Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]



A HISTORIA DE CARMEM MIRANDA

Sexta-feira, 25.04.14
497px-Carmen1937
Maria do Carmo Miranda da Cunha GOIH (Marco de Canaveses, 9 de fevereiro de 1909 — Los Angeles, 5 de agosto de 1955), mais conhecida como Carmen Miranda, foi uma cantora e atriz luso-brasileira.1 nota 1 Sua carreira artística transcorreu no Brasil e Estados Unidos entre as décadas de 1930 e 1950. Trabalhou no rádio, no teatro de revista, no cinema e na televisão2 , chegando a receber o maior salário até então pago a uma mulher nos Estados Unidos. Muito "avançada" para o seu tempo, Carmen Miranda - cuja imagem ficou para sempre associada aos penduricalhos ao pescoço e às frutas tropicais que lhe ornamentavam a cabeça - é considerada a pioneira do tropicalismo, movimento cultural brasileiro dos anos de 1960.3 Tal afirmação ainda é desconsiderada por certos pesquisadores.
520px-The_Gang's_All_Here_(1943)_1
Biografia

Infância
Carmen Miranda foi batizada com o nome de Maria do Carmo Miranda da Cunha na igreja da freguesia de Várzea da Ovelha e Aliviada, concelho de Marco de Canaveses.4 Era a segunda filha do barbeiro José Maria Pinto da Cunha (Marco de Canaveses, Várzea da Ovelha e Aliviada, 17 de Fevereiro de 1887 - 21 de Junho de 1938) e de sua mulher, Maria Emília Miranda (Marco de Canaveses, Várzea da Ovelha e Aliviada, 10 de Março de 1886 - Rio de Janeiro, 9 de Novembro de 1971). Ganhou o apelido de Carmen no Brasil, graças ao gosto que seu tio Amaro tinha por óperas.
A emigração da família para o Brasil já estava marcada. Entretanto, ao ver-se grávida, a mãe de Carmen preferiu aguardar. Pouco depois de seu nascimento, seu pai, José Maria, emigrou para o Brasil,5 onde se instalou no Rio de Janeiro. Em 1910, sua mãe, Maria Emília seguiu o marido, acompanhada da filha mais velha, Olinda, e de Carmen, que tinha menos de um ano de idade.6 5 Carmen nunca voltou ao país onde nascera. A câmara municipal de Marco de Canaveses deu seu nome ao museu municipal.
600full-carmen-miranda (1)

No Rio de Janeiro, seu pai abriu um salão de barbeiro na rua da Misericórdia, número 70, em sociedade com um conterrâneo. A família estabeleceu-se no sobrado acima do salão. Mais tarde mudaram-se para a rua Joaquim Silva, número 53, na Lapa.
No Brasil, nasceram os outros quatro filhos do casal: Amaro (1911), Cecília (1913-2011), Aurora (1915 - 2005) e Oscar (1916).
Carmen estudou na escola de freiras Santa Teresa, na rua da Lapa, número 24. Teve o seu primeiro emprego aos 14 anos numa loja de gravatas, e depois numa chapelaria. Contam que foi despedida por passar o tempo cantando, mas o seu biógrafo Ruy Castro diz que ela cantava por influência de sua irmã mais velha, Olinda, e que assim atraía clientes  .
600full-carmen-miranda (2)
Nesta época, a sua família deixou a Lapa e passou a residir num sobrado na Travessa do Comércio, número 13. Em 1925, Olinda, acometida de tuberculose, voltou a Portugal para tratamento, onde permaneceu até sua morte em 1931. Para complementar a renda familiar, sua mãe passou a administrar uma pensão doméstica que servia refeições para empregados de comércio.
Em 1926, Carmen, que tentava ser artista, apareceu incógnita em uma fotografia na sessão de cinema do jornalista Pedro Lima da revista Selecta. Em 1929, foi apresentada ao compositor Josué de Barros, que encantado com seu talento passou a promovê-la em editoras e teatros. No mesmo ano, gravou na editora alemã Brunswick, os primeiros discos com o samba Não Vá Sim'bora e o choro Se O Samba é Moda. Pela gravadora Victor, gravou Triste Jandaya (grafia original) e Dona Balbina ou "Buenas Tardes muchachos".
600full-carmen-miranda (3)
O início da carreira artística e consagração

