reco-reco, etc, estão na base da música popular e folclórica portuguesa e foram trazidos para o Brasil pelos povoadores e imigrantes do país irmão. As roupas 'caipiras' ou 'saloias' são uma clara referência ao povo campestre, que povoou principalmente o nordeste do Brasil e muitíssimas semelhanças se podem encontrar no modo de vestir 'caipira' tanto no Brasil como em Portugal. Do mesmo modo, as decorações com que se enfeitam os arraiais tiveram o seu início em Portugal com as novidades que na época dos descobrimentos os portugueses levavam da Ásia, enfeites de papel, balões de ar quente e pólvora por exemplo. Embora os balões tenham sido proibidos em muitos lugares do Brasil, eles são usados na cidade do Porto em Portugal com muita abundância e o céu se enche com milhares deles durante toda a noite.
No Brasil, recebeu o nome de junina (chamada inicialmente de joanina, de São João), porque acontece no mês de junho. Além de Portugal, a tradição veio de outros países europeus cristianizados dos quais são oriundas as comunidades de imigrantes, chegados a partir de meados do século XIX. Ainda antes, porém, a festa já tinha sido trazida para o Brasil pelos portugueses e logo foi incorporada aos costumes das populações indígenas e afro-brasileiras.


As grandes mudanças no conceito artístico contemporâneo, acarretam na "adequação e atualização" destas festas, onde ritmos e bandas não tradicionais aos tipicamente vivenciados são acrescentadas as grades e programações de festas regionais, incentivando o maior interesse de novos públicos. Essa tem sido a aposta de vários festejos para agradar a todos, não deixando de lado os costumes juninos, têm-se como exemplo as festas do interior da Bahia, como a de Amargosa, e Santo Antônio de Jesus, que apesar da inclusão de novas programações não deixa de lado a cultura nordestina do forró, conhecido como "pé de serra" nos dias de comemoração junina.A festa de São João brasileira é típica da Região Nordeste. Por ser uma região árida, o Nordeste agradece anualmente a São João, mas também a São Pedro, pelas chuvas caídas nas lavouras. Em razão da época propícia para a colheita do milho, as comidas feitas de milho integram a tradição, como a canjica e a pamonha.O local onde ocorre a maioria dos festejos juninos é chamado de arraial, um largo espaço ao ar livre cercado ou não e onde barracas são erguidas unicamente para o evento, ou um galpão já existente com dependências já construídas e adaptadas para a festa. Geralmente o arraial é decorado com bandeirinhas de papel colorido, balões e palha de coqueiro ou bambu. Nos arraiais acontecem as quadrilhas, os forrós, leilões, bingos e os casamentos matutos.



Locais
Estes arraiais são muito comuns em Portugal e não são exclusivos do São João, são parte da tradição popular em geral. Nessas festas podemos encontrar imensas semelhanças tanto no Brasil como em Portugal, mas não só. Na África e na Ásia, Macau, Índia, Malásia, na Comunidade Cristang, os portugueses deixaram essa tradição dos santos populares bem marcada.
Atualmente, os festejos ocorridos em cidades do Norte e Nordeste dão impulso à economia local. Citem-se, como exemplo,Amargosa, Santo Antônio de Jesus, Piritiba e Senhor do Bonfim na Bahia, em Mossoró no Rio Grande do Norte; em Arcoverde em Pernambuco; Campina Grande na Paraíba; Juazeiro do Norte no Ceará; e Cametá no Pará. Campina Grande (PB),Caruaru (PE) e Cruz das Almas (BA) realizam as maiores festas do Nordeste,cada uma delas tendo 30 dias de festa. Campina Grande possui o título de Maior São João do Mundo, embora Caruaru esteja consolidada no Guinness Book, categoria festa country (regional) ao ar livre.Outra região conhecida pelas festividades do mês de junho é o interior de São Paulo, onde ainda se mantêm a tradição da realização de quermesses e danças de quadrilha em torno de fogueiras. A culinária local apresenta pratos caracteríticos da época, como a paçoca, o pé-de-moleque, o bolinho caipira, pasteis, canjica e outros. As quermesses atraem também músicos sertanejos e brincadeiras para os mais novos...

Portugal 
Em Portugal, estas festividades, genericamente conhecidas pelo nome de Festas dos santos populares, correspondem a diferentes feriados municipais: São Gonçalo em Amarante; Santo António em Aljustrel, Amares, Cascais, Estarreja, Ferreira do Zêzere, Lisboa, Proença-a-Nova, Reguengos de Monsaraz, Vale de Cambra, Vila Nova da Barquinha, Vila Nova de Famalicão, Vila Real e Vila Verde; São João em Aguiar da Beira, Alcochete, Almada, Almodôvar, Alcácer do Sal, Angra do Heroísmo, Armamar, Arronches, Braga, Calheta, Castelo de Paiva, Castro Marim, Cinfães, Figueira da Foz, Figueiró dos Vinhos, Guimarães, Horta, Lajes das Flores, Lourinhã, Lousã, Mértola, Moimenta da Beira, Moura, Nelas, Porto, Porto Santo, Santa Cruz das Flores, Santa Cruz da Graciosa, Sertã, Tabuaço, Tavira,Terras de Bouro, Valongo, Vila do Conde, Vila Franca do Campo, Vila Nova de Gaia, Vila do Porto e Vizela; São Pedro em Alfândega da Fé, Bombarral, Castro Daire, Castro Verde, Celorico de Basto, Évora, Felgueiras, Lajes do Pico, Macedo de Cavaleiros, Montijo, Penedono, Porto de Mós, Póvoa de Varzim, Ribeira Brava, São Pedro do Sul, Seixal, Sintra e Torres Vedras.
Nas cidades do Porto e de Braga em Portugal, o São João é festejado com uma intensidade inigualável, sendo que a festa é, à semelhança do que acontece no Nordeste do Brasil, entregue às pessoas que passam o dia e a noite nas ruas das cidades que são autênticos arraiais urbanos.Festas de São João são ainda celebradas em alguns países europeus católicos, protestantes e ortodoxos (França, Irlanda, os países nórdicos e do Leste europeu). As fogueiras de São João e a celebração de casamentos reais ou encenados (como o casamento fictício no baile da quadrilha nordestina e na tradição portuguesa) são costumes ainda hoje praticados em festas de São João europeias.


 França  
A "Fête de la Saint-Jean" (Festa de São João), tal como no Brasil e em Portugal, é comemorada no dia 24 de junho e tem como maior característica a fogueira. Em certos municípios franceses, uma alta fogueira é erigida pelos habitantes em honra a São João Batista. Trata-se de uma festa católica, embora ainda sejam mantidas tradições pagãs que originaram a festa. Na região de Vosges, a fogueira é chamada "chavande".
Polônia  
As tradições juninas da Polônia estão associadas principalmente com as regiões da Pomerânia e da Casúbia, e a festa é comemorada dia 23 de junho, chamada localmente 'Noc Swietojanska" (Noite de São João). A festa dura todo o dia, começando às 8h da manhã e varando a madrugada. De maneira análoga à festa brasileira, uma das características mais marcantes é o uso de fantasias, no entanto não de trajes camponeses como no Brasil, mas de vestimentas de piratas. Fogueiras são acesas para marcar a celebração. Em algumas das grandes cidades polonesas como Varsóvia e Cracóvia esta festa faz parte do calendário oficial da cidade.
Ucrânia  
A festa de Ivana Kupala (João Batista) é conhecida como a mais importante de todas as festas ucranianas de origem pagã, e vai desde 23 de junho até 6 de julho. É um rito de celebração pelo verão, que foi absorvido pela Igreja Ortodoxa. Muitos dos rituais das festas juninas ucranianas estão relacionados com o fogo, a água, fertilidade e auto-purificação. As moças, por exemplo, colocam guirlandas de flores na água dos rios para dar sorte. É bastante comum também pular as chamas das fogueiras. As festas juninas eslavas inspiraram o compositor Modest Mussorgsky para sua famosa obra "Noite no Monte Calvo"...


