Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Angeli(cartunista biografia

Sexta-feira, 27.07.12


Angeli

Arnaldo Angeli Filho, mais conhecido com Angeli, (São Paulo, 31 de agosto de 1956) é um dos mais conhecidos chargistas brasileiros.
Começou a trabalhar aos catorze anos na revista Senhor, além de colaborar em fanzines. Em 1973 foi contratado pelo jornal Folha de São Paulo, onde continua até hoje. Desde os anos 80, Angeli vêm desenvolvendo uma galeria de personagens famosos por seu humor anárquico e urbano; entre eles se destacam o esquerdista anacrônico Meia Oito e Nanico, o seu parceiro homossexual enrustido (mas não muito); Rê Bordosa, conhecida como a junkie mais "porralouca" dos anos 1980; Luke e Tantra, as adolescentes que só pensam em perder a virgindade; Wood & Stock, dois velhos hippies que deixaram seus neurônios na década de 1960; os Skrotinhos, a versão underground dos Sobrinhos do Capitão; as Skrotinhas, a versão "xoxotinha" dos Skrotinhos; Mara Tara, a ninfomaníaca mais pervertida dos quadrinhos; Rhalah Rikota, o guru espiritual comedor de discípulas; Edi Campana, um voyeur e fetichista de plantão à procura do melhor ângulo feminino; o jornalista Benevides Paixão, correspondente de um jornal brasileiro no Paraguai e o único a ter conseguido entrevistar Rê Bordosa; Ritchi Pareide, o roqueiro do Leblão; Rampal, o paranormal; o machão machista Bibelô; o egocêntrico Walter Ego (também conhecido como "o mais Walter dos Walters"); Osgarmo, o sujeitinho vapt-vupt; Rigapov, o imbecil do Apocalipse; Hippo-Glós, o hipocondríaco (inspirado em Cacá Rosset); Vudu; Los Três Amigos e Bob Cuspe, o anárquico punk que cuspiu nas piores criaturas de nossas gerações. Ele próprio também se tornou um personagem, estrelando de início as tiras "Angeli em crise". Outra versão caricata sua é o personagem Angel Villa de Los Três Amigos.


Lançou pela Circo Editorial em 1983 a revista "Chiclete com Banana", um sucesso editorial (de uma tiragem inicial de 20,000 exemplares chegou a atingir 110,000), altamente influente e que contava com a colaboração de nomes como Luiz Gê, Glauco, Roberto Paiva, Glauco Mattoso e Laerte Coutinho. A Chiclete com Banana é considerada até hoje como uma das mais importantes publicações de quadrinhos adultos já editadas no Brasil.
Angeli já teve suas tiras publicadas na Alemanha, França, Itália, Espanha e Argentina, mas foi no mercado de Portugal que obteve mais destaque, tendo uma compilação de seu trabalho lançada pela editora Devir em 2000, ano em que também viu a estréia de uma série de animação com seus personagens numa co-produção da TV Cultura com a produtora portuguesa Animanostra.
Trabalhou na Rede Globo, como redator do programa infantil TV Colosso (1993-1996). Na mesma rede, entre 1995 a 2005, fez desenhos de 5 segundos, quando dava intervalos dos filmes da emissora.
Em 2006, produziu e lançou um longa de animação chamado Wood & Stock: Sexo, Orégano e Rock'n'Roll, com o diretor Otto Guerra.



Obras publicadasRepública Vou Ver (1983)
Bob Cuspe e Outros Inúteis (1984)
Rê Bordosa (1984)

Rê Bordosa, a Morte da Porraloca (1987)
Mara Tara e Oliveira Junkie (1990)

FHC, Biografia Não Autorizada (1995)
Os Skrotinhos - A Fome e a Vontade de Comer, Sobras Completas
Co-autoria com Laerte e Glauco dos álbuns:
Los 3 Amigos 1 (1992)

Coletâneas publicadas pela Editora Devir
Wood & Stock - Psicodelia e Colesterol
Sexo é Uma Coisa Suja

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por duronaqueda às 21:12

BRASINHA(comics)

Sexta-feira, 27.07.12


FICHA DO BRASINHA


Hot Stuff, the Little Devil (Brasinha, no Brasil e Portugal) era uma personagem de história em quadrinhos, publicada pela editora estadunidense Harvey Comics (responsável também por Gasparzinho e Riquinho, nomes no Brasil) a partir de outubro de 1957.
Em língua portuguesa Brasinha foi publicado pela Editora O Cruzeiro, Editora Vecchi e finalmente pela Rio Gráfica Editora, nos anos 60 e 70


Howard Post e Warren Kremer foram os principais desenhistas das histórias do Brasinha, sendo o último seu criador. O humor inventivo de Howard Post dominou os temas das estórias durante anos. Warren Kremer também ilustrou Miudinho por muitos anos, tendo sido também responsável pela maioria das capas das revistas do Brasinha.
Personagens que frequentemente apareciam no Gibi: Miudinho e Lelo.
O personagem Brasinha está fora de circulação ha muitos anos mesmo nos Estados Unidos, seu país de origem. Atualmente há uma compilação de algumas estórias classicas de Brasinha no especial Harvey Classics nº 3 pela Dark Horse Comics.




Howard Post desenhista de brasinha

Warren Kremer criador e desenhista do brasinha
Diferente de Gasparzinho, Brasinha nunca teve um desenho Hot Stuff the Little Devil   animado, suas vendas também nunca atingiram grandes patamares apesar de roteiros e desenhos superiores. Seu lado sombrio não era facilmente deglutível pela sociedade conservadora americana.
No Brasil, Brasinha concorria em paridade de vendas com gibis infantis já consolidados no mercado nacional como Turma da Mônica e Disney. No final dos anos 80 com a queda nas vendas, a RGE deixou de publicar o gibi e nenhuma outra editora se interessou em dar prosseguimento a publicação.
A modelo cubana Vida Guerra tem uma tatuagem da personagem.
O America Football Club, o tem como Mascote.



Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por duronaqueda às 20:56

Fita cassete

Sexta-feira, 27.07.12



Fita cassete

fita cassete ou compact cassette é um padrão de fita magnética para gravação de áudio lançado oficialmente em 1963, invenção da empresa holandesaPhilips.
O cassete era constituído basicamente por 2 carretéis, a fita magnética e todo o mecanismo de movimento da fita alojados em uma caixa plástica, isto facilitava o manuseio e a utilização permitindo que a fita fosse colocada ou retirada em qualquer ponto da reprodução ou gravação sem a necessidade de ser rebobinada como as fitas de rolo. Com um tamanho de 10 cm x 7 cm, a caixa plástica permitia uma enorme economia de espaço e um excelente manuseio em relação às fitas tradicionais.
O audiocassete ou fita cassete foi uma revolução difundindo tremendamente a possibilidade de se gravar e se reproduzir som. No início, a pequena largura da fita e a velocidade reduzida (para permitir uma duração de pelo menos 30 minutos por lado) comprometiam a qualidade do som, mas recursos tecnológicosforam sendo incorporados ao longo do tempo tornando a qualidade bastante razoável. Recursos como: novas camadas magnéticas (Low Noise, Cromo, Ferro Puro e Metal), cabeças de gravação e reprodução de melhor qualidade nos aparelhos e filtros (Dolby Noise Reduction) para redução de ruídos.
Os primeiros gravadores com áudio cassete da Philips já eram portáteis, mas no final dos anos 70 com a invenção do walkman pela Sony, um reprodutor cassete super compacto de bolso com fones de ouvido, houve a explosão do som individual.