Em 1928, o deputado baiano Aníbal Duarte, que almoçava na pensão dirigida por Maria Emília Miranda, apresentou Carmen a Josué de Barros. Josué trabalhava na Rádio Sociedade Professor Roquete Pinto e levou Carmen para atuar na emissora. Ele queria ouvir sua voz em disco, então a apresentou ao diretor da Brunswick e em 1929, ela gravou sua primeira música - o samba "Não vá simbora", com autoria de Josué. Carmen foi então apresentada ao diretor da gravadora RCA Victor, onde ela iniciou sua carreira gravando "Dona Balbina" e "Triste Jandaia". Meses depois foram lançadas as musicas "Barucuntum" e "Iaiá Ioiô".
O famoso compositor e médico Joubert de Carvalho escutou em disco Carmen cantar a música Triste Jandaia enquanto passava pela Rua Gonçalves Dias, ponto de encontro de músicos e compositores, e insistiu que alguém o apresentasse à cantora. Feitas as apresentações, Joubert revelou que queria escrever algo especial para ela. Ele compôs a música Taí com a marcha-canção Pra Você Gostar de Mim. A música foi um sucesso e o disco vendeu 35 mil cópias no ano de lançamento, recorde para a época, Carmen era então aclamada pela crítica como a maior cantora do Brasil.
600full-carmen-miranda (4)
Em 1933 ajudou a lançar a irmã Aurora na carreira artística. No mesmo ano, assinou um contrato de dois anos com a rádio Mayrink Veiga para ganhar dois contos de réis por mês. Foi a primeira cantora de rádio a merecer contrato, quando a praxe era o cachê por participação. Logo recebeu o apelido de "Cantora do It".nota 
Apesar de Carmen não ser especificamente uma sambista – apesar de lhe terem atribuído esse título – chegou a gravar mais de vinte canções entre Tangos (um de seus gêneros favoritos), Foxtrote, Marchas de carnaval e Lundu; dos mais populares autores brasileiros, como Ary Barroso, Pixinguinha, Noel Rosa, Cartola e Assis Valente. A carreira seguiria de vento em popa, Carmen excursionou por todos os estados do Brasil e logo começou a fazer sucesso nos países da América Latina.10 Em 30 de outubro de 1933, realizou sua primeira turnê internacional, apresentando-se em Buenos Aires  .
600full-carmen-miranda (5)
Voltou à Argentina no ano seguinte para uma temporada de um mês na Rádio Belgrano. Também passou a estrelar vários filmes na época, ao todo ela fez sete filmes no Brasil – a maioria, perdidos. Ela passou a ser chamada de "A Pequena Notável" - por causa da estatura baixa.
Em dezembro de 1936, Carmen deixou a Mayrink Veiga e assinou com a Tupi, ganhando semanalmente 1 conto de réis.
Carmen une-se posteriormente ao Bando da Lua, e com eles começa a fazer turnês pelo Brasil, apresentando-se. As pessoas ficam surpresas ao verificar que a dona da bela voz é também tão bela quanto ela e acompanhada pelo conjunto Diabos do Céu, de Pixinguinha grava canções como "Anoiteceu" e "Tempo perdido".
Dois anos depois de ingressar na Odeon, ela já era o mais popular e bem pago nome da música brasileira. Foi então que assumiu a condição de estrela principal do Cassino da Urca.
600full-carmen-miranda (7)