 Suécia 
As festas juninas da Suécia (Midsommarafton) são as mais famosas do mundo. É considerada a festa nacional sueca por excelência, comemorada ainda mais que o Natal. Ocorre entre os dias 20 e 26 de junho, sendo a sexta-feira o dia mais tradicional. Uma das características mais tradicionais são as danças em círculo ao redor do majstången, um mastro colocado no centro da aldeia. Quando o mastro é erigido, são atiradas flores e folhas. Tanto o majstången sueco (mastro de maio) como o mastro de São João brasileiro têm as suas origens no "mastro de maio" dos povos germânicos.Durante a festa, são cantados vários cânticos tradicionais da época e as pessoas se vestem de maneira rural, tal como no Brasil. Por acontecer no início do verão, são comuns as mesas cheias de alimentos típicos da época, como o morangos e as batatas. Também são tradicionais as simpatias, sendo a mais famosa a das moças que constroem buquês de sete ou nove flores de espécies diferentes e colocam sob o travesseiro, na esperança de sonhar com o futuro marido. No passado, acreditava-se que as ervas colhidas durante esta festa seriam altamente poderosas, e a água das fontes dariam boa saúde. Também nesta época, decoram-se as casas com arranjos de folhas e flores, segundo a superstição, para trazer boa sorte.
Durante este feriado, as grandes cidades suecas, como Estocolmo e Gotemburgo tornam-se desertas, pois as pessoas viajam para suas casas de veraneio para comemorar a festa.E os acidentes com balão são muito frequentes
Contador de visitas
计数器
Contador de visitas

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por duronaqueda às 22:58

Fernando Gonsales cartunista

Terça-feira, 23.09.14

     Fernando Gonsales

Fernando Gonsales é um cartunista brasileiro, cujo principal personagem é o rato Níquel Náusea – nome que também intitulada a tira de jornal em que aparece. Nascido em 3 de fevereiro de 1961, na cidade de São Paulo, formou-se em Veterinária, na turma de 1983 da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da USP e em Biologia, na turma de 1998/1999 do Instituto de Biociências da mesma universidade. Graças a essa formação, muitas vezes insere informações científicas em quadrinhos que retratam de forma divertida características de animais – com personagens que vão de protozoários a dinossauros. Esse tipo de quadrinho, com personagens “soltos”, são alternados com as tiras de personagens fixos, entre os quais a barata Fliti, a rata Gatinha o rato Ruter – além do próprio Níquel Náusea. Suas tiras foram publicadas inicialmente em 1985, quando ganhou um concurso promovido pelo jornal Folha de São Paulo. Desde então as tiras continuam a ser publicadas neste veículo há mais de 20 anos. Vários outros jornais também passam ou já passaram suas tiras, entre os quais Zero Hora (Porto Alegre - RS), Correio Brasiliense (Brasília - DF), e Diário do Comércio (Belo Horizonte - MG) sendo que, em média, 12 jornais no Brasil as publicam com regularidade, um jornal no exterior – o Diário de Notícias, de Portugal, e a revista mensal inglesa Jungle Drums.  

Antes de se lançar profissionalmente como cartunista, realizou seu único trabalho como médico veterinário: a captação e tratamento de animais de uma região da floresta amazônica que foi inundada para implantação da Usina Hidrelétrica de Tucuruí, no Pará. Mas faz críticas a ação desenvolvida neste projeto, que segundo ele não trouxe reais benefícios para os animais. Na faculdade, criou cartazes para o centro acadêmico e fez uma prova sobre parasitologia toda em quadrinhos – formato que não agradou o professor, mas que foi obrigado a aceitá-lo porque as informações contidas nele estavam corretas. Além dos quadrinhos, Fernando Gonsales também faz ilustrações para livros, matérias de revistas e para publicidade

Em 2005 colaborou com a linha de sandálias “Havainas Cartunistas” criando um desenho com o tema Amazônia, ao lado de outros quatro cartunistas brasileiros, que trabalharam em cima de outros “temas nacionais”. Fora da esfera do desenho, criou roteiros para o extinto programa de televisão TV Colosso, da emissora Rede Globo. Seu processo criativo consiste em pensar no contexto, desenhar a lápis e depois passar o nanquim. Após ser “escaneada”, a imagem é colorida no computador – esta última etapa costuma ser realizada por sua companheira, Marília Di Láscio, que foi uma colega de faculdade de veterinária. Ele não tem filhos e nem animais de estimação - mas conta que na infância, além de bichinhos como gafanhoto, aranha, rã e hamster, criou uma pulga, a qual alimentava com seu próprio sangue, encostando o vidrinho que a continha na barriga.

Fernando GONSALES teve seus quadrinhos compilados no livro Os Ratos Também Choram pela editora Bookmakers em parceria com a Cybercomix em 1999, e pela Editora Devir nos livros:
Com Mil Demônios (2002 – ISBN 8575320297)
Botando os Bofes pra Fora (2002 – ISBN 8575320491)
Nem Tudo que Balança Cai (2003 – ISBN 8575320866)
Vá Pentear Macacos (2004 – ISBN 8575321129)
A Perereca da Vizinha (2005 – ISBN 857532201X)
Manteve por um período de 10 anos a revista Níquel Náusea, de periodicidade irregular - entre 1986 e 1996, foram publicadas 29 edições. Ao final de 2005, seu acervo já contava com mais de 5000 tiras. Novas tirinhas podem ser vistas diariamente em seu site.
                                                                              Prêmios

Fernando GONSALES ganhou por 2 vezes o Prêmio Angelo Agostini, mantido pela AQC-ESP, um de melhor roteirista e outro de melhor desenhista, e por 14 vezes o Troféu HQ Mix, entre 1989 e 2004, nas seguintes categorias:
Melhor tira nacional de quadrinhos em 1989, 1990, 1991, 1993, 1994, 1996, 2001, 2003
Personagem destaque do ano para Níquel Náusea em 1998
Melhor revista de humor - Níquel Náusea em 1992
Melhor álbum de humor - Níquel Náusea em 1999 e Com mil demônios em 2002
Melhor publicação de livro de tiras - Nem tudo que balança cai em 2003 e Vá pentear macacos em 2004
Contador de visitas
计数器
Contador de visitas

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por duronaqueda às 22:58

Festa junina

Terça-feira, 23.09.14

Festa junina
Festas juninas ou festas dos santos populares são celebrações que acontecem em vários países historicamente relacionadas com a festa pagã do solstício de verão na europa ou do inverno no Brasil, que era celebrada no dia 24 de junho, segundo o calendário juliano (pré-gregoriano) e cristianizada na Idade Média como "Festa de São João". Outros dois santos populares celebrados nesta mesma época são São Pedro e São Paulo (no dia 29) e Santo António (no dia 13). Em Portugal, as festas dos 3 santos populares, marcam o início das festas de Verão, por todo o país.