O começo

Previstos originalmente como meio para ditado e uso como gravador de som prático e portátil, a qualidade dos primeiros reprodutores não era muito adequada para música, além disto os primeiros modelos tinham falhas na mecânica. Porém rapidamente as falhas foram sanadas, diversos modelos produzidos, alguns foram incorporados aos receptores portáteis de rádio. Assim as melhoras na qualidade de som fizeram com que o cassete suplantasse a gravação da fita de rolo na maioria de seus usos domésticos e profissionais. É preciso lembrar também que na metade da década de '60 o consumo da música explodiu, logo uma forma prática de se gravar e ouvir música foi o ideal para um público jovem.
A produção em massa dos cassetes compactos de áudio começou em 1964, em HannoverAlemanha. Os cassetes de música pregravada, também conhecidos comercialmente como “musicassetes” (MC), foram lançados na Europa no final de 1965. Nos Estados Unidos, em 1966, com uma oferta inicial de 49 títulos pela Mercury Record Company, uma filial norte-americana da Philips.
Em 1971, a empresa Advent Corporation introduziu seu modelo 201, que combinou a redução de ruídos Dolby tipo B com uma fita de dióxido de cromo (CrO2) cuja [coercitividade] (capacidade de reter a informação magnética) era muito maior que o óxido de ferro resultando em um som com menos chiado de fundo (hiss). O resultado tornava o cassete mais apto para o uso musical e o começo da era dos cassetes e reprodutores de alta fidelidade.

O AUGE
Entre a década de 1970 e os meados da década de 1990, o cassete era um dos dois formatos mais comuns para a música pregravada, junto aos discos de vinil (compactos e LPs). A venda de conjuntos integrados (no Brasil 3 em 1) com receptor FM, toca-discos para vinil e gravador cassete fizeram com que houvesse uma tremenda difusão nas fitas gravadas domésticamente, cada um podia fazer a sua seleção de músicas das rádios ou dos discos.
Durante a década de 1980, a popularidade do cassete se manteve como resultado dos gravadores portáteis de bolso e os reprodutores pessoais como o Walkman

 da Sony, cujo tamanho não era muito maior do que o do próprio cassete e que permitia a música ser levada "dentro do seu bolso". À parte dos avanços puramente técnicos dos cassetes, estes também serviram como catalisadores para o câmbio social. Sua durabilidade e facilidade de cópia ajudaram na difusão da música underground e alternativa bem como no intercâmbio musical entre o então "Ocidente" e a "Cortina de Ferro" (países socialistas) trazendo a música underground rock e punk e levando o rock ocidenta
mportante notar que o áudiocassete é um suporte analógico, ainda que mais tarde a Philips desenvolveu um sucessor compatível e digital (o Digital Compact Cassette, o DCC) bem como outros desenvolveram outros formatos digitais baseados em fita, como a Digital Audio Tape (DAT).

]Decadência

Em muitos países ocidentais, o mercado de cassetes entrou em sério declive desde o seu auge no final da década de 1980. Isto notou-se particularmente com os cassetes pregravados, cujas vendas foram superadas pela dos CDs durante a década de 1990.
Em 2001, os cassetes constituíram somente 4% de toda a música vendida nos Estados Unidos. Não obstante, no final da década de 2000, os cassetes virgens ainda estavam sendo produzidos.
Muitas companhias fabricantes do áudiocassete deixaram de produzi-lo no final da década de 2000, já que este tem sido fortemente desbancado pelos meios digitais com os reprodutores de Mp3, cuja mídia pode ser um CD, cartão de memória ou DVD com um qualidade de som superior e maior duração.
Apesar da disponibilidade ampla dos meios de alta fidelidade, os cassetes também seguem sendo populares para usos específicos incluindo áudio para carro e outros ambientes difíceis em países em desenvolvimento. Os reprodutores de cassetes são tipicamente mais resistentes a poeira, calor e choques do que a maioria dos meios digitais (principalmente CDs). Ainda que os gravadores digitais de voz atualmente sejam mais populares, os gravadores de cassete (e até mesmo microcassete) tendem a ser mais baratos e de qualidade suficiente para tomar notas em palestras, aulas, reuniões, etc. Ainda vendem-se em cassete audiolivros, mensagens religiosas e outros materiais falados. Sua fidelidade mais baixa não é considerada uma desvantagem para tal conteúdo. Enquanto que a maioria dos editores vendem audiolivros em CD, geralmente também oferecem uma versão em cassete a um preço mais baixo. Além disto a produção dos cassetes continua em nichos musicais específicos, como músicos alternativos ("indies") e progressistas e para ensino de idioma em países como Coréia do Sul.]
Tipos de fitas

Por duração

O cassete, dependendo do comprimento da fita, permite diversas durações de gravação. Precisamente, o nome da fita já indica a duração da mesma, como C-60 (60 minutos, 30 para cada lado) Quanto maior o comprimento, mais fina é a fita, a fim de que ocupem o mesmo espaço do cartucho que as de menor comprimento. Quanto mais finas as fitas, pior é a adaptação às da própria caixa, o que pode provocar um mau contato cabeçote-fita, que pode fazer com que a fita se enrosque, podendo danificar o toca fitas.
Os fabricantes desaconselham energicamente o uso das C-120 e, em menor escala, as C-90.
As fitas que estão (ou estiveram) disponíveis no mercado são:
  • C-5 (usada mais como fita de demonstração);
  • C-7 (idem)
  • C-46;
  • C-60 (mais usada até hoje);
  • C-74;
  • C-90 (outra mais usada, porém em menor escala);
  • C-100;
  • C-110;
  • C-120.