Carreira cinematográfica no Brasil

No início, sua carreira foi marcada por uma tímida atuação solo e algumas interpretações em duo, com astros do porte de Chico Alves, Mário Reis e Sylvio Caldas. Mais tarde veio o cinema, que em 1933 leva a sua imagem e seu jeitinho esperto de olhar para todo o país com "Luz do Carnaval", o primeiro de uma série de 19 filmes que marcaram sua trajetória.
Em 1926 apareceu como figurante no filme A Esposa do Solteiro, e quatro anos depois assinou contrato para Degraos da Vida, que não chegou a ser rodado.
Em 1932 faz parte do elenco de artistas de um semidocumentário: "Carnaval Cantado de 1932 no Rio"
Em 1933, canta as marchas "Good-Bye Boy" e "Moleque Indigesto", documentário nos moldes de Carnaval Cantado.
Em 1934 canta duas músicas no filme "Alô, Alô, Brasil", tendo a ela sido concedida a última apresentação do filme, geralmente dada ao artista principal.
Carmen_Miranda_-_Grauman's_Chinese_Theatre,_1941
Em 1935, recebe o apelido de "A Pequena Notável", dado pelo célebre cantor-apresentador César Ladeira, com quem trabalhou na Rádio Mayrink Veiga.
Com o sucesso do filme, é convidada para participar, em 1935 do filme "Estudantes", pela primeira vez como protagonista. O êxito do filme levou a Cinédia a chamá-la para um novo filme: "Bonequinha de Seda". Esta, por algum motivo não elucidado - provavelmente viagem à Argentina - não aceitou o papel, que foi dado a Gilda de Abreu.
Em 20 de janeiro de 1936, estreou o filme Alô, Alô Carnaval com a famosa cena em que ela e Aurora Miranda cantam "Cantoras do Rádio".
600full-carmen-miranda (8)
 Neste mesmo celulóide, canta uma música sozinha no palco. No mesmo ano, as duas irmãs passaram a integrar o elenco do Cassino da Urca de propriedade de Joaquim Rolla. A partir de então as duas irmãs se dividiram entre o palco do cassino e excursões frequentes pelo Brasil e Argentina.
Quase todos os musicais tiveram como tema o Brasil e o carnaval, mas foi o último filme, Banana da Terra, de 1939, que instaurou o estilo que consagrou Carmen Miranda no mundo todo. Ela apareceu interpretando O que é que a Baiana Tem? de Dorival Caymmi, usando as famosas roupas de baiana, turbantes, as altíssimas sandálias de plataforma e os inúmeros colares e pulseiras.
Depois de uma apresentação para o astro de Hollywood Tyrone Power em 1938, aventou-se a possibilidade de uma carreira nos Estados Unidos. Carmen recebia o fabuloso salário de 30 contos de réis mensais no Cassino da Urca e não se interessou pela ideia.
ALICE_FAYE,_DON_AMECHE,_CARMEN_MIRANDA,_IN_THAT_NIGHT_IN_RIO,_1941
Em 1939, o empresário estadunidense Lee Shubert e a atriz Sonja Henie assistiram ao espetáculo de Carmen no Cassino da Urca. Depois de um espetáculo no transatlântico Normandie, Carmen assinou contrato com o empresário. A execução do contrato não foi imediata, pois a cantora fazia questão de levar o grupo musical Bando da Lua para a acompanhar, mas o empresário estava apenas interessado em Carmen  . O impasse foi resolvido graças à intervenção de Alzira Vargas, que garantiu o embarque dos integrantes do Bando da Lua.  Carmen partiu no navio SS Uruguay em 4 de maio de 1939, às vésperas da Segunda Guerra Mundial.
600full-carmen-miranda (9)
A carreira nos Estados Unidos