Essas celebrações são particularmente importantes no Norte da Europa — Dinamarca, Estónia, Finlândia, Letônia, Lituânia, Noruega e Suécia — mas também em grande escala na Irlanda, na Galiza, partes do Reino Unido (especialmente na Cornualha), França, Itália, Malta, Portugal, Espanha, Ucrânia, outras partes da Europa, e em outros países como Canadá, Estados Unidos, Porto Rico, Brasil e Austrália.

Ficheiro:Seurasaari-2005-johannus2.jpg
Fogueira de Festa do Verão em Mäntsälä. Fogueiras de São João (Festa do Verão) são bastantes populares no dia de São João ("Juhannus") no campo ao redor das cidades em festejos.


                                            Tradições e costumes
                                                Origem da fogueira 
De origem europeia, as fogueiras juninas fazem parte da antiga tradição pagã de celebrar o solstício de verão. Assim como a cristianização da árvore pagã "sempre verde" em árvore de natal, a fogueira do dia de "Midsummer" (25 de junho) tornou-se, pouco a pouco na Idade Média, um atributo da festa de São João Batista, o santo celebrado nesse mesmo dia. Ainda hoje, a fogueira de São João é o traço comum que une todas as Festas de São João Europeias (da Estônia a Portugal, da Finlândia à França). Uma lenda católica cristianizando a fogueira pagã estival afirma que o antigo costume de acender fogueiras no começo do verão europeu tinha suas raízes em um acordo feito pelas primas Maria e Isabel. Para avisar Maria sobre o nascimento de São João Batista e assim ter seu auxílio após o parto, Isabel teria de acender uma fogueira sobre um monte.

Ficheiro:Quadrilha Junina 1.jpg
Quadrilha Junina da Festa do São Pedro de Belém (Paraíba)

O uso de balões  
O uso de balões e fogos de artifício durante o São João no Brasil, está relacionado com o tradicional uso da fogueira junina e seus efeitos visuais. Este costume foi trazido pelos portugueses para o Brasil, e ele se mantém em ambos lados do Atlântico, sendo que é na cidade do Porto, em Portugal, onde mais se evidência. Fogos de artifício manuseados por pessoas privadas e espetáculos pirotécnicos organizados por associações ou municipalidades tornaram-se uma parte essencial da festa no Nordeste, em outras partes do Brasil e em Portugal. Os fogos de artifício, segundo a tradição popular, servem para despertar São João Batista.

Ficheiro:Quadrilha junina Sergipe.jpg
Uma quadrilha de Sergipe.


                                                 Em Portugal, pequenos papéis são atados no balão com desejos e pedidos. Os balões serviam para avisar que a festa iria começar; eram soltos de cinco a sete balões para se identificar o início da festança. Os balões, no entanto, constituem atualmente uma prática proibida por lei em muitos locais, devido ao risco de incêndio.
Durante todo o mês de junho é comum, principalmente entre as crianças, soltar bombas, conhecidas por nomes como traque, chilene, cordão, cabeção-de-negro, cartucho, treme-terra, rojão, buscapé, cobrinha, espadas-de-fogo'chuvinha pimentinha bufa-de-vei e bombão.


ANTES

DEPOIS

O mastro de São João 
O mastro de São João, conhecido em Portugal também como o mastro dos Santos Populares, é erguido durante a festa junina para celebrar os três santos ligados a essa festa. No Brasil, no topo de cada mastro são amarradas em geral três bandeirinhas simbolizando os santos. Tendo hoje em dia uma significação cristã bastante enraizada e sendo, entre os costumes de São João, um dos mais marcadamente católico, o levantamento do mastro tem sua origem, no entanto, no costume pagão de levantar o "mastro de maio", ou a árvore de maio, costume ainda hoje vivo em algumas partes da Europa.


Além de sua cristianização profunda em Portugal e no Brasil, é interessante notar que o levantamento do mastro de maio em Portugal é também erguido em junho e a celebrar as festas desse mês — o mesmo fenômeno também ocorrendo na Suécia, onde o mastro de maio, "majstången", de origem primaveril, passou a ser erguido durante as festas estivais de junho, "Midsommarafton". O fato de suspender milhos e laranjas ao mastro de São João parece ser um vestígio de práticas pagãs similares em torno do mastro de maio.A tradição do Cambeiro é celebrada em Janeiro.Hoje em dia, um rico simbolismo católico popular está ligado aos procedimentos envolvendo o levantamento do mastro e os seus enfeites. Atualmente no Brasil, soltar balões é considerado crime gravíssimo.


 A Quadrilha 
A quadrilha brasileira tem o seu nome de uma dança de salão francesa para quatro pares, a "quadrille", em voga na França entre o início do século XIX e a Primeira Guerra Mundial. A "quadrille" francesa, por sua parte, já era um desenvolvimento da "contredanse", popular nos meios aristocráticos franceses do século XVIII. A "contredanse" se desenvolveu a partir de uma dança inglesa de origem campesina, surgida provavelmente por volta do século XIII, e que se popularizara em toda a Europa na primeira metade do século XVIII.
A "quadrille" veio para o Brasil seguindo o interesse da classe média e das elites portuguesas e brasileiras do século XIX por tudo que fosse a última moda de Paris (dos discursos republicanos de Gambetta e Jules Ferry, passando pelas poesias de Victor Hugo e Théophile Gautier até a criação de uma academia de letras, dos cabelos cacheados de Sarah Bernhardt até ao uso do cavanhaque).
Ao longo do século XIX, a quadrilha se popularizou no Brasil e se fundiu com danças brasileiras pré-existentes e teve subsequentes evoluções (entre elas o aumento do número de pares e o abandono de passos e ritmos franceses). Ainda que inicialmente adotada pela elite urbana brasileira, esta é uma dança que teve o seu maior florescimento no Brasil rural (daí o vestuário campesino), e se tornou uma dança própria dos festejos juninos, principalmente no Nordeste.



 A partir de então, a quadrilha, nunca deixando de ser um fenômeno popular e rural, também recebeu a influência do movimento nacionalista e da sistematização dos costumes nacionais pelos estudos folclóricos.
O nacionalismo folclórico marcou as ciências sociais no Brasil como na Europa entre os começos do Romantismo e a Segunda Guerra Mundial. A quadrilha, como outras danças brasileiras tais que o pastoril, foi sistematizada e divulgada por associações municipais, igrejas e clubes de bairros, sendo também defendida por professores e praticada por alunos em colégios e escolas, na zona rural ou urbana, como sendo uma expressão da cultura cabocla e da república brasileira. Esse folclorismo acadêmico e ufano explica duma certa maneira o aspecto matuto rígido e artificial da quadrilha.

Ficheiro:Sao joao porto.jpeg

No entanto, hoje em dia, essa artificialidade rural é vista pelos foliões como uma atitude lúdica, teatral e festiva, mais do que como a expressão de um ideal folclórico, nacionalista ou acadêmico qualquer. Seja como for, é correto afirmar que a quadrilha deve a sua sobrevivência urbana na segunda metade do século XX e o grande sucesso popular atual aos cuidados meticulosos de associações e clubes juninos da classe média e ao trabalho educativo de conservação e prática feito pelos estabelecimentos do ensino primário e secundário, mais do que à prática campesina real, ainda que vivaz, porém quase sempre desprezada pela cultura citadina.
Desde do século XIX e em contato com diferentes danças do país mais antigas, a quadrilha sofreu influências regionais, daí surgindo muitas variantes:
"Quadrilha Caipira" (São Paulo)
"Saruê", corruptela do termo francês "soirée", (Brasil Central)
"Baile Sifilítico" (Bahia)
"Mana-Chica" (Rio de Janeiro)
"Quadrilha" (Sergipe)
"Quadrilha Matuta"

Hoje em dia, entre os instrumentos musicais que normalmente podem acompanhar a quadrilha encontram-se o acordeão, pandeiro, zabumba, violão, triângulo e o cavaquinho. Não existe uma música específica que seja própria a todas as regiões. A música é aquela comum aos bailes de roça, em compasso binário ou de marchinha, que favorece o cadenciamento das marcações.
Em geral, para a prática da dança é importante a presença de um mestre "marcante" ou "marcador", pois é quem determina as figurações diversas que os dançadores devem desenvolver. Termos de origem francesa são ainda utilizados por alguns mestres para cadenciar a dança.

