Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Biografia Rosa Miyake(Cntora Apresentadora)

Domingo, 02.06.13
Rosa Miyake
Rosa Miyake, nome artístico de Rosa Miyake Okuhara (Lins, 15 de março de 1945) é uma apresentadora de televisão, cantora e atriz nipo-brasileira.Começou a carreira como cantora de música japonesa, obtendo muito sucesso em São Paulo, tanto por seu talento como por sua beleza exótica. Durante a década de 1960, no auge da Jovem Guarda, seu repertório procurou atingir o público jovem em geral, saindo do nicho do público nipo-brasileiro. Entretanto, o seu maior sucesso nacional foi o jingle Urashima Taro, utilizado na propaganda que a empresa de aviação Varig fez para divulgar os primeiros voos diretos entre o Rio de Janeiro e Tóquio. A sua voz ficou conhecida em todo o Brasil, apesar de apenas uma pequena parte do país a conhecer como cantora.Foi atriz protagonista da novela "Yoshico, um Poema de Amor" que estreou na TV Tupi em janeiro de 1967.2 Rosa Fez A Personagem Yoshico.
Imagens do Japão 40 Anos Depois 
Durante mais de 30 anos,  foi apresentadora do programa de variedades Com Auditório Imagens do Japão que, nas tardes de domingo, apresentava seriados e programas produzidos no Japão em idioma japonês, além de produção nacional em Português, em geral reportagens e entrevistas com personalidades da comunidade nipo-brasileira. O programa foi criado no Dia 30 de outubro de 1970 na rede Tupi3 passando depois para a Rede Bandeirantes de Televisão e para outras emissoras. Em uma época sem TV a cabo, o programa imediatamente conquistou uma audiência absolutamente fiel e com bom poder aquisitivo, composta de nipo-brasileiros que buscavam contato com a cultura popular do país onde nasceram ou de onde tinham vindo seus pais e avós. Apesar de ser dirigido para um segmento de mercado muito pequeno e distinto, o programa também era assistido e admirado fora da comunidade nipo-brasileira, tanto que muitas pessoas tiveram seu primeiro contato com a cultura japonesa através deste programa.
A infância da pequena estrela


Eu sou muito comunicativa, nem parece que fui tão tímida na infância e na adolescência! Acho que só consegui ser cantora e apresentadora porque nunca perdi oportunidades e sempre fui muito focada no que eu queria para minha vida. Aprendi com meus pais, que eram rígidos e davam muito valor à educação. Faziam questão que eu e meus irmãos aprendêssemos o português na escola normal, brasileira, mas não poderíamos de forma alguma deixar de lado o japonês e os costumes do Japão. Só me dei conta do valor que isso tinha quando fui pela primeira vez ao Japão gravar um disco e fui convidada para participar de um programa de televisão.
Fui entrevistada em japonês e respondia no mesmo idioma. Pedi desculpas, dizendo que eu era nissei, mas que tinha aprendido japonês em casa, por isso falava um pouco. Mas todos da produção do programa ficaram muito impressionados por eu poder conversar tão bem. Nessa hora, pensei “puxa, minha mãe e meu pai deram tão duro! Eram tão exigentes comigo, mas olha só, valeu a pena. Estou aqui no Japão e me comunico tranquilamente”.
Meus pais e meu irmão mais velho, Tameo, vieram para o Brasil em 1928. Foram os primeiros da família a virem para cá, não tinham nenhum parente aqui. Foram corajosos! Vieram em busca do sonho que se vendia sobre o Brasil no Japão, de que era uma terra maravilhosa, com muitas oportunidades, um lugar onde se podia enriquecer. Meus pais chegaram e foram direto para a cidade de Lins (SP) trabalhar na agricultura, plantando alface.
Eu e meus outros irmãos nascemos aqui no Brasil. Eu me lembro de pouca coisa de quando era pequena, mas me recordo que até certa idade minha mãe não sabia fazer comida brasileira. Então em casa era sempre comida japonesa. Aquela comida caseira gostosa, feita com carinho. Como minha mãe não encontrava todos os ingredientes japoneses necessários, ela adaptava com temperos daqui. Era tão bom!
Ainda criança, viemos para São Paulo, pois meus pais faziam questão que os filhos estudassem. E na roça isso seria mais difícil. Convivíamos com muitos brasileiros e outros tantos imigrantes, especialmente os italianos. Como conversávamos em japonês em casa, às vezes, eu até me confundia na escola e o misturava ao português. A professora ficava meio assim, mas não dizia nada.


Apesar da exigência da minha mãe sobre manter as tradições japonesas, ela sempre se esforçou para se integrar. Ela e meu pai achavam que já que moravam aqui tinham que aprender a falar muito bem o português. Minha mãe sempre procurou fazer amizade com brasileiros, pois para ela era a única forma de aprender a falar o idioma, já que não ia à escola.A integração entre os imigrantes naquela época era muito boa. Até os italianos aprendiam um pouco de japonês e cantavam as músicas infantis! Era muito divertido. Só a religião era algo à parte. Minha mãe nunca se tornou católica. Muitos imigrantes japoneses já vinham no navio sabendo rezar o Pai Nosso. Mas minha mãe, não. Sempre foi budista.
Depoimento à jornalista Renata Costa
 
 

AO LADO DE ROBERTO CARLOS ANOS 60



MAIS SOBRE ELA
Rosa Miyake - Jovem Guarda - Programa 18

ROSA MIYAKE CONVIDADADA DO PROGRAMA TV CURIOSO
TV Curioso: Rosa Miyake, apresentadora do Imagens do Japão

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por duronaqueda às 12:25