Protagonista de uma carreira meteórica, Carmen conseguiu uma projeção internacional como nenhuma outra artista do país, primeiro na Argentina e outros países da América Latina e depois nos Estados Unidos, Europa e em todo o mundo.
Nos Estados Unidos, a carreira de Carmen Miranda e sua imagem ganharam novas conotações. Carmen foi inicialmente contratada para trabalhar na Broadway fazendo performances musicais em grandes teatros e casas de entretenimento, já em 1940 começa a atuar também na indústria cinematográfica. Sempre acompanhada nos palcos e nos filmes do Bando da Lua. Com os filmes hollywoodianos Carmen sedimentou sua popularidade no país e se tornou uma estrela internacional.
Em 29 de maio de 1939, estreou no espetáculo musical Streets of Paris, em Boston e em seguida na Broadway,  com êxito estrondoso de público e crítica. As suas participações teatrais tornaram-se cada vez mais famosas.
600full-carmen-miranda
Em 5 de março de 1940, fez uma apresentação perante o presidente Franklin D. Roosevelt durante um banquete na Casa Branca.20 Neste mesmo ano ela fez sua primeira aparição no cinema norte-americano; foi em Serenata Tropical (Down Argentine Way), da 20th Century-Fox, em que Carmen apenas canta. O filme estreou em outubro e bateu recordes de bilheteria.
Em pouco tempo fez participações em programas de grande audiência, cantando músicas como Mamãe Eu Quero, Tico-tico no Fubá, O que é que a Baiana Tem? e South American Way, tornando-se um fenômeno também nos EUA. Em 1945 tinha o maior salário de Hollywood, acima de nomes como Cary Grant e Humphrey Bogart.  O figurino extravagante e peculiar, inspirado nas roupas das tradicionais baianas, ganhou o apelido de Miranda Look em Hollywood, na década de 40,23 seus turbantes e balangandãs foram copiados e expostos em vitrines de lojas, como cantora vendeu mais de 10 milhões de discos no mundo todo, ficou conhecida como a "The Brazilian Bombshell" (A Explosão Brasileira)nota 3 alusão ao frenesi que causava em suas apresentações.
600full-carmen-miranda (10)
A exótica baiana agradou aos norte-americanos, mas despertou polêmica entre os brasileiros, com suas vestes estilizada e o arranjo de frutas tropicais que carregava sobre a cabeça – marcas definitivas de sua imagem – Carmen Miranda, acabou por expor ao mundo uma visão caricata e estereotipada do Brasil. No auge da “política da boa vizinhança” entre os Estados Unidos e a América do Sul, sua imagem latina era explorada pelos estúdios à exaustão. Tal exposição internacional fez despertar na intelectualidade brasileira um certo sentimento de desprezo por sua figura.
Em uma apresentação no Cassino da Urca com a presença de políticos importantes do Estado Novo, foi apupada pelos que a consideravam "americanizada". Entre os seus críticos havia muitos que eram simpatizantes de correntes políticas contrárias aos Estados Unidos  .
Dois meses depois, Carmen voltaria ao mesmo palco e seria fartamente aplaudida por uma platéia mais afeita ao seu repertório, então já atualizado com respostas como "Disseram que Voltei Americanizada", especialmente composta por Vicente Paiva e Luiz Peixoto, no mesmo mês gravou seus últimos discos no Brasil.
Eles não podiam perceber que ela, a seu modo, resistia à americanização já anunciada em 1940, talvez o antiamericanismo de Carmen não estivesse em nenhuma grande manifestação pública de nacionalismo. Talvez a resistência sutil fosse a forma encontrada para suportar a máquina americana do show business.
600full-carmen-miranda (24)
Fabricada pelos filmes da 20th Century Fox sua imagem acabou criando um inconveniente para si própria: ela percebeu que estaria aprisionada a imagem da “Garota Latina” para sempre. Como contratada da Fox, Carmen era uma mina de ouro para a companhia, ela era obrigada a forçar um sotaque latino caricato, mesmo falando inglês perfeitamente. Nos filmes, grandes musicais luxuosos em Tecnicolor – tão estonteantes quanto o seu figurino – Carmen tanto podia interpretar uma brasileira, quanto uma mexicana, cubana, porto-riquenha ou até uma cigana. Mas ela era sempre a garota latina. Entre os atores com quem contracenou, estão nomes importantes da antiga Hollywood, como Alice Faye, Betty Grable, Jane Powell, Vivian Blaine, Don Ameche, Dean Martin, John Payne e Cesar Romero. Seus filmes mais importantes foram Uma Noite no Rio (1941), Aconteceu em Havana (1941), Minha Secretária Brasileira (1942), Entre a Loura e a Morena (1943), Alegria Rapazes (1944) e em 1947, com Groucho Marx, Copacabana.
600full-carmen-miranda (11)

De 1940 à 1953 atuou em 14 filmes em Hollywood e nos mais importantes programas de rádio, televisão, casas noturnas, cassinos e teatros norte-americanos. A Política de Boa Vizinhança, implementada pelos Estados Unidos para buscar aliados na Segunda Guerra Mundial, incentivou a imigração de artistas latino-americanos. Apesar de Carmen ter obtido o sucesso nos EUA muito antes da implantação desta política (o personagem Zé Carioca de Walt Disney esta muito mais associado a isto), ela acabou se tornando o modelo mais bem sucedido do projeto.  .