Os participantes da quadrilha, vestidos de matuto ou à caipira, como se diz fora do nordeste (indumentária que se convencionou pelo folclorismo como sendo a das comunidades caboclas), executam diversas evoluções em pares de número variável. Em geral o par que abre o grupo é um "noivo" e uma "noiva", já que a quadrilha pode encenar um casamento fictício. Esse ritual matrimonial da quadrilha liga-a às festas de São João europeias que também celebram aspirações ou uniões matrimoniais. Esse aspecto matrimonial juntamente com a fogueira junina constituem os dois elementos mais presentes nas diferentes festas de São João da Europa.
Outras danças e canções 
No nordeste brasileiro, o forró assim como ritmos aparentados tais que o baião, o xote, o reizado, o samba-de-coco e as cantigas canções típicas das festas juninas.


Costumes populares 
As festas juninas brasileiras podem ser divididas em dois tipos distintos: as festas da Região Nordeste e as festas do Brasil caipira, ou seja, nos estados de São Paulo, Paraná (norte), Minas Gerais (sobretudo na parte sul) e Goiás.No Nordeste brasileiro se comemora, com pequenas ou grandes festas que reúnem toda a comunidade e muitos turistas, com fartura de comida, quadrilhas, casamento matuto e muito forró. É comum os participantes das festas se vestirem de matuto, os homens com camisa quadriculada, calça remendada com panos coloridos, e chapéu de palha, e as mulheres com vestido colorido de chita e chapéu de palha.
No interior de São Paulo ainda se mantêm a tradição da realização de quermesses e danças de quadrilha em torno de fogueiras.Em Portugal há arraiais com foguetes, assam-se sardinhas e oferecem-se manjericos, as marchas populares desfilam pelas ruas e avenidas, dão-se com martelinhos de plástico e alho-porro nas cabeças das pessoas principalmente nas crianças e quando os rapazes se querem meter com as raparigas solteiras.
No nordeste brasileiro, O forró assim como ritmos aparentados tais que o baião, o xote, o reizado,o samba-de-coco e as cantigas são danças e cançoes típicas das festas juninas.


Simpatias, sortes e adivinhas para Santo Antônio  
O relacionamento entre os devotos e os santos juninos, principalmente Santo Antônio e São João, é quase familiar: cheio de intimidades, chega a ser, por vezes, irreverente, debochado e quase obsceno. Esse caráter fica bastante evidente quando se entra em contato com as simpatias, sortes, adivinhas e acalantos feitos a esses santos:
Confessei-me a Santo Antônio,
confessei que estava amando.
Ele deu-me por penitência
que fosse continuando.

Os objetos utilizados nas simpatias e adivinhações devem ser virgens, ou seja, estar sendo usados pela primeira vez, senão… nada de a simpatia funcionar! A seguir, algumas simpatias feitas para Santo Antônio:
Moças solteiras, desejosas de se casar, em várias regiões do Brasil, colocam um figurino do santo de cabeça para baixo atrás da porta ou dentro do poço ou enterram-no até o pescoço. Fazem o pedido e, enquanto não são atendidas, lá fica a imagem de cabeça para baixo. E elas pedem:
Meu Santo Antônio

Para arrumar namorado ou marido, basta amarrar uma fita vermelha e outra branca no braço da imagem de Santo Antônio, fazendo a ele o pedido. Rezar um Pai-Nosso e uma Salve-Rainha. Pendurar a imagem de cabeça para baixo sob a cama. Ela só deve ser desvirada quando a pessoa alcançar o pedido.
No dia 13, é comum ir à igreja para receber o "pãozinho de Santo Antônio", que é dado gratuitamente pelos frades. Em troca, os fiéis costumam deixar ofertas. O pão, que é bento, deve ser deixado junto aos demais mantimentos para que estes não faltem jamais.
Em Lisboa, é tradicional uma cerimónia de casamento múltiplo do dia de Santo António, em que chegam a casar-se 200 a 300 casais ao mesmo tempo. Esta "tradição" começou nos anos do salazarismo, e desapareceu com a revolução de 74. Voltou a reaparecer há uns anos, promovida por uma cadeia de televisão.


Festas juninas por país  

Brasil  
As festas juninas, são na sua essência multiculturais, embora o formato com que hoje as conhecemos tenha tido origem nas festas dos santos populares em Portugal: Festa de Santo Antônio, Festa de São João e a Festa de São Pedro e São Paulo principalmente. A música e os instrumentos usados, cavaquinho, sanfona, triângulo ou ferrinhos, reco-reco, etc, estão na base da música popular e folclórica portuguesa e foram trazidos para o Brasil pelos povoadores e imigrantes do país irmão. As roupas 'caipiras' ou 'saloias' são uma clara referência ao povo campestre, que povoou principalmente o nordeste do Brasil e muitíssimas semelhanças se podem encontrar no modo de vestir 'caipira' tanto no Brasil como em Portugal. Do mesmo modo, as decorações com que se enfeitam os arraiais tiveram o seu início em Portugal com as novidades que na época dos descobrimentos os portugueses levavam da Ásia, enfeites de papel, balões de ar quente e pólvora por exemplo. Embora os balões tenham sido proibidos em muitos lugares do Brasil, eles são usados na cidade do Porto em Portugal com muita abundância e o céu se enche com milhares deles durante toda a noite.
No Brasil, recebeu o nome de junina (chamada inicialmente de joanina, de São João), porque acontece no mês de junho. Além de Portugal, a tradição veio de outros países europeus cristianizados dos quais são oriundas as comunidades de imigrantes, chegados a partir de meados do século XIX. Ainda antes, porém, a festa já tinha sido trazida para o Brasil pelos portugueses e logo foi incorporada aos costumes das populações indígenas e afro-brasileiras.


As grandes mudanças no conceito artístico contemporâneo, acarretam na "adequação e atualização" destas festas, onde ritmos e bandas não tradicionais aos tipicamente vivenciados são acrescentadas as grades e programações de festas regionais, incentivando o maior interesse de novos públicos. Essa tem sido a aposta de vários festejos para agradar a todos, não deixando de lado os costumes juninos, têm-se como exemplo as festas do interior da Bahia, como a de Amargosa, e Santo Antônio de Jesus, que apesar da inclusão de novas programações não deixa de lado a cultura nordestina do forró, conhecido como "pé de serra" nos dias de comemoração junina.A festa de São João brasileira é típica da Região Nordeste. Por ser uma região árida, o Nordeste agradece anualmente a São João, mas também a São Pedro, pelas chuvas caídas nas lavouras. Em razão da época propícia para a colheita do milho, as comidas feitas de milho integram a tradição, como a canjica e a pamonha.O local onde ocorre a maioria dos festejos juninos é chamado de arraial, um largo espaço ao ar livre cercado ou não e onde barracas são erguidas unicamente para o evento, ou um galpão já existente com dependências já construídas e adaptadas para a festa. Geralmente o arraial é decorado com bandeirinhas de papel colorido, balões e palha de coqueiro ou bambu. Nos arraiais acontecem as quadrilhas, os forrós, leilões, bingos e os casamentos matutos.



