Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



A HISTORIA DO YES PARTE FINAL(BANDA DE ROCK)

Terça-feira, 26.11.13

ambiciosas realizadas entre 1991 e 1992.
                                       A década de 1990 
Quando a turnê acabou em 1992, Bill Bruford e Steve Howe gravaram um disco com reinterpretações intrumentais de músicas do Yes através de uma orquesta, com vocais de Jon Anderson em duas músicas. Chamado Thy Symphony Music of Yes, o disco oferecia novas versões de clássicos do Yes e foi produzido pela lenda do rock progressivo Alan Parsons. Depois do lançamento do álbum, Bruford preferiu se afastar de possíveis novos projetos do Yes. Jon Anderson começou a escrever com Howe e Rabin, separadamente, mas eventualmente Howe não foi convidado a participar do próximo disco pela gravadora Victory records, que propôs à Rabin que a formação de 90125 voltasse.

 Rabin propôs que Wakeman estivesse incluído. Em 1993, Wakeman teve que recusar o convite, tendo mais tarde expressado seu arrependimento de não ter tocado junto com Rabin (Rabin declarou o mesmo) - exceto sob o projeto Union, apesar de que Rabin fez uma participação especial em um álbum solo de Wakeman, Return to the Centre of the Earth (1999). O Yes voltou com sua formação famosa da década de 1980, contando com Anderson, Squire, Rabin, Kaye e White. Em 1994, o Yes lançou Talk, um dos discos menos vendidos da banda. Com fraca divulgação por parte da gravadora e das rádios americanas, "The Calling" passou quase despercebida, mesmo sendo um dos singles do Yes com mais potencial de sucesso desde "Owner of a Lonely Heart". David Letterman ouviu a canção em seu carro e imediatamente pôs-se a procurar essa "nova banda", com a intenção de chamá-los para seu programa, o que de fato aconteceu, no dia 20 de Junho de 1994, aonde tocaram "Walls". A colaboração de Jon Anderson e Trevor Rabin resultou numa fusão memorável do "novo" e do "velho" Yes.

 Alguns frutos do trabalho da banda com Roger Hodgson também apareceram no álbum. Na turnê de 1994, o guitarrista e vocalista Billy Sherwood, que teve parte na composição de "The More We Live", do Union, junto com Squire, se uniu à banda. Perto do fim de 1995, Tony Kaye e Trevor Rabin saíram da banda, com Rabin partindo para uma muito bem-sucedida carreira compondo trilhas sonoras e Kaye se aposentando da carreira musical (apesar de ter tocado órgão Hammond em várias faixas do projeto de Billy Sherwood Return To The Dark Side of the Moon, em 2006).
Provando ser verdadeiro o provérbio "nunca diga nunca", a banda surpreendeu e emocionou fãs ao reformar a formação clássica dos anos 1970, composta de Anderson, Squire, White, Howe e Wakeman para três shows na cidade de San Luis Obispo, na Califórnia, em 1996. As gravações renderam os discos ao vivo Keys to Ascension e Keys to Ascension 2. A parte 2, em particular, contava com 48 minutos de novas músicas.

 A banda ficou desapontada pelo novo material não ter sido lançado como um disco de estúdio separado, que teria o título Know. As novas faixas foram lançadas posteriormente como Keystudio. Wakeman saiu do grupo antes do lançamento de Keys to Ascension 2 depois que uma turnê do Yes foi planejada sem sua decisão ser consultada, e também pela sua frustração sobre a decisão de enterrar as faixas de Keystudio no meio de álbuns ao vivo redundantes.Billy Sherwood imediatamente se uniu ao Yes, na guitarra e nos teclados. Open Your Eyes, lançado em 1997, originalmente seria um projeto colaborativo do duo Conspiracy, composto por Sherwood e Squire - ambos são amigos próximos. No entanto, para suprir a necessidade de um novo disco de estúdio por essa formação, foi decidido que seria um álbum do Yes. A turnê subseqüente apresentava poucas faixas do novo disco, e se concentrava mais no material clássico do Yes, como "Siberian Khatru". O retorno de Steve Howe para o Yes ao vivo, juntamente com uma maior enfâse no Yes dos anos 1970, foi considerado um projeto empolgante por muitos fãs. A turnê também contou com os teclados do russo Igor Khoroshev, que tocou em algumas faixas de Open Your Eyes.