No fim dos anos 40 ela excursionou por toda a Europa, fez longa temporada no Teatro London Palladium em Londres, batendo recordes de público, e até chegou a receber simbolicamente as chaves da cidade de Estocolmo, capital da Suécia.
600full-carmen-miranda (23)
Ela se consagrou em 1941, ao ser a primeira e única luso-brasileira até hoje, a gravar as mãos e plataformas no cimento da calçada da fama do Teatro Chinês em Los Angeles. Em 8 de fevereiro de 1960 ganhou uma estrela póstuma na Calçada da Fama da Hollywood Boulevard.  Carmen era a principal atração do Copacabana Night Club, famosa boate nova-iorquina, fundada em 1940 e que existe até hoje em Manhattan. O cartaz do "The Copa" é desde aquela época uma gravura estilizada de Carmen, em homenagem a cantora.
Carmen Miranda tornou-se um "hit" nos EUA. Ela apareceu em desenhos animados Tom & Jerry, Popeye e Looney Tunes  . Foi imitada e caricaturada por Lucille Ball, Bob Hope, Jerry Lewis, Mickey Rooney e Dean Martin. A imagem de Carmen era muito forte, cômica, engraçada, caricata. Acabou-se criando um verdadeiro estereótipo, o que nem sempre é positivo. Mesmo assim, ela foi sem dúvidas foi a artista latina mais bem sucedida nos EUA em Hollywood, e lá sua imagem ainda hoje é mais forte do que no Brasil.
600full-carmen-miranda (21)
Vida amorosa e casamento

Em 1946, Carmen era a artista mais bem paga de Hollywood e a mulher que mais pagava imposto de renda nos EUA. Em 17 de março de 1947 casou-se com o americano David Alfred Sebastian, nascido em Detroit a 23 de novembro de 1908. Antes, Carmen namorou vários astros de Hollywood e também o músico brasileiro Aloysio de Oliveira, integrante do Bando da Lua.
Antes de partir para os Estados Unidos e antes de conhecer o marido, Carmen namorou o jovem Mário Cunha e o bon vivant Carlos da Rocha Faria, filho de uma tradicional família do Rio de Janeiro. Já nos EUA, Carmen manteve caso com os atores John Wayne e Dana Andrews.
600full-carmen-miranda (22)
Em 1945, Carmen teve um breve relacionamento com o piloto da FAB Carlos Niemeyer, os dois se conheceram por acaso em Los Angeles, Niemeyer tinha ido aos Estados Unidos com um grupo de oito soldados levar aviões da FAB para concertos, o romance durou cerca de um mês, até Carlos voltar ao Brasil.
O casamento é apontado por todos os biógrafos e estudiosos de Carmen Miranda como o começo de sua decadência moral e física. Seu marido, David, antes um simples empregado de produtora de cinema, tornou-se "empresário" de Carmen Miranda e conduzia mal seus negócios e contratos. Também era alcoólatra e pode ter estimulado Carmen Miranda a consumir bebidas alcoólicas, das quais ela logo se tornaria dependente. O casamento entrou em crise já nos primeiros meses, por conta de ciúmes excessivos, brigas violentas e traições de David, mas Carmen Miranda não aceitava o desquite pois era uma católica convicta. Engravidou em 1948, mas sofreu um aborto espontâneo depois de uma apresentação e não conseguiu mais engravidar, o que agravou suas crises depressivas e o abuso com bebidas e remédios sedativos.
600full-carmen-miranda (12)
Dependência de barbitúricos

Desde o início de sua carreira americana, Carmen fez uso de barbitúricos para poder dar conta de uma agenda extenuante. Adquiria as drogas com receitas médicas pois, na época, elas eram receitadas pelos médicos sem muitas preocupações com efeitos colaterais. Nos Estados Unidos, tornou-se dependente de vários outros remédios, tanto estimulantes quanto calmantes. Por conta do uso cada vez mais frequente, Carmen desenvolveu uma série de sintomas característicos do uso de drogas, mas não percebia os efeitos devastadores, que foram erroneamente diagnosticados como estafa (cansaço) por médicos americanos.Em 3 de dezembro de 1954, Carmen retornou ao Brasil após uma ausência de 14 anos viajando e fazendo shows pelo mundo, além de estar morando nos EUA. Ela continuava casada e sofrendo com o marido, cada vez mais alcoólatra e violento. Seu médico brasileiro constatou a dependência química e tentou desintoxicá-la. Ficou quatro meses internada em tratamento numa suíte do hotel Copacabana Palace. Carmen melhorou, embora não tenha abandonado completamente remédios. Os exames realizados no Brasil não constataram alterações de frequência cardíaca.
600full-carmen-miranda (13)
A morte nos Estados Unidos