]Por material magnético

Utilizam-se diversos tipos de material magnético para os cassetes. Cada um deles tem diferentes requisitos de polarização (bias) e equalização. Segundo este critério, podem-se distinguir quarto tipos de fitas:
  • Fita IEC type I (normal): estão baseadas em óxido férrico (Fe2O3) e foi o tipo original de fitas. Usam uma equalização de 120 µs;
  • Fita IEC type II: Por volta de 1970, a empresa Basf introduziu o dióxido de cromo (CrO2). Esse tipo de fita requer uma equalização de 70 µs;
  • Fitas IEC type III: A Sony desenvolveu uma fita de camada dupla, utilizando ao mesmo tempo óxido férrico e dióxido de cromo. Chamou-se “ferrichrome” (FeCr). Estas fitas só estiveram disponíveis por um curto período de tempo na década de 1970;
  • Fitas IEC type IV (metal): Também utilizam equalização de 70 µs e proporcionam novos avanços e melhoras na qualidade de som, assim como mais resistência ao desgaste.
A qualidade se reflete normalmente no preço, sendo as mais baratas as de type I. As fitas type II se consideram como de qualidade de som de CD e as de type IV com qualidade superior à do CD.

Cuidados com as fitas cassete

  • Não exponha a fita a poeira e umidade;
  • Não exponha a fita a temperaturas extremas (ambientes muito quentes ou muito frios);
  • Mantenha a fita afastada de geradores de campos magnéticos, como ímãs, altofalantes, televisores, etc;
  • Quando a fita não estiver em uso, conserve-a dentro da capa plástica;
  • Para evitar desgravações acidentais, quebre as linguetas de gravação. Caso queira apagar uma fita com linguetas já quebradas,basta cobrir as aberturas deixadas pelas mesmas.
Seguindo estes cuidados, a durabilidade da fita cassete pode ser de 40 anos ou mais.


Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por duronaqueda às 20:50

Peninha (Disney)(COMICS)

Sexta-feira, 27.07.12

A HISTORIA DO PENINHA DISNEY

Peninha3Morcego Vermelho

Peninha (Disney)

Peninha  é um personagem do Universo Disney, cujo nome original é Fethry Duck. Criado por artistas estadunidenses, Dick Kinney e Al Hubbard, a primeira aventura publicada, contudo, foi na Itália, país em que é chamado de Paperoga, numa referência à ioga e que era uma das características iniciais do personagem, inspirado na cultura beat, com o cabelo grande e desalinhado escondido por uma touca. Nas aventuras de Peninha em que ele não aparece como jornalista ou funcionário de alguma empresa do Tio Patinhas, ou tenta algum emprego pelo qual geralmente é inepto como também fazia o seu primo Donald, foram exploradas como sátira essas temáticas das novidades ou alternativas comportamentais tais como dietas, ecologia e vida na natureza sobre o que ele lia em algum livro (geralmente manual) e imediatamente tentava aplicar em seu parentes, no gato de Donald (Ronrom) e mais tarde no caipira Urtigão, sempre com resultados cômicos e desastrosos. Tornou-se um personagem bastante popular na Europa e América do Sul, onde se produziram muitas das suas aventuras. Desde o início, as aventuras norteamericanas do Peninha destinaram-se ao mercado externo e não ao mercado interno.
Peninha já foi de tudo um pouco, vendedor, bombeiro, salva-vidas, mas na maioria das vezes é retratado como jornalista, do jornal A Patada, de propriedade do Tio Patinhas. Trabalha no jornal junto com seu primo Donald. Também é o tutor do Biquinho, seu sobrinho.     


O atrapalhado e avoado pato estreou numa história do seu primo Pato Donald, Fome para fortalecer, em agosto de 1964, na Itália. No Brasil, esta história foi publicada em 1965 (foi republicada como Dieta para fortalecer). Aliás, esta foi uma grande dúvida sanada graças a Internet, pois por muito tempo, acreditava-se que a primeira história do Peninha publicada no Brasil tinha sido O primo dinamite, em 1966. Isso porque a história O primo dinamite foi a primeira publicada nos Estados Unidos
O primeiro número da primeira revista mensal portuguesa de Walt Disney, intitulada Mickey e lançada em Abril de 1980, pela Editora Abril, contava com uma história na qual participava, ao lado de Donald, Tio Patinhas e Urtigão: Adivinhe quem vem jantar (Dunkin Kinds Ate Here), da autoria de Dick Kinney e Tony Strobl, publicada originalmente em 1969 e sendo uma das muitas histórias produzidas nos EUA destinadas a países estrangeiros.
No Brasil foram criados o super-herói Morcego Vermelho (sátira ao Batman), os alter-egos Pena Kid, Pena das Selvas (sátira ao Tarzan) e outros mais, além do seu sobrinho Biquinho.
De acordo com a Árvore Genealógica da Família Pato de Don Rosa, Peninha é filho de Patolfo (Eider, no original em inglês) e Patina Dora (Lulubelle Loon, no original em inglês), a prima do Pato Donald, e teve um irmão chamado de Zeca Pato (Abner Duck, no original em inglês). No entanto, como Peninha não foi criado por Carl Barks, que também nunca o usou em suas histórias, a princípio Rosa não havia incluído o personagem como da família, só o fazendo por pressão dos editores.

Nos EUA, em 2003 Peninha foi relançado, continuando a aparecer nos anos seguintes, com histórias inéditas e publicação do material dos anos 1960 de Kinney/Hubbard, nas revistas "Uncle Scrooge" (Tio Patinhas) e "Walt Disney's Comics and Stories".

Revista em quadrinhos

 
Peninha foi uma revista em quadrinhos brasileira (banda desenhada em Portugal) estrelada pelo Peninha e editada pela Editora Abril.
Teve duas séries. A primeira durou cinquenta e seis (56) edições e foi de Setembro de 1982 a Outubro de 1984,com periodicidade quinzenal. A segunda série durou dezenove (19) edições e foi de Setembro de 2004 a Janeiro de 2007, com periodicidade mensal .
A edição mundial de estréia do personagem foi na Itália, na revista Topolino #453, em 1964 .