Locais
Estes arraiais são muito comuns em Portugal e não são exclusivos do São João, são parte da tradição popular em geral. Nessas festas podemos encontrar imensas semelhanças tanto no Brasil como em Portugal, mas não só. Na África e na Ásia, Macau, Índia, Malásia, na Comunidade Cristang, os portugueses deixaram essa tradição dos santos populares bem marcada.
Atualmente, os festejos ocorridos em cidades do Norte e Nordeste dão impulso à economia local. Citem-se, como exemplo,Amargosa, Santo Antônio de Jesus, Piritiba e Senhor do Bonfim na Bahia, em Mossoró no Rio Grande do Norte; em Arcoverde em Pernambuco; Campina Grande na Paraíba; Juazeiro do Norte no Ceará; e Cametá no Pará. Campina Grande (PB),Caruaru (PE) e Cruz das Almas (BA) realizam as maiores festas do Nordeste,cada uma delas tendo 30 dias de festa. Campina Grande possui o título de Maior São João do Mundo, embora Caruaru esteja consolidada no Guinness Book, categoria festa country (regional) ao ar livre.Outra região conhecida pelas festividades do mês de junho é o interior de São Paulo, onde ainda se mantêm a tradição da realização de quermesses e danças de quadrilha em torno de fogueiras. A culinária local apresenta pratos caracteríticos da época, como a paçoca, o pé-de-moleque, o bolinho caipira, pasteis, canjica e outros. As quermesses atraem também músicos sertanejos e brincadeiras para os mais novos...

Portugal 
Em Portugal, estas festividades, genericamente conhecidas pelo nome de Festas dos santos populares, correspondem a diferentes feriados municipais: São Gonçalo em Amarante; Santo António em Aljustrel, Amares, Cascais, Estarreja, Ferreira do Zêzere, Lisboa, Proença-a-Nova, Reguengos de Monsaraz, Vale de Cambra, Vila Nova da Barquinha, Vila Nova de Famalicão, Vila Real e Vila Verde; São João em Aguiar da Beira, Alcochete, Almada, Almodôvar, Alcácer do Sal, Angra do Heroísmo, Armamar, Arronches, Braga, Calheta, Castelo de Paiva, Castro Marim, Cinfães, Figueira da Foz, Figueiró dos Vinhos, Guimarães, Horta, Lajes das Flores, Lourinhã, Lousã, Mértola, Moimenta da Beira, Moura, Nelas, Porto, Porto Santo, Santa Cruz das Flores, Santa Cruz da Graciosa, Sertã, Tabuaço, Tavira,Terras de Bouro, Valongo, Vila do Conde, Vila Franca do Campo, Vila Nova de Gaia, Vila do Porto e Vizela; São Pedro em Alfândega da Fé, Bombarral, Castro Daire, Castro Verde, Celorico de Basto, Évora, Felgueiras, Lajes do Pico, Macedo de Cavaleiros, Montijo, Penedono, Porto de Mós, Póvoa de Varzim, Ribeira Brava, São Pedro do Sul, Seixal, Sintra e Torres Vedras.
Nas cidades do Porto e de Braga em Portugal, o São João é festejado com uma intensidade inigualável, sendo que a festa é, à semelhança do que acontece no Nordeste do Brasil, entregue às pessoas que passam o dia e a noite nas ruas das cidades que são autênticos arraiais urbanos.Festas de São João são ainda celebradas em alguns países europeus católicos, protestantes e ortodoxos (França, Irlanda, os países nórdicos e do Leste europeu). As fogueiras de São João e a celebração de casamentos reais ou encenados (como o casamento fictício no baile da quadrilha nordestina e na tradição portuguesa) são costumes ainda hoje praticados em festas de São João europeias.


 França  
A "Fête de la Saint-Jean" (Festa de São João), tal como no Brasil e em Portugal, é comemorada no dia 24 de junho e tem como maior característica a fogueira. Em certos municípios franceses, uma alta fogueira é erigida pelos habitantes em honra a São João Batista. Trata-se de uma festa católica, embora ainda sejam mantidas tradições pagãs que originaram a festa. Na região de Vosges, a fogueira é chamada "chavande".
Polônia  
As tradições juninas da Polônia estão associadas principalmente com as regiões da Pomerânia e da Casúbia, e a festa é comemorada dia 23 de junho, chamada localmente 'Noc Swietojanska" (Noite de São João). A festa dura todo o dia, começando às 8h da manhã e varando a madrugada. De maneira análoga à festa brasileira, uma das características mais marcantes é o uso de fantasias, no entanto não de trajes camponeses como no Brasil, mas de vestimentas de piratas. Fogueiras são acesas para marcar a celebração. Em algumas das grandes cidades polonesas como Varsóvia e Cracóvia esta festa faz parte do calendário oficial da cidade.
Ucrânia  
A festa de Ivana Kupala (João Batista) é conhecida como a mais importante de todas as festas ucranianas de origem pagã, e vai desde 23 de junho até 6 de julho. É um rito de celebração pelo verão, que foi absorvido pela Igreja Ortodoxa. Muitos dos rituais das festas juninas ucranianas estão relacionados com o fogo, a água, fertilidade e auto-purificação. As moças, por exemplo, colocam guirlandas de flores na água dos rios para dar sorte. É bastante comum também pular as chamas das fogueiras. As festas juninas eslavas inspiraram o compositor Modest Mussorgsky para sua famosa obra "Noite no Monte Calvo"...


 Suécia 
As festas juninas da Suécia (Midsommarafton) são as mais famosas do mundo. É considerada a festa nacional sueca por excelência, comemorada ainda mais que o Natal. Ocorre entre os dias 20 e 26 de junho, sendo a sexta-feira o dia mais tradicional. Uma das características mais tradicionais são as danças em círculo ao redor do majstången, um mastro colocado no centro da aldeia. Quando o mastro é erigido, são atiradas flores e folhas. Tanto o majstången sueco (mastro de maio) como o mastro de São João brasileiro têm as suas origens no "mastro de maio" dos povos germânicos.Durante a festa, são cantados vários cânticos tradicionais da época e as pessoas se vestem de maneira rural, tal como no Brasil. Por acontecer no início do verão, são comuns as mesas cheias de alimentos típicos da época, como o morangos e as batatas. Também são tradicionais as simpatias, sendo a mais famosa a das moças que constroem buquês de sete ou nove flores de espécies diferentes e colocam sob o travesseiro, na esperança de sonhar com o futuro marido. No passado, acreditava-se que as ervas colhidas durante esta festa seriam altamente poderosas, e a água das fontes dariam boa saúde. Também nesta época, decoram-se as casas com arranjos de folhas e flores, segundo a superstição, para trazer boa sorte.
Durante este feriado, as grandes cidades suecas, como Estocolmo e Gotemburgo tornam-se desertas, pois as pessoas viajam para suas casas de veraneio para comemorar a festa.E os acidentes com balão são muito frequentes
Contador de visitas
计数器
Contador de visitas

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por duronaqueda às 22:58

FEITICEIRA ESCARLATE BONECA

Terça-feira, 23.09.14






























Contador de visitas
计数器
Contador de visitas

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por duronaqueda às 22:57

FEITICEIRA ESCARLATE BONECA

Terça-feira, 23.09.14






























Contador de visitas
计数器
Contador de visitas

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por duronaqueda às 22:57

A PRIMAVERA(FELIZ PRIMAVERA)