Ligeiramente recuperada, retornou para os Estados Unidos em 4 de abril de 1955. Imediatamente começou com as apresentações. Fez uma turnê por Cuba e Las Vegas entre os meses de maio e agosto e voltou a usar barbitúricos, além de fumar e beber mais do que antes.
No início de agosto de 1955, Carmen gravou uma participação especial no programa televisivo do comediante Jimmy Durante. Durante um número de dança, sofreu um ligeiro desmaio, desequilibrou-se e foi amparada por Durante. Recuperou-se e terminou o número. Na mesma noite, recebeu amigos em sua residência em Beverly Hills, à Bedford Drive, 616. Por volta das duas da manhã, após beber e cantar algumas canções para os amigos presentes, Carmen subiu para seu quarto para dormir. Acendeu um cigarro, vestiu um robe, retirou a maquiagem e caminhou em direção à cama com um pequeno espelho à mão. Um colapso cardíaco fulminante a derrubou morta sobre o chão no dia 5 de agosto. Seu corpo foi encontrado pela mãe no dia seguinte, às 10h30 da manhã. Tinha 46 anos.
600full-carmen-miranda (15)
Funeral
Aurora Miranda, sua irmã, recebeu na mesma madrugada um telefonema do marido de Carmen Miranda avisando sobre o falecimento. Aurora Miranda se desesperou por completo e passou então a notícia para as emissoras de rádio e jornais. Heron Domingues, da Rádio Nacional do Rio de Janeiro, foi o primeiro a noticiar a morte de Carmen Miranda em edição extraordinária do Repórter Esso.
Em 12 de agosto de 1955, seu corpo embalsamado desembarcou de um avião no Rio de Janeiro. Uma imensa multidão se concentrou nas ruas por onde passou o cortejo, o corpo foi conduzido por uma carreta do Corpo de Bombeiros, envolto numa bandeira brasileira. Antes da saída do cortejo, o presidente da Câmara Municipal do Rio de Janeiro, vereador Salomão Filho, falou dando o ultimo adeus, em nome da cidade, à artista.  Sessenta mil pessoas compareceram ao seu velório realizado no saguão da Câmara Municipal da então capital federal. O cortejo fúnebre até o Cemitério São João Batista foi acompanhado por cerca de meio milhão de pessoas que cantavam esporadicamente, em surdina, "Taí", um de seus maiores sucessos.
No ano seguinte, o prefeito do Rio de Janeiro Francisco Negrão de Lima assinou um decreto criando o Museu Carmen Miranda, o qual somente foi inaugurado em 1976 no Aterro do Flamengo.
Hoje, uma herma em sua homenagem se localiza no Largo da Carioca, Rio de Janeiro.
600full-carmen-miranda (14)

