Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



A HISTORIA DO PENINHA DISNEY

Sábado, 16.06.12
Peninha3Morcego Vermelho

Peninha (Disney)

Peninha  é um personagem do Universo Disney, cujo nome original é Fethry Duck. Criado por artistas estadunidenses, Dick Kinney e Al Hubbard, a primeira aventura publicada, contudo, foi na Itália, país em que é chamado de Paperoga, numa referência à ioga e que era uma das características iniciais do personagem, inspirado na cultura beat, com o cabelo grande e desalinhado escondido por uma touca. Nas aventuras de Peninha em que ele não aparece como jornalista ou funcionário de alguma empresa do Tio Patinhas, ou tenta algum emprego pelo qual geralmente é inepto como também fazia o seu primo Donald, foram exploradas como sátira essas temáticas das novidades ou alternativas comportamentais tais como dietas, ecologia e vida na natureza sobre o que ele lia em algum livro (geralmente manual) e imediatamente tentava aplicar em seu parentes, no gato de Donald (Ronrom) e mais tarde no caipira Urtigão, sempre com resultados cômicos e desastrosos. Tornou-se um personagem bastante popular na Europa e América do Sul, onde se produziram muitas das suas aventuras. Desde o início, as aventuras norteamericanas do Peninha destinaram-se ao mercado externo e não ao mercado interno.
Peninha já foi de tudo um pouco, vendedor, bombeiro, salva-vidas, mas na maioria das vezes é retratado como jornalista, do jornal A Patada, de propriedade do Tio Patinhas. Trabalha no jornal junto com seu primo Donald. Também é o tutor do Biquinho, seu sobrinho.     


O atrapalhado e avoado pato estreou numa história do seu primo Pato Donald, Fome para fortalecer, em agosto de 1964, na Itália. No Brasil, esta história foi publicada em 1965 (foi republicada como Dieta para fortalecer). Aliás, esta foi uma grande dúvida sanada graças a Internet, pois por muito tempo, acreditava-se que a primeira história do Peninha publicada no Brasil tinha sido O primo dinamite, em 1966. Isso porque a história O primo dinamite foi a primeira publicada nos Estados Unidos
O primeiro número da primeira revista mensal portuguesa de Walt Disney, intitulada Mickey e lançada em Abril de 1980, pela Editora Abril, contava com uma história na qual participava, ao lado de Donald, Tio Patinhas e Urtigão: Adivinhe quem vem jantar (Dunkin Kinds Ate Here), da autoria de Dick Kinney e Tony Strobl, publicada originalmente em 1969 e sendo uma das muitas histórias produzidas nos EUA destinadas a países estrangeiros.
No Brasil foram criados o super-herói Morcego Vermelho (sátira ao Batman), os alter-egos Pena Kid, Pena das Selvas (sátira ao Tarzan) e outros mais, além do seu sobrinho Biquinho.
De acordo com a Árvore Genealógica da Família Pato de Don Rosa, Peninha é filho de Patolfo (Eider, no original em inglês) e Patina Dora (Lulubelle Loon, no original em inglês), a prima do Pato Donald, e teve um irmão chamado de Zeca Pato (Abner Duck, no original em inglês). No entanto, como Peninha não foi criado por Carl Barks, que também nunca o usou em suas histórias, a princípio Rosa não havia incluído o personagem como da família, só o fazendo por pressão dos editores.
Nos EUA, em 2003 Peninha foi relançado, continuando a aparecer nos anos seguintes, com histórias inéditas e publicação do material dos anos 1960 de Kinney/Hubbard, nas revistas "Uncle Scrooge" (Tio Patinhas) e "Walt Disney's Comics and Stories".

Revista em quadrinhos

 
Peninha foi uma revista em quadrinhos brasileira (banda desenhada em Portugal) estrelada pelo Peninha e editada pela Editora Abril.
Teve duas séries. A primeira durou cinquenta e seis (56) edições e foi de Setembro de 1982 a Outubro de 1984,com periodicidade quinzenal. A segunda série durou dezenove (19) edições e foi de Setembro de 2004 a Janeiro de 2007, com periodicidade mensal .
A edição mundial de estréia do personagem foi na Itália, na revista Topolino #453, em 1964 .