 Igor foi efetivado como membro fixo da banda para o próximo disco, The Ladder. Muitos fãs consideram The Ladder como o retorno definitivo ao som clássico do Yes, principalmente devido aos teclados de Khoroshev, cujas performances ao vivo conseguiam reproduzir as partes de teclado de Wakeman com fidelidade maior, talvez, do que o próprio Wakeman. O trabalho de Sherwood ao vivo se limitava a fazer vocais e guitarras de apoio, com alguns momentos de destaque reproduzindo solos das músicas da era de Trevor Rabin. Howe se recusava a tocar os solos de Rabin, alegando que seu estilo não se encaixava naqueles tipos de solo (Howe nunca demonstrou simpatia por Rabin como membro do Yes, dizendo que Rabin simplicava suas partes de guitarra e que foi o responsável por ter "destruído" o som da banda, principalmente em Talk; Rabin, obviamente, discorda). A turnê de 1999 resultou em um DVD da performance nos House of Blues de Los Angeles. "Homeworld (The Ladder)", música de The Ladder, foi escrita para o jogo de computador de estratégia em tempo real Homeworld, da Relic Entertainment, e foi usado como tema nos créditos do jogo.

 Yes no século 21 
Sherwood voltou às suas atividades originais na banda na turnê Masterworks, em 2000, que apresentava um revival da canção "The Gates of Delirium" (do disco Relayer). Khoroshev foi demitido depois da turnê devido várias controvérsiais devido à sua conduta nos bastidores incluindo uma acusão de abuso sexual, pouco antes do lançamento de Magnification, em 2001, primeiro disco com orquestra desde Time and a Word. Esse é o único álbum do Yes a não conter um tecladista fixo. A banda não só foi auxiliada por uma orquestra de sessenta músicos, como também teve partes especificas e alguns arranjos escritos pelo compositor de trilhas-sonoras Larry Groupe para serem tocados pela orquestra, soando como se a orquestra fosse um membro permanente. Para a turnê foi contratado o tecladista Tom Brislin.Em 20 de Abril de 2002, Rick Wakeman voltou para a banda, participando de uma turnê mundial. A formação clássica teve uma revitalização na sua presença no consciente popular, especialmente durante a celebração de seu 35º aniversário. Graças a uma votação online de músicas populares para serem tocadas, a banda adicionou "South Side of the Sky" em seu set list, um fato surpreendente, já que ela raramente era tocada, mesmo nas turnês de Fragile.

Essa revitalização mostrou-se durante um show no Madison Square Garden, em Nova York. Perto do fim da música "And You And I", aonde Howe termina de tocar sua parte na lap steel guitar, antes das últimas notas acústicas, a banda foi entusiasticamente ovacionada por vários minutos. A interrupção foi tamanha que quando findaram, os roadies já haviam retirado a guitarra de Howe - Wakeman teve então que tocar a última parte com Anderson cantando.
Foram momentos de muita emoção que evocaram os áureos anos 1970 onde apresentações desta magnitude eram feitas diariamente. Mais um record proporcionado pelo MSG ao Yes que, durante a turnê do disco Drama, nos anos 1980, teve sua capacidade máxima (vinte mil pessoas) alcançada nas três noites em que ali se apresentou.
Nos últimos shows da turnê, a banda tocou algumas músicas de forma acústica na última metade do concerto, depois de fazer uma apresentação ao vivo via satélite como parte da estréia do documentário Yesspeak.