Homenagens

As imagens de Carmen Miranda voltam à cena durante o movimento tropicalista. Ícone da cultura popular e do exagero estético, sua figura era evocada menos por sua importância musical na cena brasileira e mais pela sua vinculação a uma imagem estereotipada e “tropical” do Brasil. A cantora viria a ser assumida como um dos ícones tropicalistas, estando presente tanto nas letras de canções (como “Tropicália”, de Caetano Veloso), quanto nas imitações dos trejeitos da artista – o torcer das mãos e o revirar dos olhos – com que Caetano Veloso por mais de uma vez brindou/provocou a platéia.
Em 1972, recebeu uma homenagem da Escola de Samba Império Serrano, com o tema "Alô, alô, Taí Carmen Miranda". Em 2008, homenageando Carmen Miranda, o Império Serrano se tornou campeão do Grupo de Acesso A e voltou em 2009 a desfilar no Grupo Especial.
Em 18 de Julho de 1995 foi agraciada a título póstumo com o grau de Grande-Oficial da Ordem do Infante D. Henrique.
Foi nomeada pelo American Film Institute, uma das 500 "grandes lendas do cinema".
600full-carmen-miranda (20)
Em 1995, ela foi tema do aclamado documentário Carmen Miranda:Bananas is my Business, dirigido por Helena Solberg.
Em 25 de setembro de 1998, uma praça no distrito de Hollywood ganhou o nome de Carmen Miranda Square, em uma cerimônia liderada pelo antigo prefeito honorário de Hollywood, Johnny Grant, que também era um dos amigos pessoais da artista. A Praça Carmen Miranda é um dos doze cruzamentos em Los Angeles que foram nomeados em homenagem a artistas históricos, a praça está localizada no cruzamento da Hollywood Boulevard e Orange Drive em frente ao Teatro Chinês. A localização é especialmente notável.
Em 2005, o escritor Ruy Castro lançou pela editora Companhia das Letras uma biografia de 600 páginas sobre a cantora, intitulado de Carmen, Uma Biografia. Castro passou cinco anos pesquisando sobre a vida e carreira de Carmen Miranda, utilizando inclusive dezenas de entrevistas com pesquisas em jornais e arquivos pessoais. O livro é considerado a mais completa obra sobre a artista lançado até hoje.
600full-carmen-miranda (16)
Uma escultura em tamanho natural seguindo as características da cantora foi criada pelo artista plástico Ulysses Rabelo, que estudou a máscara mortuária e a arcada dentária de Carmen para garantir a fidelidade da peça. A escultura faz parte do acervo do Museu Carmen Miranda.
Carmen Miranda foi uma das homenageadas em uma série de selos vendidos nos Estados Unidos no ano de 2011, além da cantora, outros quatro "gigantes da música latina" aparecem nas imagens: Tito Puente, Celia Cruz, Selena e Carlos Gardel.
Em 2009, no ano de seu centenário de nascimento, a artista foi homenageada pela Academia Brasileira de Letras, e declarada a mesma "Patrimônio da Cultura Brasileira".
600full-carmen-miranda (18)
Foi a grande homenageada na edição de 2009 da São Paulo Fashion Week, o maior evento de moda do Brasil, e o mais importante da America Latina, Carmen foi escolhida pela organização do evento por representar a alegria e o brasileirismo colocados como temática dos desfiles daquela edição.
Uma estatua sua será feita pela escultora paulistana Christina Motta, a obra ficará na praça ao lado do Museu da República, no bairro do Catete, no Rio.
Em 2009, a gravação de "O que é que a baiana tem?", de Dorival Caymmi, na voz de Carmen Miranda, em 1939, foi selecionada para preservação num arquivo sonoro especial da Biblioteca do Congresso dos EUA.
Foi eleita a 15º maior voz e à 35º maior artista da música brasileira pela revista Rolling Stone. 
600full-carmen-miranda (19)
Filmografia

A carreira cinematográfica de Carmen Miranda, que se iniciara no Brasil com cinco filmes, teve prosseguimento na Meca do cinema, primeiro na 20th Century Fox, depois na United Artists, na MGM e, por fim na Paramount.
Todos os títulos em Português dos filmes estrangeiros referem-se a exibições no Brasil.54
1926 A Esposa do Solteiro (Como Extra)
1930 Degraos da Vida (Rodada apenas uma cena)
1932 O Carnaval Cantado de 1932
1933 A Voz do Carnaval
1935 Alô, Alô, Brasil
1935 Estudantes
1936 Alô, Alô, Carnaval
1939 Banana-da-Terra
1940 Laranja-da-China
1940 Serenata Tropical
1941 Uma Noite no Rio (That Night in Rio)
1941 Aconteceu em Havana (Week-end in Havana)
1942 Minha Secretária Brasileira (Springtime in the Rockies)
1943 Entre a Loura e a Morena (The Gang's All Here ou The Girls He Lef Behind)
1944 Quatro Moças num Jipe (Four Jills in a Jeep)
1944 Serenata Boêmia (Greenwich Village)
1944 Alegria, Rapazes (Something for the Boys)
1945 Sonhos de Estrela (Doll Face)
1946 Se Eu Fosse Feliz (If I'm Lucky)
1947 Copacabana (Copacabana)
1948 O Príncipe Encantado (A Date with Judy)
1950 Romance Carioca (Nancy Goes to Rio)
1953 Morrendo de Medo (Scared Stiff)
1995 Carmen Miranda: Banana is My Business (Documentário)
600full-carmen-miranda (17)
968full-carmen-miranda

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por duronaqueda às 14:09


Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.