     Primeira história brasileira
Aconteceu em 1968, na revista Zé Carioca #893 da Editora Abril. A história se chamava "Natal De Fechar O Comércio", dos artistas Waldyr Igayara de Souza e Izomar C. Guilherme.
"A Patada"
Peninha e Donald trabalham no jornal A Patada, cujo dono é o Tio Patinhas. O principal jornal concorrente é A Patranha, cujo dono é o Patacôncio, arqui-inimigo do Tio Patinhas.
Peninha e Donald são dois jornalistas, mas o que eles menos fazem é trabalhar, sempre dão um jeito de ludibriar o Tio Patinhas. E quando saem do jornal para fazer alguma matéria, sempre armam confusão. Por essas e outras vivem tendo descontos no salário. Numa época, por contenção de custos, o Tio Patinhas decidiu remover a coluna de horóscopo, que não dava lucro e adicionar uma seção de quadrinhos do jornal. Como o responsável pelo horóscpo era o Peninha, ele passou a ser o escritor e desenhista dos quadrinhos do jornal.
Peninha, sem idéia nenhuma em mente sobre o que escrever, resolve fazer quadrinhos sobre si mesmo, divagando, e sempre se colocando no papel de herói. É nessa época que surgem os spin-offs do Peninha. As histórias destes personagens fizeram tanto sucesso na época que nem comentava-se mais sobre o trabalho de escritor do Peninha, como introdução a elas; cada personagem tinha sua própria história, sem conexão com 
"A Patada".              Spin-offs
As histórias contendo estes personagens foram criadas no Brasil, nos estúdios da Editora Abril, e depois ganharam o mundo, principalmente Itália, onde o personagem Peninha é adorado. Isto aconteceu no ano de 1974. Entre os criadores destes personagens spin off, temos os brasileiros dos quadrinhos, como Ivan Saidenberg e Carlos Edgard Herrero.
A maioria destes personagens teve somente uma história, porém alguns deles viraram um sucesso. Dentre esses personagens, temos:
Pena Kid, o caubói
Pena das Selvas (Sátira ao Tarzan)
Pena das Arábias
Pena das Cavernas
Pena Rubra, o viking
Pena Escarlate
Penado, o espírito que desanda. Sátira ao personagem Fantasma, o espírito que anda, de Lee Falk[6].
O Morcego Vermelho não se encaixa nesta série. Na verdade ele é um super-herói. É uma identidade secreta do Peninha e não faz parte da imaginação do mesmo. Também outro personagem criado no Brasil, na década de 1970, sátira ao Batman.
                                                               Edição Extra
 Além da revista que tinha seu próprio nome, Peninha estreou mais doze edições da Edição Extra. Esta revista não possuía um tema específico, variando conforme a edição. O Morcego Vermelho estreou quatro edições.
                                                              Almanaque do Peninha
Foi o primeiro personagem Disney a ter um almanaque próprio no Brasil. Os almanaques continham exclusivamente histórias dos personagens, diferente das revistas, onde algumas histórias de outros personagens vinham em conjunto.
Teve três séries diferentes. A primeira, com duas (2) edições, uma em 1981 e a outra em 1982. A segunda edição teve nove (9) edições, que duraram de 1986 a 1993.
Na segunda edição da primeira série houve uma alteração no título, que foi Almanaque do Peninha e Biquinho, onde o Peninha dividia não só a capa como algumas histórias com seu sobrinho.
Em Dezembro de 2010, o personagem ganhou um novo almanaque contendo 80 páginas e 12 histórias
[editar]Série Ouro Disney
Esta série de cinco (5) edições trazia histórias bem diferentes das convencionais. Cinco personagens diferentes, um em cada edição, passava por algum fato que nunca aconteceu, somente em sonhos.
A edição número 5 mostra o Peninha como prefeito de Patópolis. O caos fica estabelecido na cidade.

A coleção completa era:
O casamento do Pato Donald (com a Margarida)
Pateta astro de Hollywood
Zé Carioca, o Zé cutivo
As bruxas também amam (Madame Min se casando com o Mancha Negra)
Peninha prefeito
Esta série foi publicada originalmente em 1987, depois republicada em 1997, pela Editora Abril

                                                                         Manuais Disney
Os manuais Disney são livros infantis com temas específicos em cada um e tendo algum personagem Disney relacionado a tal tema, como se fosse um anfitrião.
Lógico que existe o Manual do Peninha, onde o tema é jornalismo e sua história, pegando a deixa de "A Patada".
 Os manuais foram editados duas vezes com este mesmo nome, na década de 1970 e em 1988, por duas editoras diferentes, mas com o mesmo conteúdo. Também foi usado o mesmo conteúdo dos manuais, porém com outro título, na Biblioteca do Escoteiro Mirim, de 1985. As edições variavam quanto ao volume, mas tinham uma média de vinte (20) manuais, em cada edição. 
           Fichas Disney
A Editora Abril resolveu adicionar algumas fichas de personagens Disney em suas revistas. Estas fichas continham algumas informações básicas sobre o personagem e na parte traseira, um esquema de como desenhar este personagem em poucos passos. Estas fichas acabaram virando uma febre e hoje são vendidas na internet. Itens bastante apreciados pelos colecionadores.
A ficha do Peninha saiu na revista do Zé Carioca #1879, de Abril de 1990. A ficha do Morcego Vermelho, saiu na revista Zé Carioca #1881, de Maio de 1990.

                                                                                 Moedas Disney
Em Agosto de 1977, a Editora Abril resolveu distribuir um brinde diferente em suas revistas, moedas comemorativas com os personagens Disney. Eram sete moedas no total e um dos personagens retratados era o Peninha. Os outros foram Pateta, Patacôncio, Zé Carioca, Vovó Donalda, Gastão e Tio Patinhas. Logicamente não tinham valor comercial nenhum. Também são itens muito procurados pelos colecionadores, porém muito mais raros, e consequentemente mais caros, do que as "fichas Disney".
                                                                         Animação

Apesar de ser extremamente popular e querido, tanto no Brasil, quanto em outros países, como a Itália, o personagem Peninha não está presente em nenhuma animação. Talvez isso ocorra pelo fato de não ser muito publicado nos Estados Unidos, de onde vem a maioria das animações.

  

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por duronaqueda às 13:41

TOM MIX BIOGRAFIA

Sexta-feira, 27.07.12
                            Tom Mix                                                     Tom Mix

Thomas Edwin "Tom" Mix (nascido Thomas Hezikiah Mix;   06 de janeiro de 1880 - 12 de outubro de 1940) foi um ator de cinema americano e estrela de muitos dos primeiros ocidentais filmes. Entre 1909 e 1935, Mix apareceu em filmes 291,  todos, mas das quais nove eram filmes mudos. Ele foi primeiro megastar de Hollywood ocidental e é conhecido como tendo ajudado a definir o gênero de todos os agentes de cowboy que se seguiram.  

                                                             Primeiros anos

Thomas Hezikiah Mix nasceu 6 de janeiro de 1880 no Mix Run, Pensilvânia , cerca de 40 milhas (60 km) ao norte de State College, Pensilvânia , a Edwin e Mix Elizabeth. Ele cresceu nas proximidades de Dubois, Pensilvânia , onde seu pai, um mestre estável para um comerciante de madeira rico, lhe ensinou a montar e adoro cavalos.   Ele passou um tempo trabalhando em uma fazenda local de propriedade de João Dubois, um empresário madeireiro. Ele tinha o sonho de ser no circo e foi rumores de ter sido capturado por seus pais praticando faca jogando truques contra a parede, usando sua irmã como assistente.