Em 2005, o DJ Max Graham remixou "Owner of a Lonely Heart", creditada como Max Graham Vs. Yes. A música alcançou o Top 10 britânico.
Desde 2005, o Yes esteve em um hiato indefinido; membros da banda envolveram-se em vários projetos solo. Alan White formou uma nova banda, White, com Geoff Downes; o disco de estréia, auto-intitulado, foi lançado no dia 18 de Abril de 2006. Chris Squire se uniu a uma versão reformulada do The Syn em 2004. Foram feitos planos para uma turnê reunindo White, The Syn e Steve Howe para tocar músicas do Drama, foi cancelada devido a problemas com passaporte para os músicos ingleses após os atentados de Julho de 2005 em Londres. Alan White saiu em turnê em 2006. No dia 16 de Maio do mesmo ano, Squire anunciou que saiu do The Syn. No mesmo dia, os membros originais do Asia, incluindo Howe e Downes, anunciaram que se reuniriam para uma turnê de 25º aniversário, com início em Setembro.
Em Outubro de 2005, Jon Anderson disse que seria pouco provável que o Yes saísse em turnê em 2006, mas um disco de estúdio no início de 2007 seria a hipótese mais considerada dentre os projetos da banda.

Anderson e Wakeman fizeram uma turnê juntos em Outubro de 2006, e o setlist da maioria dos shows incluía material do Yes, ao lado de músicas das carreiras solo de ambos, e pelo menos uma canção da época de Anderson Bruford Wakeman Howe.
Em Fevereiro de 2007, Jon Anderson concedeu uma entrevista para uma rádio na Filadélfia, dizendo que o Yes provavelmente vai se reunir em 2008 para uma turnê para comemorar o 40º aniversário da banda, e que Roger Dean estará criando as projeções artistícas para os shows.
Em Março de 2008 o grupo anunciou para julho o início da turnê mundial "Close to the edge and back", comemorativa dos quarenta anos (Jon Anderson declarou em recente entrevista que se trata de 41 anos) com concerto inicial no Canadá, passando a seguir pelos Estados Unidos. Fariam parte Anderson, Squire, Howe, White e, Oliver Wakeman, filho de Rick, nos teclados (em seu sítio, Rick Wakeman informou que por problemas de saúde não está em condições de fazer grandes turnês.) Oliver já tocou no passado com Howe, nos discos The 3 ages of magick (2001) e Spectrum (2005), fato este que facilitou sua indicação para os teclados da banda.

Apesar do anúncio, a turnê foi cancelada no início de Junho de 2008. O motivo seria a saúde frágil do vocalista Jon Anderson, internado em Maio com problemas respiratórios, o que, por conselhos médicos deverão manter Anderson em repouso pelos próximos seis meses sob o risco de agravamento de seu estado. "Gostaria que todos soubessem que estou muito decepcionado com essa reviravolta", disse o vocalista em uma mensagem aos fãs e à imprensa. "Eu estava ansioso para celebrar nossa música com a família incrível que são os fãs do Yes, mas como todos sabemos a saúde deve vir em primeiro lugar", conclui.Em 2008, Jon Anderson foi substituído pelo cantor canadense Benoît David, da banda de rock progressivo Mistery e de uma banda tributo ao Yes chamada Close to the Edge. Anderson afirma que se sentiu "desapontado" e "desrespeitado" pela decisão da banda em prosseguir com uma turnê sem ele e pela falta de contato com os outros membros desde a sua doença. Jon Anderson atrasou uma turnê prevista do Yes devido a problemas respiratórios. Em 2008, após quatro anos, o restante do Yes se cansou de esperar e trouxe David para o lugar de Anderson. A banda embarcou em sua excursão 2008-2010 In The Present, que contou com Oliver Wakeman nos teclados. A turnê foi interrompida em fevereiro de 2009 devido a uma cirurgia de emergência que Squire realizou na perna e demorou mais um mês para se recuperar.