Terça-feira, 23.09.14

Primavera

primavera (AO 1945: Primavera), é aestação do ano que se segue ao Invernoe precede o Verão. É tipicamente associada ao reflorescimento da flora e da fauna terrestres.

primavera (AO 1945: Primavera), é aestação do ano que se segue ao Invernoe precede o Verão. É tipicamente associada ao reflorescimento da flora e da fauna terrestres.
A Primavera do hemisfério norte é chamada de "Primavera boreal" e a do hemisfério sul é chamada de "Primavera austral". A "Primavera boreal", noHemisfério Norte, tem início a 20 de Março e termina em 21 de junho. A "Primavera austral", no Hemisfério Sul, tem início a23 de setembro e termina a 21 de dezembro.
Primavera.
Do ponto de vista da Astronomia, a primavera do hemisfério sul inicia-se no equinócio de Setembro e termina nosolstício de Dezembro, no caso do hemisfério norte inicia-se no equinócio de Março e termina nosolstício de Junho.
Como se constata, no dia do equinócio o dia e a noite têm a mesma duração. A cada dia que passa, o dia aumenta e a noite vai encurtando um pouco, aumentando, assim, a insolação do hemisfério respectivo.
Estas divisões das estações por equinócios e solstícios poderão ser fonte de equívocos, mas deve-se levar em conta a influência dos oceanos na temperatura média das estações. Na Primavera do hemisfério sul, os oceanos meridionais ainda estão frios e vão aos poucos aquecendo, fazendo a Primavera ter temperaturas amenas ao longo desta estação. Mas na do hemisfério norte, por ser maior a parte continental, as temperaturas costumam aumentar mais rapidamente.










Contador de visitas
计数器
Contador de visitas

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por duronaqueda às 15:32

BIOGRAFIA ANTHONY QUINN

Terça-feira, 23.09.14
600full-anthony-quinn (1)
Anthony Quinn

Anthony Quinn, nascido Antonio Rudolfo Oaxaca Quinn (Chihuahua, 21 de abril de 1915 — Boston, 3 de junho de 2001)1 foi um premiado ator estadunidense nascido no México.
600full-anthony-quinn (3)
Pai de treze filhos, naturalizou-se cidadão dos Estados Unidos nos anos 1940. Antes de iniciar sua carreira como ator trabalhou como açougueiro e boxeador. Chegou também a estudar arquitetura. Ganhou o seu segundo Óscar por uma participação de apenas 8 minutos, tempo de todas as suas cenas em Sede de Viver. É o vencedor do Óscar que mais filmes fez ao lado de outros ganhadores do oscar de actuação. Foram 46 no total, sendo 28 com atores vencedores do oscar e 18 com atrizes vencedoras do prêmio. Possui uma estrela no Passeio da Fama, localizado em 6251 Hollywood Boulevard.
600full-anthony-quinn (4)
Ator multifacetado

Anthony Quinn talvez seja o ator que mais papéis diversificados fez, e caracterizou-se por representar personalidades famosas: foi Barrabás e o magnata grego Onassis. Dentre outros gregos que interpretou está talvez o seu papel mais carismático: Zorba. Outros gregos foram o pai de família problemático em "Um sonho de reis" e o combatente de "Canhões de Navarone". Foi esquimó (Sangue sobre a neve, 1960) e toureiro (Sangue e Areia, 1941).
600full-anthony-quinn (7)
No filme A Vigésima Quinta Hora, que demonstra o absurdo das idéias nazistas, ele faz o papel de um romeno católico que foi preso como judeu, cigano, revoltoso e até como um dos modelos perfeitos da genética ariana. Ainda interpretou os papéis de índio norte-americano, mexicano condenado ao linchamento (Consciências Mortas) e mafioso italiano. A sua versatilidade em cena e a extensa carreira tornaram-no um dos maiores atores do cinema.
600full-anthony-quinn (10)
Filmografia
2002 - Missão perigosa (Avenging Angelo)
1999 - Oriundi
1996 - Il sindaco
1996 - Gotti - No comando da máfia (Gotti) (TV)
1996 - Seven servants
1995 - Caminhando nas nuvens (A walk in the clouds)
1994 - Hércules e o labirinto do minotauro (Hercules and the maze of *the minotaur) (TV)
1994 - Hércules no mundo dos mortos (Hercules in the Underworld) (TV)
1994 - Hércules e o círculo de fogo (Hercules and the circle of fire) (TV)
1994 - Alguém para amar (Somebody to love)
1994 - Hércules em busca do reino perdido (Hercules and the lost kingdon) (TV)
1994 - Hércules e as amazonas (Hercules and the Amazon Women) (TV)
1994 - Vestígios de uma paixão (This can't be love) (TV)
1993 - O último grande herói (Last Action Hero)
1991 - A star for two
1991 - Império do Crime (Mobsters)
1991 - Febre da selva (Jungle fever)
1991 - Mamãe não quer que eu case (Only the lonely)
1990 - Fantasmas não transam (Ghost can't do it)
1990 - The old man and the sea (TV)
1990 - Vingança (Revenge)
1989 - Stradivari
1988 - Pasión de hombre
1988 - Onassis: The richest man in the world (TV)
1982 - Regina Roma
1982 - Valentina (Valentina)
1981 - Crosscurrent
1981 - Alto risco (High Risk)
1981 - A salamandra (The Salamander)
1980 - O leão do deserto (Lion of the desert)
1979 - Passageiros do inferno (The Passage)
1978 - Os filhos de Sanchez (The Children of Sanchez)
1978 - Caravans
1978 - O magnata grego (The Greek Tycoon)
1977 - Jesus de Nazaré
1976 - A mensagem (The Message)
1976 - No alvo de um assassino (Target of an assassin)
1976 - Um blefe de mestre (Bluff storia di truffe e di imbroglioni)
1976 - A herança dos Ferramonti (L'eredità Ferramonti)
1974 - Contrato com Marselha (The Destructors)
1973 - A morte do chefão (The Don is dead)
1972 - A máfia nunca perdoa (Accross 110th Street)
1972 - Rápidos, brutos e mortais (Los Amigos)
1972 - El asesinato de Julio César
1972 - The Voice of La Raza
1971 - The City (TV)
1970 - Flap
1970 - R.P.M. (R.P.M.)
1970 - Caminhando sob a chuva da primavera (Walk in the Spring Rain)
1969 - Um sonho de reis (A Dream of Kings)
1969 - O Segredo de Santa Vitória (The Secret of Santa Victoria)
1968 - O mago (The Magus)
1968 - As sandálias do pescador (The Shoes of the Fisherman)
1968 - Os canhões de San Sebastian (The Bataille of San Sebastian)
1967 - O heróico lobo do mar (L'Avventuriero)
1967 - Acontece cada coisa (The Happening)
1967 - A vigésima-quinta hora (La vingt-cinquième heure)
1966 - A patrulha da esperança (Lost Command)
1965 - Marco the magnificent
1965 - Vendaval em Jamaica (A High Wind in Jamaica)
1964 - Zorba, o grego (Alexis Zorbas)
1964 - A visita (The Visit)
1964 - A voz do meu sangue (Behold a Pale Horse)
1962 - Lawrence da Arábia (Lawrence of Arabia)
1962 - Réquiem para um lutador (Requiem for a heavyweight)
1961 - Barrabás
1961 - Os canhões de Navarone (The Guns of Navarone)
1960 - Retrato em negro (Portrait in black)
1960 - Jogadora infernal (Heller in pink tights)
1960 - Sangue sobre a neve (The Savage Innocents)
1959 - Duelo de titãs (Last Train from Gun Hill)
1959 - Minha vontade é lei (Warlock)
1958 - A orquídea negra (The Black Orchid)
1958 - Quando vem a tormenta (Hot Spell)
1957 - A fúria da carne (Wild Is the Wind)
1957 - O retorno sangrento (The Ride Back)
1957 - Matar para viver (The River's Edge)
1956 - Orgia sangrenta (The Wild Party)
1956 - O corcunda de Notre Dame (Notre Dame de Paris)
1956 - Blefando com a morte (Man from Del Rio)
1956 - Sede de viver (Lust for Life)
600full-anthony-quinn (11)
1955 - As sete cidades do ouro (Seven cities of gold)
1955 - O salário do pecado (The Naked Street)
1955 - O magnífico matador (The Magnificent Matador)
1954 - Attila (Attila)
1954 - Ulisses (Ulysses)
1954 - A estrada da vida (La strada)
1954 - Procurado por homicídio (The Long Wait)
1953 - Cavalleria rusticana
1953 - Donne proibite
1953 - Il più comico spettacolo del mondo
1953 - Sangue da terra (Blowing wind)
1953 - Ao sul de Sumatra (East of Sumatra)
1953 - A bela e o renegado (Ride, vaquero!)
1953 - Seminole (Seminole)
1953 - Cidade submersa (City beneath the sea)
1952 - Contra todas as bandeiras (Against All Flags)
1952 - O mundo em seus braços (The World in His Arms)
1952 - O rei e o aventureiro (The Brigand)
1952 - Viva Zapata! (Viva Zapata!)
1951 - A máscara do vingador (Mask of the avenger)
1951 - Touros bravos (The Brave Bulls)
1947 - Tycoon
1947 - Ouro negro (Black gold)
1947 - O meu pecado (The Imperfect Lady)
1947 - Sinbad the sailor
1946 - Califórnia (California)
1945 - Espírito indomável (Back to Bataan)
1945 - Fantasias do amor (Where Do We Go From Here?)
1945 - Sob o céu da China (China sky)
1944 - Olhos travessos (Irish eyes are smiling)
1944 - Buffalo Bill (Buffalo Bill)
1944 - Roger Touhy, gangster
1944 - Ladies of Washington
1943 - Guadalcanal diary
1943 - Consciências mortas (The Ox-Bow Incident)
1942 - O cisne negro (The Black Swan)
1942 - A sedução do Marrocos (Road to Morocco)
1942 - Vale a pena roubar (Larceny, Inc.)
1941 - The Perfect Snob
1941 - O intrépido general Custer (They Died with Their Boots On)
1941 - Bullets for O'Hara
1941 - Sangue e areia (Blood and Sand)
1941 - Thieves fall out
1941 - Knockout
1940 - The Texas Rangers ride again
1940 - Dois contra uma cidade inteira (City for conquest)
1940 - Parole fixer
1940 - Castelo sinistro (The Ghost Breakers)
1940 - A sereia das ilhas (Road to Singapore)
1940 - Emergency squad
1939 - Island of lost men
1939 - Television spy
1939 - Aliança de aço (Union Pacific)
1939 - King of Chinatown
1938 - O tirano de Alcatraz (King of Alcatraz)
1938 - Bulldogg Drummond in Africa
1938 - Hunted men
1938 - Tip-off girls
1938 - Verdugo de si mesmo (Dangerous to know)
1938 - Lafitte, o corsário (The Buccaneer)
1937 - Tráfico humano (Daughter of Shanghai)
1937 - Partners in crime
1937 - The Last train from Madrid
1937 - Under strange flags
1937 - Amor havaiano (Waikiki Wedding)
1937 - Começou no trópico (Swing high, swing low)
1936 - Jornadas heróicas (The Plainsman)
1936 - Night waitress
1936 - Sworn enemy
1936 - Parole
1936 - Haroldo Tapa-Olho (The Milky Way)
600full-anthony-quinn (18)
Premiações 