Em abril de 1898, durante a Guerra Hispano-Americana , ele se alistou no Exército sob o nome de Thomas E. Mix (Edwin). Sua unidade nunca foi no exterior, e misture depois não conseguiu retornar para o serviço depois de uma licença estendida, quando ele se casou com Grace I. Allin em 18 de julho de 1902. Mix foi listado como AWOL em 4 de novembro de 1902, mas nunca foi corte marcial , nem mesmo aparentemente descarregada. Seu casamento com Allin foi anulado depois de um ano. Em 1905, casou Mix Kitty Jewel Perinne, mas este casamento também terminou em um ano. Em seguida, ele se casou com Olive Stokes em 10 de janeiro de 1909, em Medora, North Dakota .

Em 1905, montou Mix em Theodore Roosevelt 's desfile inaugural liderada por Seth Bullock com um grupo de 50 cavaleiros, que incluiu vários ex- Rough Riders . Anos mais tarde, os publicitários de Hollywood iria atrapalhar esse evento para dizer que tinha sido um Mix Rough Rider si mesmo.

Depois de trabalhar uma variedade de biscates no território de Oklahoma , misture o emprego encontrado no Irmãos Miller 101 Ranch , uma das maiores empresas de criação de gado nos Estados Unidos, cobrindo 101.000 hectares (409 km ²), daí seu nome. Ele se destacou como um cavaleiro hábil e tiro especialista, ganhando nacional de equitação e roping concursos em Prescott, Arizona em 1909, e Canon City, Colorado em 1910.  

                                                         Carreira cinematográfica

                                                              Selig Polyscope

Tom Mix começou sua carreira no cinema como um membro do elenco de apoio com a empresa Selig Polyscope . Sua primeira aparição foi em um curta-metragem intitulado The Millionaire Cowboy, lançado em 21 de outubro de 1909.  Em 1910 ele apareceu como a si mesmo em um pequeno documentário intitulado Vida Ranch no sudoeste Grande em que ele mostrou suas habilidades como um gado wrangler. Disparado no estúdio Selig no Edendale distrito de Los Angeles (agora conhecida como Echo Park ), o filme foi um sucesso e se tornou uma estrela Mix imagem início do movimento.

Em 13 de julho de 1912, Olive deu à luz a sua filha Ruth. Misture realizada em mais de 100 filmes para Selig, muitos dos quais foram filmados em Las Vegas, New Mexico . Embora com Selig ele co-estrelou em vários filmes com Victoria Forde , e eles se apaixonaram. Ele se divorciou de Olive Stokes em 1917. Até então, Selig Polyscope havia encontrado a graves dificuldades financeiras, e Tom Mix e Victoria Forde tanto posteriormente assinado com a Fox Film Corporation , que tinha alugado o estúdio Edendale. Misture e Forde se casaram em 1918 e tiveram uma filha, Thomasina Mix (Tommie), em 1922.  

                                                               Mixville
Tom Mix passou a fazer mais de 160 filmes de cowboys ao longo dos anos 1920. Esses scripts de ação de destaque orientados que contrastavam com o estilo documental do seu trabalho com Selig. Heróis e vilões foram bem definidos e um cowboy clean-cut sempre "salvou o dia." Milhões de crianças norte-americanas cresceu vendo seus filmes nas tardes de sábado. Sua inteligente e bonito cavalo Tony também se tornou uma celebridade. Mix fez suas próprias cenas de ação e foi lesada.

Mix do salário na Fox chegou a US $ 7.500 por semana. Suas atuações não foram notadas por seu realismo, mas para acrobacias tela amigáveis ??de ação e passeios a cavalo, os trajes que chamam a atenção de cowboy e teatralidade. No Mix muito Edendale construído um 12-acre conjunto de disparo (49.000 m 2) foi chamado Mixville. Carregado com adereços ocidentais e mobiliário, que tem sido descrito como uma cidade de fronteira "completa, com uma rua empoeirada, pegando trilhos, um salão, prisão, banco, consultório médico, escritório agrimensor, e as casas de madeira simples típicos dos primórdios do Oeste . " Perto da parte de trás do monte uma aldeia indígena de lojas foi cercado por montanhas de gesso em miniatura na tela que se dizia ser "ferozmente convincente." O conjunto também inclui um deserto simulado, curral grande e uma casa de fazenda, sem teto, para facilitar a tiros interiores.

Durante 1929, no ano passado Mix em filmes mudos, ele trabalhou para Escritório de Cinema de Reservas da América (FBO), um estúdio de cinema dirigida por Joseph P. Kennedy Sr. e em breve a ser incorporado Kennedy RKO Radio Pictures . Mix foi de 49 e por mais contas que ele estava pronto para se aposentar a partir dos filmes. Nesse mesmo ano, o Mix foi um pallbearer no funeral de Wyatt Earp (durante o qual ele teria chorado). 

                                                                              1930
Mix apareceu com o Circus Vende-Floto em 1929, 1930 e 1931, com um salário relatado semanal de US $ 20.000. Ele e Forde se divorciaram em 1931. Enquanto isso, a Grande Depressão (junto com o ator livre de gastos maneiras e muitas esposas) tinham alegadamente exterminados mais de suas economias. Em 1932, casou-se com sua quinta esposa, Mabel Hubbell Ward. Universal Pictures aproximou-se dele naquele ano com uma oferta para fazer talkies que incluíram script e aprovação elenco. Ele fez nove imagens para a Universal, mas por causa dos ferimentos que ele recebeu durante as filmagens, ele estava relutante em prosseguir com mais nada. Mix em seguida, apareceu com o Sam B. Dill circo, que ele teria comprado dois anos depois (1935).

Mix aparência da tela do passado foi de 15 episódios de som Fotos Mascote série, O Cavaleiro Milagre (1935), recebendo US $ 40.000 para quatro semanas de filmagens. Também nesse ano, governador do Texas James Allred chamado Misture honorário Texas Ranger . Mix voltou para o circo desempenho, desta vez com sua filha mais velha Ruth, que havia aparecido em alguns dos seus filmes. Em 1938, o Mix foi para a Europa em uma viagem promocional, enquanto sua filha Ruth ficou para trás para gerir o seu circo, que logo falhou. Mais tarde, ele excluiu-a de sua vontade. Ele teria feito mais de US $ 6.000.000 (aproximando dos US $ 400 milhões no início do século 21, a inflação valores ajustados) durante sua carreira no cinema de 26 anos.

                                                                               Rádio

Em 1933, Ralston Purina, obtido sua permissão para produzir uma série de rádio Tom Mix chamado Shooters Tom Mix Ralston retas que, mas para um ano, durante a Segunda Guerra Mundial, era popular durante a maior parte da década de 1930 através de 1950. Mix nunca apareceu estas transmissões, e foi em vez interpretados por atores de rádio: Artells Dickson (1930), Jack Holden (de 1937), Russell Thorsen (1940) e Joe "Curley" Bradley (de 1944). Outros no elenco de apoio incluiu George Gobel , Harold Peary e Willard Waterman .