A turnê foi documentado com o álbum ao vivo e um DVD In The Present - Live from Lyon, lançado em 2011.
Foi anunciado em Agosto de 2010 que novo material tinha sido escrito para o primeiro álbum de estúdio da banda desde 2001, Fly From Here. Howe desfez rumores de que Anderson foi convidado a voltar a cantar no disco, afirmando que todos os estúdio de gravação era para ser realizado pelo "line-up que realmente faz o trabalho ...". A banda assinou um contrato com a Frontiers Records e começou a gravar em Los Angeles com Trevor Horn atuando como produtor. Durante as sessões de gravação Oliver Wakeman foi substituído por Geoff Downes, de volta à banda depois de trinta anos. Após a conclusão da gravação em março de 2011 e pós-produção um mês depois, o álbum foi lançado mundialmente em meados de julho de 2011. Fly from Here atingiu o número 30 em paradas do Reino Unido e 36 na Billboard 200.

Em fevereiro de 2012, depois de contrair uma doença respiratória, David foi substituído pelo vocalista do Glass Hammer Jon Davison, que, como David, foi descoberto enquanto vocalista de uma banda cover do Yes. Squire afirmou que ele está aberto para o retorno de Anderson, no futuro, mas não vai ser considerado antes de pelo menos um ano de promoção de Fly from Here. Squire também mencionou a possibilidade de "Yes on Broadway" em 2013 para comemorar 45 º aniversário da banda. Ele alega que isso poderia envolver não só Jon Anderson, mas outros ex-membros, como Rick Wakeman e/ou Patrick Moraz.
Alguns comentários indicam que o Yes está planejando um novo álbum em 2013. Um artigo no 26 de julho de 2012 Filadélfia Metro (p. 8) diz que haverá um álbum novo do Yes em 2013, de acordo com Alan White. Uma entrevista em junho de 2012, Squire disse o seguinte: "o Yes tem um novo vocalista, Jon Davison, sendo um momento fantástico. Então, estamos avaliando a situação para fazer um novo álbum do Yes no próximo ano e eu tenho certeza que o novo material terá envolvimento de Jon Davison. Aos poucos, esta será uma nova parte da história do Yes".

Discografia 
DISCOS
Yes (1969)
Time and a Word (1970)
The Yes Album (1971)
Fragile (1972)
Close to the Edge (1972)
Yessongs (1973)
Tales from Topographic Oceans (1973)
Relayer (1974)
Yesterdays (1975)
Going for the One (1977)
Tormato (1978)
Drama (1980)
Yesshows (1980)
Classic Yes (1981)
90125 (1983)
9012Live (1985)
Big Generator (1987)
ABWH (1987)
Union (1991)
Yesyears (Box Set) (1991)
Yesstory (1992)
Highlights: The Very Best Of Yes (1993)
An Evening of Yes Music Plus (1994)
Talk (1994)
Keys to Ascension (1996)
Keys to Ascension II (1997)
Open Your Eyes (1997)
Something´s Coming/Beyond and Before (1998)
The Ladder (1999)
Best of Yes (2000)
Live from the House of Blues (2000)
Keystudio (2001)
Magnification (2001)
In a Word: Yes (2002)
The Ultimate Yes (2003)
The Word Is Live (Box Set) (2005)
Fly from Here (2011)
In the Present – Live from Lyon (2011)
Tributos e compilações
Age Of Atlantic
New Age of Atlantic
Yes, Friend and Relatives
Tales from Yesterday
Supernatural Fairy Tales
Livros
The Authorised Biography
Yes, But What Does It Mean?
Music of Yes
Yesstories
Close to the Edge
An Endless Dream...
CD-ROM
Yes Active
Homeworld
DVD-A
Magnification
Outros
12 Inches on Tape
YesSymphonic EP
Vídeos
Yessongs (VHS/DVD/LD)
Live at QPR (VHS/DVD/LD)
Live in Philadelphia (VHS/DVD/LD)
9012Live (VHS)
YesYears (VHS/LD)
Greatest Video Hits (VHS/LD)
Musikladen Live (VHS/DVD)
Union Tour Live (VHS/LD)
House of Yes (VHS/DVD)
Keys to Ascension (DVD/LD)
Symphonic Live (DVD)
Yes Acoustic (DVD)
Songs From Tsongas - The Yes 35º Anniversary (DVD)
Live At Montreux 2003 (DVD)*
In the Present – Live from Lyon - 2011 (CD/DVD)*
Compactos
"Sweetness"
"Something´s Coming"
"Looking Around"
"Everydays"
"Every Little Thing"
"Dear Father"