Recebeu duas indicações ao Óscar de Melhor Ator (principal), por suas atuações em A Fúria da Carne (1957) e Zorba, o Grego (1964).
Ganhou dois Óscar de Melhor Ator (coadjuvante/secundário), por suas atuações em Viva Zapata! (1952) e Sede de Viver (1956).
Recebeu uma indicação ao Globo de Ouro de Melhor Ator em cinema (drama), por Zorba, o Grego (1964).
Recebeu uma indicação ao Globo de Ouro de Melhor Ator em Comédia/Musical, por O Segredo de Santa Vitória (1969).
600full-anthony-quinn (22)
Recebeu uma indicação ao Globo de Ouro de Melhor Ator Coadjuvante - Filme para TV, por Gotti - No Comando da Máfia (1996).
Ganhou o Prêmio Cecil B. DeMille, em 1987.
Recebeu duas indicações ao BAFTA de Melhor Ator, por "Lawrence da Arábia" (1962) e "Zorba, o Grego" (1964).
Recebeu uma indicação ao Framboesa de Ouro de Pior Ator Coadjuvante, por "Império do Crime" (1991).
968full-anthony-quinn (1)
Contador de visitas
计数器
Contador de visitas

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por duronaqueda às 11:27

23 DE SETEMBRO NA HISTORIA

Terça-feira, 23.09.14
00000

23 de setembro

23 de setembro (AO 1945: 23 de Setembro) é o 266.º dia do ano no calendário gregoriano (267.º em anos bissextos). Faltam 99 para acabar o ano. Neste dia também ocorre o equinócio da primavera no hemisfério sul, e o equinócio deoutono no hemisfério norte.

Eventos históricos 

  • 1222 - Papa Calisto II resolve a questão das investiduras por meio daConcordata de Worms, que marca o início da supremacia da autoridade papal sobre a imperial
  • 1459 – Guerra das Rosas – Batalha de Blore Heath: Margarida de Anjou perde a batalha para o Conde de Warwick, que se junta ao resto do exército de York em Ludlow
  • 1529 - O Cerco de Viena impede que Solimão I ataque a cidade.
  • 1642 - Primeiro curso de graduação da Universidade de Harvard.
  • 1779 - Durante a Revolução Americana, o esquadrão comandado por John Paul Jones no USS Bonhomme Richardganhou a Batalha de Flamborough Head,na costa da Inglaterra,contra dois navios de guerra britânicos.
  • 1780 - Durante a Revolução Americana: o major britânico John André é preso por soldados americanos sob a acusação de espionagem.
  • 1792 - Início das operações militares entre as tropas da França Revolucionária e as tropas piemontesas.
  • 1846 - Johann Galle descobre o oitavo planeta do Sistema SolarNetuno.
  • 1880 - Maior enchente da cidade de Blumenau: rio Itajaí-Açu atinge pico máximo já registrado (17,10 m)1
  • 1889 - Fusajiro Yamauchi funda a empresa de cartas de Hanafuda e futuramente de Video games Nintendo.
  • 1895 - Fundação do sindicato Confédération Générale du Travail em Limoges
  • 1909 - O presidente do Brasil Nilo Peçanha cria os Liceus de Artes e Ofícios.
  • 1913 - Roland Garros efetua a primeira travessia do Mediterrâneo em um avião
  • 1923 - Fundação do atual Centro Universitário Belas Artes de São Paulo, então chamad

  • 1932 - Independência da Arábia Saudita.
  • 1933 - Edição dos decretos n.ºs 23048 a 23053 que regulariam as relações laborais corporativas em Portugal.
  • 1944 - Roosevelt faz seu famoso Discurso de Fala.
  • 1973 - 18 anos após sua deposição, Juan Domingo Perón retorna à presidênciada Argentina. Ele é eleito com 62% dos votos, mas permanece no poder durante menos de dez meses.
  • 1976 - Início do 1º Governo Constitucional de Portugal sob chefia de Mário Soares.
  • 1983 - São Cristóvão e Nevis é admitido como Estado-Membro da ONU.
  • 1981 - Inaugurado o primeiro trecho de linha férrea do TGV francês, ligando Paris a Lyon.