A empresa ofereceu Ralston anúncios durante o programa de rádio Tom Mix para os ouvintes enviam para uma série de 12 livros especiais Ralston-Tom Mix Comic disponíveis apenas por escrito da Companhia Ralston pelo correio.

 Morte

Na tarde de 12 de outubro de 1940, estava dirigindo seu Mix 1937 Cord 812 Phaeton perto de Florença, Arizona , (entre Tucson e Phoenix ) em Arizona State Route 79 . Mix foi visitar Pima County Sheriff Ed Nichols, em Tucson,  e havia parado no cruzamento da Oracle Inn, um jogo popular e criação de beber, onde ele havia chamado e falado com o seu agente, quando ele se deparou com barreiras na construção de uma ponte anteriormente arrastado por uma enchente. A equipe de trabalho viu como ele foi incapaz de travar a tempo, e seu carro desviou duas vezes e depois enrolada em um barranco, prendendo seu corpo por baixo.  Uma grande polida de alumínio mala contendo uma grande soma de dinheiro, cheques de viagem e jóias, que ele tinha colocado na prateleira atrás dele pacote voaram para a frente e bateu Mix na parte de trás da cabeça, quebrando-lhe o crânio e quebrar o pescoço. O ator de 60 anos, foi morto quase que instantaneamente. Testemunhas disseram Mix estava viajando a 80 mph antes do acidente.  Uma pequena pedra memorial marca o local da sua morte na State Route 79, e do barranco próximo é chamado de "Wash Tom Mix". A placa no marco traz a inscrição: "Em memória de Tom Mix cujo espírito deixou seu corpo neste local e cuja caracterização e representações na vida serviu para melhor fixar as memórias do velho oeste na mente dos homens que vivem."

Após um funeral na Igreja Pequena das Flores, Tom Mix foi enterrado no Forest Lawn Memorial Park Cemetery em Glendale, Califórnia . Ele tinha 60 anos.
                                                                Legado

Tom Mix era "o rei dos Cowboys", quando Ronald Reagan e John Wayne eram jovens ea influência de seu personagem na tela pode ser visto em sua abordagem para retratar caubóis. Quando um ferimento causado jogador de futebol John Wayne a sair da USC, Tom Mix o ajudou a conseguir um emprego mover objetos no lote parte de trás do Fox Studios.

Tom Mix feitas 291 filmes ao longo de sua carreira.   Em 2007, apenas cerca de 10% destes eram supostamente disponíveis para visualização, apesar de não estava claro quantos desses filmes são agora considerados filmes perdidos .

Por sua contribuição à indústria cinematográfica, Tom Mix tem uma estrela no Hollywood Walk of Fame em 1708 Vine Street. Suas impressões cowboy boot, estampas de palmeiras e suas famosas estampas de cavalos de Tony cascos estão em Teatro Chinês Grauman em 6925 Hollywood Boulevard. Em 1958 ele foi introduzido postumamente no Salão Oeste Performers of Fame no National Cowboy & Western Heritage Museum em Oklahoma City, Oklahoma . Em 1959, um " Monumento às Estrelas "foi erguida em Beverly Dr. (onde se cruza com o Olympic Blvd. e torna-se Beverwil) em Beverly Hills. O memorial consiste em uma espiral de bronze verde de "filme de câmara" sprocketed acima de uma torre multi-faces, estampados com full-length semelhanças de estrelas primeiros que apareceram em famosos filmes mudos. Aqueles incluem comemorou Douglas Fairbanks, Mary Pickford, Will Rogers, Conrad Nagel, Rudolph Valentino, Fred Niblo, Tom Mix, e Harold Lloyd. Há um Tom Mix museu em Dewey, Oklahoma e outra em Run Mix , Pensilvânia . Entre 1980 e 2004, 21 festivais de Tom Mix foram realizadas durante o mês de setembro, a maioria deles em DuBois, Pennsylvania .
                                                                       Referências Culturais

Por volta do século 21, a maioria das pessoas estavam mais familiarizados com o nome de Tom Mix, através das muitas referências culturais que ecoaram por muito tempo após sua morte, ao invés de ter visto seus filmes. Prémios de cereais Boxtop ( prémios de rádio ) de 1940 relativos à Misture ainda são negociados pelos colecionadores. Mix foi referido no Conny Froboess 'canção de 1951 "Pack' die Badehose ein" e em 1953 Dinah Washington canção, "A TV é a coisa este ano" para EmArcy Registros (significando uma mudança na tecnologia de rádio para a televisão).