"Time and a Word"
"The Prophet"
"Sweet Dreams"
"I've Seen All Good People"
"Clap" (erroneamente intitulada "The Clap" na versão do álbum)
"Yours Is No Disgrace"
"Roundabout"
"Long Distande Runaround"
"No Opportunity Necessary, No Experience Needed"
"America"
"And You and I"
"Close to the Edge"
"Total Mass Retain"
"A Venture"
"Soon"
"Sound Chaser"
"Wonderous Stories"
"Parallels"
"Awaken"
"Going for the One"
"Turn of the Century"
"Don´t Kill the Whale"
"Abilene"
"Release, Release"
"Into the Lens"
"Does it Really Happen?"
"Run Through The Light"
"White Car"
"It Can Happen"
"Owner of a Lonely Heart"
"Our Song"
"Leave It"
"Rhythm of Love"
"City of Love"
"Hold On"
"Love Will Find a Way"
"Holy Lamb"
"Big Generator"
"Lift Me up"
"Give and Take"
"Take the Water to the Mountain"
"Saving My Heart"
"I Would Have Waited Forever"
"Make It Easy"
"Mood For a Day"
"State of Play"
"Walls"
"The Calling"
"I Am Waiting"
"That, That Is"
"Be The One"
"Open Your Eyes"
"No Way We Can Lose"
"New State of Mind"
"For Everyone"
"Lightning Strikes"
"Homeworld"
"If Only You Knew"
Referências na cultura pop

CURIOSIDADES
No episódio Past Tense da série animada Irmãos Aventura, durante um flashback mostrando eventos da década de 1970, um pôster do Yes pode ser visto em uma parede.
Em um episódio de Os Universitários, um poster de Fragile pode ser visto em uma parede.
Em Mystery Science Theater 3000: The Movie, há um cenário no filme que os protagonistas estão assistindo que lembra a capa de Yessongs. Eles comentam:
"Hmm… eles estão voando em uma capa de Roger Dean!"
"Eles se amarram no Yes, aí!"
No filme Escola de Rock, o professor (Jack Black) dá a um aluno pianista amante de música clássica um CD de Fragile, recomendando-o observar o solo de teclado de "Roundabout". Inclusive, nos comentários da versão em DVD do filme, Jack Black comenta sobre a cena, dizendo que considera o solo de teclado de "Roundabout" o melhor do Rock.

No episódio Bolinhos de Maconha do seriado brasileiro A Grande Família, durante uma cena, Lineu após provar acidentalmente um bolinho de maconha sai de seu quarto alterado com um disco do Fragile, exaltando a música "Roundabout" que pode ser ouvida no fundo.
No episódio "Momentum Deferred" da série Fringe, durante uma cena em que o Dr. Walter Bishop (John Noble) trabalha no seu laboratório ouve-se a música do Yes "I've seen all good people".
A música "Roundabout" foi utilizada como encerramento do anime JoJo's Bizarre Adventure - The Animation, que estreiou em Outubro de 2012.
Em uma determinada cena do filme Apollo 18 (2011), pode-se ouvir a música "And You And I" tocando no rádio.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por duronaqueda às 11:07