Nascimentos 

  • 63 a.C. - César Augusto, primeiro Imperador Romano (m. 14).
  • 1158 - Godofredo PlantagenetaDuque da Bretanha (m. 1186).
  • 1161 - Takakura, 80º imperador do Japão.
  • 1713 - Fernando VI de Espanha, rei de Espanha entre 1746 e 1759 (m. 1759).
  • 1781 - Juliana de Saxe-Coburgo-Saalfeld, Grã-duquesa da Rússia, esposa do Grão-duque Constantino Pavlovich e tia daRainha Vitória (m. 1860)
  • 1788 - Bento Gonçalves, militar e político brasileiro (m. 1847).
  • 1855 - Abel Botelho, escritor e diplomata português (m. 1917).
  • 1861 - Robert Bosch, empresário alemão (m. 1942).
  • 1867 - Suzanne Valadon, pintora francesa (m. 1938).
  • 1871 - František Kupka, pintor checo (m. 1957).
  • 1880 - John Boyd Orr, médico e biólogo escocês (m. 1971).
  • 1900 - David van Dantzig, matemático neerlandês (m. 1959).
  • 1907 - Duarte Nuno, Duque de Bragança (m. 1976).
  • 1910 - Gino Cortopassi (Zé Fidélis), cantor, compositor e humorista brasileiro (m. 1985).
  • 1904 - Gilda de Abreu, atriz e diretora brasileira (m. 1979).
  • 1913 - Carl-Henning Pedersen, pintor dinamarquês (m. 2007).
  • 1915 - Clifford Glenwood Shull, físico norte-americano (m. 2001).
tec_ind
  • 1920 - Mickey Rooney, ator norte-americano (m. 2014).
  • 1926 - John Coltrane, saxofonista e compositor de jazz norte-americano (m. 1967).
  • 1930 - Ray Charles, pianista e cantor norte-americano (m. 2004).
  • 1936 - Valentín Paniagua, político peruano (m. 2006).
  • 1938 - Romy Schneider, atriz austríaca (m. 1982).
  • 1940 - Michel Temer, político brasileiro.
  • 1943
    • Antonio Tabucchi, escritor italiano.
    • Julio Iglesias, cantor e compositor espanhol.
    • Lino Oviedo, político e general paraguaio (m. 2013).
  • 1949
    • Bruce Springsteen, cantor e compositor norte-americano.
    • Jerry B. Jenkins, escritor dos Estados Unidos.
    • Enrique "Quini" González, ex-futebolista espanhol.
  • 1954 - Cherie Blair, esposa do ex-primeiro-ministro do Reino UnidoTony Blair.
  • 1956
    • Peter David, quadrinista norte-americano.
    • Paolo Rossi, ex-futebolista italiano.
bgc
  • 1959
    • Jason Alexander, ator norte-americano.
    • Hortência Marcari, ex-jogadora brasileira de basquetebol.
  • 1960 - Paulo Bonamigo, treinador de futebol brasileiro.
  • 1961
    • Daúde, cantora brasileira.
    • Willie McCool, astronauta norte-americano (m. 2003).
  • 1962
    • Paulo Ricardo, músico brasileiro.
    • Nilson Bylaardt, político brasileiro.
  • 1965 - Gérson da Silva, futebolista brasileiro (m. 1994).
  • 1969
    • Gerhard Poschner, ex-futebolista alemão.
    • Márcio Goiano, ex-futebolista brasileiro.
  • 1972 - Chris Higgins, músico norte-americano.
  • 1973 - Jermaine Dupri, rapper e produtor musical norte-americano.
  • 1974
    • Felix Mantilla, ex-tenista espanhol.
    • Matt Hardywrestler profissional estadunidense.
  • 1975 - Jaime Bergman, modelo e atriz norte-americana.
  • 1977 - Marcos Aurélio, futebolista brasileiro.
  • 1981
    • Natalie Horler, cantora e apresentadora de televisão inglesa-alemã.
    • Robert Doornbos, piloto holandês de corridas.
23-setembro-dia-do-tecnico-industrial-358895
  • 1982
    • Shyla Stylez, atriz canadense.
    • Ryuichi Kiyonari, motociclista japonês.
  • 1983 - Marcelo Melo, tenista brasileiro.
  • 1984
    • Anneliese van der Pol, atriz norte-americana.
    • Diogo Valente, futebolista português.
    • Dylan Moscovitch, patinador artístico canadense.
    • Gabriel Peñalba, futebolista argentino.
    • Brandon Richardson, ator norte-americano
  • 1986 - Titi Müller, VJ e apresentadora brasileira.
  • 1988 - Juan Martín del Potro, tenista argentino.
  • 1989 - Brandon Jennings, jogador de basquete norte-americano.
  • 1990 - Agustín Sierra, ator argentino.
  • 1991 - Melanie Oudin, tenista norte-americana.
17B

Falecimentos 

  •     76 - São Lino papa.
  • 1230 - Rei Afonso IX de Leão (n. 1171)
  • 1241 - Snorri Sturluson, historiador, poeta e político islandês (n. 1178)
  • 1666 - François Mansart, arquiteto francês (n. 1598).
  • 1850 - José Gervasio Artigas, herói nacional Uruguaio (n. 1764)
  • 1860 - Aleksey Khomyakov, poeta russo (n. 1804)
  • 1870 - Prosper Mérimée, arqueólogo e escritor francês (n. 1803)
  • 1882 - Friedrich Wöhler, pedagogo e químico alemão (n. 1800).
  • 1896 - Ivar Aasen, linguista norueguês. (n. 1813)
  • 1905 - Padre Victor, religioso brasileiro (n. 1827)
  • 1939 - Sigmund Freud, psiquiatra austríaco, fundador da psicanálise (n. 1856)
  • 1968 - Padre Pio, sacerdote e santo da Igreja Católica. (n. 1887)
  • 1973 - Pablo Neruda, poeta chileno (n. 1904)
  • 1981 - Dan George, chefe indígena e ator canadense (n. 1899)
  • 2005 - Apolônio de Carvalho, militar brasileiro, o "herói de três pátrias", um dos fundadores do PT (n. 1912)
  • 2007 - Marcel Marceau, famoso mímico francês.
17A

Feriados e eventos cíclicos 

Brasil 

  • Fundação da cidade de São Bento do Sul,Santa Catarina 1873
  • Dia do Técnico Industrial
  • Dia da Celebração Bissexual
  • Dia da Ikebana Sanguetsu
  • Dia do Soldador
  • Dia Nacional do Sorvete

Santos do dia 

  • Dia de São Padre Pio e de San Martín de Jayo, santos da Igreja Católica.
9-vert
10B-vert
12-vert

JohannGalle-vert
John_Boyd_Orr_nobel-vert
Nilo_Peçanha_02-vert
Juan_Peron_con_banda_de_presidente-vert
Padre_Pio-vert
Roland-Garros-vert







10A


13-vert


17
Contador de visitas
计数器
Contador de visitas

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por duronaqueda às 11:23








comentários recentes




subscrever feeds