No JD Salinger conto "O homem de riso", o Chefe é descrito como tendo "as características mais fotogênicas de Buck Jones , Ken Maynard , e Tom Mix ".
Em 1967, o Mix foi caracterizado com muitas outras celebridades do século 20 na capa de The Beatles ' Banda Solitária Sergeant Pepper Hearts Club .
Em Woody Allen 's 1983 filme Zelig , imagens de arquivo é mostrado da mistura de participar de uma festa no Hearst Castle perto de San Simeon , Califórnia.
Bruce Willis jogou Tom Mix em 1988 Blake Edwards filme do sol , com James Garner como Wyatt Earp . O filme foi muito vagamente baseado no fato de que Earp e Mix conheciam uns aos outros quando Earp estava servindo como um consultor durante a era do cinema mudo.
Em The Beverly Hillbillies , Jed Clampett é motivo para ir para Beverly Hills era viver no mesmo lugar, como Tom Mix.
Daryl Ponicsan 's romance Tom Mix morreu pelos seus pecados (1975) evoca a vida Mix e personalidade. Clifford Irving ofereceu uma versão pseudo-autobiográfico da vida adulta Mix, extraindo-o como um gringo jovem e impetuoso que se torna amigo e então se junta com o revolucionário mexicano Pancho Villa no romance de Tom Mix e Pancho Villa (1982).
No filme 2008 Changeling , estrelado por Angelina Jolie, o menino pouco misterioso que diz ser Walter Collins finalmente confessa à polícia que o motivo que ele fugiu para Los Angeles estava na esperança de conhecer Tom Mix e seu cavalo Tony.
Na novela infantil " Letters From Rifka "por" Karen Hesse ", o protagonista Rifka Nebrot menciona a aprendizagem da língua Inglês, lendo livros em quadrinhos sobre um caubói chamado Tom Mix, que atira em bandidos.
James Horwitz livro 's Eles foram Thataway (1975) termina com Horwitz visitando Tom Mix Wash (onde morreu Mix) e deixando suas botas de cowboy da infância ao pé do monumento.
A ressuscitado Tom Mix apareceu em dois dos Philip José Fazendeiro é Riverworld romances, o projeto das Trevas (1977) e O Labirinto Mágico (1980) como um companheiro de viagem de Jack London , junto com uma história curta apresentada no Riverworld antologia e Outras Histórias (1979).
No "Mulcahy War" episódio de M * A * S * H Padre Mulcahy usou uma faca de bolso Tom Mix para realizar uma traqueotomia de emergência (1976).
Philip K. Dick 's romance sci-fi The Truth Penúltima dispõe de um bunker subterrâneo chamado 'o Tom Mix ".
Em Batman / Houdini: a oficina do diabo ( 1993 ), Tom Mix é uma figura de alto perfil em Gotham sociedade, e leva a oferta de Houdini de um soco livre para o estômago.
Em um episódio de Toonage Raw , Bonkers D. Bobcat interpreta um personagem chamado cowboy "Bonkers Trail Mix", uma homenagem óbvia a Tom Mix, bem como uma brincadeira com o nome dele e mistura da fuga .
O personagem cowboy ameaçador em David Lynch 's filme Mulholland Drive contém referências oblíquas para misturar.
O fantasma de Tom Mix assombrado um casal Hollywood no thriller sobrenatural The Ghosts of Edendale (2004).
Ralston Purina-brevemente reavivado seu Tom Mix fã clube Boxtop durante os anos 1980, e em 2007 teve páginas Tom Mix no site da empresa.
Tom Mix é mencionado como sendo um portador de mortalha e chorando no enterro de Wyatt Earp no início dos créditos finais para o 1993 de George P. Cosmatos filme Tombstone .
No Doctor Who episódio " Os Gunfighters ", as terras TARDIS em Tombstone, Arizona , em 1881, onde o médico diz que não entende porque eles querem se vestir como Tom Mix.
O United States Postal Service comemorou Tom Mix em um selo postal de primeira classe e-mail.
Em Salt Water-Moon, pelo canadense dramaturgo francês David , Jacob descreve assistindo "The Horseshoe Lucky", chamando-o "um dos melhores já feitos Tom", e tenta seduzir Maria ao descrevê-la.
Cômica italiana série Capitão Miki foi renomeado por quadrinhos calígrafo Ferdi Sayisman como "Capitão Tom Mix" (Yüzbasi Tommiks) na década de 70, e os quadrinhos são publicados com este nome até hoje.
Na série A Feiticeira no episódio "Pílula da Juventude de Serena", Darin tenta convencer jovem Larry Tate para beber o antídoto mágico, dizendo-lhe que iria ajudar Larry crescer para ser um vaqueiro como Tom Mix.
Em 2010 Boardwalk Empire episódio de " A Cidade Esmeralda ", o servo de Nucky Thompson Eddie Kessler oferece para revistar alguém que está vindo para vê-lo. Nucky o repreende: "Você é Tom Mix, de repente," 
                                                                                Filmografia

Tom Mix apareceu em 291 filmes curtas e longas-metragens entre 1909 e 1935. O seguinte é uma lista de películas sua característica. 

Roundup Cupido (1918), Larry Kelly
Six Shooter Andy (1918), Andy Crawford
Sangue Ocidental (1918), Tex Wilson
Ace High (1918), Jean Rivard
Sr. Logan, EUA (1918), Jim Logan
Fama e Fortuna (1918), Clay Burgess
Trate-os Rough (1919), Ned Ferguson
Reforma Hell-Barulhento (1919), Tim
Lutando por Ouro (1919), Jack Kilmeny
A Vinda da Lei (1919), Kent Hollis

A fuga da região selvagem (1919), Donald MacTavish
Rough-equitação romance (1919), Phineas Dobbs
O Maniac Velocidade (1919), Billy Porter
A Feud (1919), Jere Lynch / John Smith
O Cyclone (1920), o sargento Tim Ryerson
O Demolidor (1920), Timothy Atkinson (também dirigiu)
Desert Amor (1920), Buck Marston Jr.
O Terror (1920), Bat Carson
Três moedas de ouro (1920), Bob Fleming / Bad Pat Duncan
A Indomada (1920), Whistling Dan
O texano (1920), Tex Benton
Prairie Trails (1920), Tex Benton
O Demônio Estrada (1921)
Hands Off (1921), Tex Roberts

Romeo Uma Ridin '(1921), Jim Rose
O Big Town Round Up (1921), Larry McBride
Depois de seu próprio Coração (1921), Herbert Parker
Os Cavaleiros da noite (1921), Whistling Dan
O Rough Diamond (1921), Hank Sherman
Trailin "(1921), Anthony Woodbury
Sky High (1922), Grant Newbury
Chasing the Moon (1922), Dwight Locke
Up and Going (1922), David Brandon
O Streak Luta (1922), Andrew Lanning
Para Stakes Big (1922), "Clean-up 'Sudden
Apenas Tony (1922), Jim Perris
Faça e Dare (1922), Kit Carson Boone / Henry Boone
Tom Mix, na Arábia (1922), Billy Evans
Catch My Smoke (1922), Bob Stratton
Terra romance (1923), 'Pep' Hawkins
Três Saltos Ahead (1923), Steve McLean
Pisando Rápido (1923), Grant Malvern
Cozido mole (1923), Tom Steele

A Lone Star Ranger (1923), Duane
Mile-a-Minute Romeo (1923) Bill, Lucky
Norte da baía de Hudson (1923), Michael Dane
Olhos da Mata (1923), Bruce Thornton
Pals in Blue (1924)
Senhoras para Conselho (1924), Tom Faxton
A Resolução de Problemas (1924), Tom Steele
O Buster Coração (1924), Tod Walton
O Último dos Duane (1924), Buck Duane
Oh, você Tony! (1924), Tom Mestres
Teeth (1924), Dave Deering
O treinador Deadwood (1924), Tom / The Orphan
A Criança da Prairie (1925), Deal Praça Tom (também dirigiu)
Dick Turpin (1925), Dick Turpin
Cavaleiros do Sábio Púrpura (1925), Jim Carson aka Jim Lassiter
A trilha do arco-íris (1925), John Shefford
The Lucky Horseshoe (1925), Tom Foster
O Sussurro da Eternidade (1925), Mark King
The Best Man Bad (1925), Hugh Nichols
O Señor Yankee (1926), Paul Wharton

My Pal próprio (1926), Tom O'Hara
Tony corre selvagem (1926), Tom Trent
Hard Boiled (1926), Tom Bouden
Ouro de Ninguém (1926), Tom Stone
A K & A Grande Assalto ao Trem Pagador (1926), Tom Gordon
O Canyon da Luz (1926), Tom Mills
O Trail Última (1927), Tom Dane
A Twister Broncho (1927), Tom Mason
Outlaws de Red River (1927), Tom Morley
O Ace Circus (1927), Tom Terry
Rio Tumbling (1927), Tom Gieer
Vale de prata (1927), Tom Tracey
O Wildcat do Arizona (1927), Tom Phelan
Recompensa do Demolidor (1928), Tom Hardy
A Horseman of the Plains (1928), Tom Swift
Olá Cheyenne (1928), Tom Remington
Painted Post (1928), Tom Blake
O Filho do Golden West (1928), Tom Hardy
Rei Cowboy (1928), Tex Rogers
Outlawed (1929), Tom Manning