     Primeira história brasileira
Aconteceu em 1968, na revista Zé Carioca #893 da Editora Abril. A história se chamava "Natal De Fechar O Comércio", dos artistas Waldyr Igayara de Souza e Izomar C. Guilherme.
"A Patada"
Peninha e Donald trabalham no jornal A Patada, cujo dono é o Tio Patinhas. O principal jornal concorrente é A Patranha, cujo dono é o Patacôncio, arqui-inimigo do Tio Patinhas.
Peninha e Donald são dois jornalistas, mas o que eles menos fazem é trabalhar, sempre dão um jeito de ludibriar o Tio Patinhas. E quando saem do jornal para fazer alguma matéria, sempre armam confusão. Por essas e outras vivem tendo descontos no salário. Numa época, por contenção de custos, o Tio Patinhas decidiu remover a coluna de horóscopo, que não dava lucro e adicionar uma seção de quadrinhos do jornal. Como o responsável pelo horóscpo era o Peninha, ele passou a ser o escritor e desenhista dos quadrinhos do jornal.
Peninha, sem idéia nenhuma em mente sobre o que escrever, resolve fazer quadrinhos sobre si mesmo, divagando, e sempre se colocando no papel de herói. É nessa época que surgem os spin-offs do Peninha. As histórias destes personagens fizeram tanto sucesso na época que nem comentava-se mais sobre o trabalho de escritor do Peninha, como introdução a elas; cada personagem tinha sua própria história, sem conexão com
"A Patada".              Spin-offs
As histórias contendo estes personagens foram criadas no Brasil, nos estúdios da Editora Abril, e depois ganharam o mundo, principalmente Itália, onde o personagem Peninha é adorado. Isto aconteceu no ano de 1974. Entre os criadores destes personagens spin off, temos os brasileiros dos quadrinhos, como Ivan Saidenberg e Carlos Edgard Herrero.
A maioria destes personagens teve somente uma história, porém alguns deles viraram um sucesso. Dentre esses personagens, temos:
Pena Kid, o caubói
Pena das Selvas (Sátira ao Tarzan)
Pena das Arábias
Pena das Cavernas
Pena Rubra, o viking
Pena Escarlate
Penado, o espírito que desanda. Sátira ao personagem Fantasma, o espírito que anda, de Lee Falk[6].
O Morcego Vermelho não se encaixa nesta série. Na verdade ele é um super-herói. É uma identidade secreta do Peninha e não faz parte da imaginação do mesmo. Também outro personagem criado no Brasil, na década de 1970, sátira ao Batman.
                                                               Edição Extra
Além da revista que tinha seu próprio nome, Peninha estreou mais doze edições da Edição Extra. Esta revista não possuía um tema específico, variando conforme a edição. O Morcego Vermelho estreou quatro edições.
                                                              Almanaque do Peninha
Foi o primeiro personagem Disney a ter um almanaque próprio no Brasil. Os almanaques continham exclusivamente histórias dos personagens, diferente das revistas, onde algumas histórias de outros personagens vinham em conjunto.
Teve três séries diferentes. A primeira, com duas (2) edições, uma em 1981 e a outra em 1982. A segunda edição teve nove (9) edições, que duraram de 1986 a 1993.
Na segunda edição da primeira série houve uma alteração no título, que foi Almanaque do Peninha e Biquinho, onde o Peninha dividia não só a capa como algumas histórias com seu sobrinho.
Em Dezembro de 2010, o personagem ganhou um novo almanaque contendo 80 páginas e 12 histórias
[editar]Série Ouro Disney
Esta série de cinco (5) edições trazia histórias bem diferentes das convencionais. Cinco personagens diferentes, um em cada edição, passava por algum fato que nunca aconteceu, somente em sonhos.
A edição número 5 mostra o Peninha como prefeito de Patópolis. O caos fica estabelecido na cidade.

A coleção completa era:
O casamento do Pato Donald (com a Margarida)
Pateta astro de Hollywood
Zé Carioca, o Zé cutivo
As bruxas também amam (Madame Min se casando com o Mancha Negra)
Peninha prefeito
Esta série foi publicada originalmente em 1987, depois republicada em 1997, pela Editora Abril

                                                                         Manuais Disney
Os manuais Disney são livros infantis com temas específicos em cada um e tendo algum personagem Disney relacionado a tal tema, como se fosse um anfitrião.
Lógico que existe o Manual do Peninha, onde o tema é jornalismo e sua história, pegando a deixa de "A Patada".
Os manuais foram editados duas vezes com este mesmo nome, na década de 1970 e em 1988, por duas editoras diferentes, mas com o mesmo conteúdo. Também foi usado o mesmo conteúdo dos manuais, porém com outro título, na Biblioteca do Escoteiro Mirim, de 1985. As edições variavam quanto ao volume, mas tinham uma média de vinte (20) manuais, em cada edição.  
           Fichas Disney
A Editora Abril resolveu adicionar algumas fichas de personagens Disney em suas revistas. Estas fichas continham algumas informações básicas sobre o personagem e na parte traseira, um esquema de como desenhar este personagem em poucos passos. Estas fichas acabaram virando uma febre e hoje são vendidas na internet. Itens bastante apreciados pelos colecionadores.
A ficha do Peninha saiu na revista do Zé Carioca #1879, de Abril de 1990. A ficha do Morcego Vermelho, saiu na revista Zé Carioca #1881, de Maio de 1990.

                                                                                 Moedas Disney
Em Agosto de 1977, a Editora Abril resolveu distribuir um brinde diferente em suas revistas, moedas comemorativas com os personagens Disney. Eram sete moedas no total e um dos personagens retratados era o Peninha. Os outros foram Pateta, Patacôncio, Zé Carioca, Vovó Donalda, Gastão e Tio Patinhas. Logicamente não tinham valor comercial nenhum. Também são itens muito procurados pelos colecionadores, porém muito mais raros, e consequentemente mais caros, do que as "fichas Disney".
                                                                         Animação

Apesar de ser extremamente popular e querido, tanto no Brasil, quanto em outros países, como a Itália, o personagem Peninha não está presente em nenhuma animação. Talvez isso ocorra pelo fato de não ser muito publicado nos Estados Unidos, de onde vem a maioria das animações.

  
Contador de visitas
计数器
Contador de visitas

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por duronaqueda às 11:54


1 comentário

De Gilmar a 16.09.2017 às 12:50

Em relação as moedas, na verdade é que foram lançadas 15 e nao 7.

Comentar post








comentários recentes