The Drifter (1929), Tom McCall
O roubo do diamante Big (1929), Tom Markham
Rides Again de Destry (1932), Tom Destry
O Cavaleiro do Vale da Morte (1932), Tom Rigby
O Homem Texas Bad (1932), Tom Logan, posando como Dan Bishop
My Pal, o Rei (1932), Tom Reed
The Fourth Horseman (1932), Tom Martin
Ouro escondido (1932), Tom Marley
Armas de fogo (1932), Tom Malone
Trail Terror (1933), Tom Munroe
Roundup dos ladrões (1933), Tom Lawson
O Cavaleiro Milagre (1935 série Mascote), Tom Morgan, Texas Ranger
 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por duronaqueda às 13:35

NADIA LIPPI BIOGRAFIA

Sexta-feira, 27.07.12
Nádia Lippi (1972)
      Biografia

Nádia Lippi começou a carreira ainda criança, em 1968, na telenovela A Pequena Órfã, de Teixeira Filho, na TV Excelsior. Em poucos anos, tornou-se uma das estrelas das telenovelas da extinta TV Tupi.
Ainda antes da cassação das concessões da Rede Tupi, Nádia Lippi foi contratada pela Rede Globo, estreando em Pecado rasgado, em (1978). Em 1980 estrelou, ao lado de Glória Pires e Maitê Proença, a telenovela As Três Marias.
"A Revolta dos Anjos" (1972)
Ainda nos anos 1970, Nádia Lippi atuou com frequência no cinema, principalmente em pornochanchadas, onde estreou, em 1973, no filme A Virgem. Nesse setor, seu filme mais famoso é A Árvore dos Sexos, de 1977, dirigida por Sílvio de Abreu, e onde ela teve o papel principal. Nesse filme ela trabalhou com o ator Ney Santanna, filho do diretor de cinema Nelson Pereira dos Santos, com quem viria a se casar.
Posteriormente, Nádia participou de dois filmes dirigidos por seu sogro, Nelson Pereira dos Santos: Na Estrada da Vida, de 1980, contracenando com a dupla sertaneja Milionário & José Rico, e Insônia, também no mesmo ano.
Nos anos 1980, Nádia participou de dois filmes de Os Trapalhões.
Nádia Lippi (1972)
Posou para a revista Playboy na edição de aniversário agosto de 1981, tendo a revista feito grande sucesso, embora seus fãs já conhecessem a sua nudez através de seus filmes.
Ficou alguns anos afastada da vida artística, pois quis se dedicar mais à sua família, tendo seu retorno se dado em 1996, na peça de teatro Nó de gravata, ao lado de Luana Piovani e Carmo Dalla Vecchia. Fez dois episódios do programa Você Decide e, em 1998, atuou em Brida, telenovela da extinta Rede Manchete.
Depois de mais alguns anos novamente afastada, voltou em 2005, com a telenovela Prova de Amor, da Rede Record, fazendo uma participação especial em alguns capítulos como Cacilda Lopo.
Ela é mãe da Thalita Lippi, que participou do BBB8.
Nádia Lippi (1972)

Nádia Lippi (1973)
Atualmente tem um salão de beleza (LaLippi) em Ipanema, zona sul do Rio de Janeiro.
Atuação artística
Nádia Lippi
                 Na televisão
2005 - Prova de Amor.... Cacilda Lopo
1998 - Brida.... Leonor Amorim
1981 - Brilhante.... Vânia
Nádia Lippi
Nádia Lippi (1975)
1980 - As Três Marias.... Maria Augusta (Guta)
1980 - Chega Mais.... Vilma
1979 - Pai Herói.... Aline
1978 - Pecado Rasgado.... Cris

Nádia Lippi (1978)Nádia Lippi e a filha Thalita: "ela não sabe jogar na vida", diz atriz
1976 - Tchan! A Grande Sacada.... Bia
1975 - Um Dia, o Amor.... Maria Isabel
1975 - O Sheik de Ipanema.... Marilyn
1974 - A Barba-Azul.... Babi
nadialippi | Nádia Lippi 94
1973 - Rosa dos Ventos.... Teca
1972 - A Revolta dos Anjos.... Silvana
1972 - Signo da Esperança.... Norma

1972 - O Príncipe e o Mendigo.... Jane Grey
1970 - Tilim.... Cristina
1970 - As Pupilas do Senhor Reitor.... Margarida (jovem)
1969 - A Menina do Veleiro Azul.... Lila
1968 - A Pequena Órfã.... Amiga de Toquinho

                        No cinema
1988 - O Casamento dos Trapalhões.... Joana
1983 - O Trapalhão na Arca de Noé.... Carla
1982 - Insônia

1981 - Na Estrada da Vida.... Madalena
1977 - A Árvore dos Sexos.... Angélica
1977 - O Mulherengo.... Anjo
"Tchan - A Grande Sacada"


1976 - Ninguém Segura Essas Mulheres.... Dalva
1976 - A Noite das Fêmeas.... Raquel
1976 - Já Não Se Faz Amor como Antigamente.... Betina
1975 - Efigênia Dá Tudo que Tem.... Dulce
1973 - A Virgem.... Lenita
"A Árvore dos Sexos"

  Televisão - Especiais
1997 - Epidemia (Episódio do Você Decide)
1996 - Justiça (Episódio do Você Decide)
1990 - Maria do Cais (Episódio do Fronteiras do Desconhecido)
1985 - Ano Novo, Vida Nova (Episódio do Caso Verdade) .... Paula Ortega
com Ney Sant'Anna (1978)
1982 - Casa, Comida e Carinho (Episódio do Caso Verdade).... Virgínia
1982 - A Canastra da Emília (Episódio do Sítio do Picapau Amarelo)
1980 - O Homem que Veio do Brás (Episódio do Plantão de Polícia)
com Ney Sant'Anna (1978)
1979 - Angélica (Episódio do Aplauso (Rede Globo)
1975 - Somos Todos do Jardim da Infância (Episódio do Teleteatro Antunes Filho) ....
 Hortência
"Pai Herói" (1979)
 Televisão - Humor
Anos 80
1976 - Sossega Leão
1974 - Os Trapalhões
 Apresentadora
"As Três Marias" (1980)

1981 - Globo de Ouro
1980 - Geração 80
Playboy (1981)
"Brilhante" (1982)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por duronaqueda às 13:30