Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Biografia Belchior (musico)

Segunda-feira, 13.05.13

  Belchior
Antônio Carlos Gomes Belchior Fontenelle Fernandes, conhecido simplesmente como Belchior (Sobral, 26 de outubro de 1946), é um cantor e compositor brasileiro. Foi um dos primeiros cantores de MPB do nordeste brasileiro a fazer sucesso nacional, em meados da década de 1970.

Carreira

Durante sua infância, no Ceará, foi cantador de feira e poeta repentista. Estudou música coral e piano com Acaci Halley. Seu pai tocava flauta e saxofone e sua mãe cantava em coro de igreja. Tinha tios poetas e boêmios. Ainda criança, recebeu influência dos cantores do rádio Ângela Maria, Cauby Peixoto e Nora Ney. Foi programador de rádio em Sobral. Em 1962, mudou-se para Fortaleza, onde estudou Filosofia e Humanidades. Começou a estudar Medicina, mas abandonou o curso no quarto ano, em 1971, para dedicar-se à carreira artística. Ligou-se a um grupo de jovens compositores e músicos, como Fagner, Ednardo, Rodger Rogério, [[Teti (cantora)|], Cirino entre outros, conhecidos como o Pessoal do Ceará .

De 1965 a 1970 apresentou-se em festivais de música no Nordeste. Em 1971, quando se mudou para o Rio de Janeiro, venceu o IV Festival Universitário da MPB, com a canção Na Hora do Almoço, cantada por Jorge Melo e Jorge Teles, com a qual estreou como cantor em disco, um compacto da etiqueta Copacabana. Em São Paulo, para onde se mudou, compôs canções para alguns filmes de curta metragem, continuando a trabalhar individualmente e às vezes com o grupo do Ceará.


Em 1972 Elis Regina gravou sua composição Mucuripe (com Fagner). Atuando em escolas, teatros, hospitais, penitenciárias, fábricas e televisão, gravou seu primeiro LP em 1974, na gravadora Chantecler. O segundo, Alucinação (Polygram, 1976), consolidou sua carreira, lançando canções de sucesso como Velha roupa colorida, Como nossos pais (depois regravadas por Elis Regina) e Apenas um rapaz latino-americano.

Outros êxitos incluem Paralelas (lançada por Vanusa)e Galos, noites e quintais (regravada por Jair Rodrigues). Em 1979 no LP Era uma Vez um Homem e Seu Tempo (Warner) gravou Comentário a respeito de John (homenagem a John Lennon), também gravada pela cantora Bianca. Em 1983 fundou sua própria produtora e gravadora, Paraíso Discos, e em 1997 tornou-se sócio do selo Camerati. Sua discografia inclui Um show – dez anos de sucesso (1986, Continental) e Vicio elegante (1996, GPA/Velas), com regravações de sucessos de outros compositores.

 Polêmica

Em 2009 a Rede Globo noticiou um suposto desaparecimento do cantor. Segundo a Globo, o cantor havia sido visto pela última vez em abril de 2009, ao participar de um show do cantor tropicalista baiano Tom Zé, realizado em Brasília . Turistas brasileiros afirmam terem-no encontrado no Uruguai em julho do mesmo ano . As suspeitas foram confirmadas quando Belchior foi encontrado no Uruguai, de onde concedeu entrevista para o programa Fantástico, da Rede Globo .



                                           Na entrevista, o cantor revelou não haver desaparecido e estar preparando, além de um disco de canções inéditas, o lançamento de todas as suas canções também em espanhol.

No ano de 2012 ele novamente desapareceu, juntamente com a sua mulher, de um hotel 4 estrelas na cidade de Artigas, no Uruguai. Deixou pra trás uma dívida de diárias e pertences pessoais.  Ao ser identificado passeando por Porto Alegre afirmou que as noticias sobre a dívida no Uruguai não seriam verdadeiras.


          Discografia

1971 - Na Hora do Almoço (Copacabana - Compacto)
1973 - Sorry, Baby (Copacabana - Compacto)
1974 - Mote e Glosa (Continental - LP)
1976 - Alucinação (Polygram - LP/CD/K7)
1977 - Coração Selvagem (Warner - LP/CD/K7)
1978 - Todos os Sentidos (Warner - LP/CD/K7)
1979 - Era uma Vez um Homem e Seu Tempo (Warner - LP/CD/K7)
1980 - Objeto Direto (Warner - LP)
1982 - Paraíso (Warner - LP)
1984 - Cenas do Próximo Capítulo (Paraíso/Odeon - LP)
1986 - Um Show: 10 Anos de Sucesso (Continental - LP)
1987 - Melodrama (Polygram - LP/K7)
1988 - Elogio da Loucura (Polygram - LP/K7)
1990 - Projeto Fanzine (Polygram - LP/K7)
1991 - Divina Comédia Humana (MoviePlay - CD)
1991 - Acústico (Arlequim Discos - CD)
1993 - Baihuno (MoviePlay - CD)
1995 - Um Concerto Bárbaro - Acústico Ao vivo (Universal Music - CD)
1996 - Vício Elegante (Paraíso/GPA/Velas - CD)
1999 - Autorretrato (BMG - CD)
1999 - Alucinação
2002 - Pessoal do Ceará (Continental / Warner - CD)
2008 - Sempre (Som Livre - CD)
   Participações especiais
1979 - Massafeira

Belchior fala ao Terra
Belchior rejeita sumiço e quer retomar carreira, diz jornalista
Afastado da mídia há anos, Belchior apareceu de modo misterioso em Porto Alegre, no Rio Grande do Sul, no início desta semana, e procurou a Defensoria Pública local em busca de assistência jurídica, segundo confirmou o órgão nesta sexta-feira (11). Procurado pela companheira do cantor, Edna Assunção de Araújo, o jornalista Juremir Machado, da rádio Guaíba, conseguiu encontrar o casal, ao lado de seus colegas e também jornalistas, Gabriel Jacobsen e Jimmy Azevedo. Em entrevista ao Terra, Jacobsen falou sobre o “momento de convivência” com Belchior e Edna, frisando que não foi uma entrevista oficial. Durante a conversa, o músico deixou claro que deseja retomar a carreira ainda neste semestre, além de destacar que nunca esteve desaparecido.

“Ele contou que teria mais de 20 composições produzidas nesse tempo. Ele tem a intenção de voltar aos palcos no primeiro semestre, mas depende de todo esse mistério que cerca o futuro”, adiantou o jornalista. O tom de mistério da conversa, que se prolongou por três dias, foi permeado por assuntos envolvendo arte, música, política e poesia. Edna com um semblante assustado e Belchior sempre tranquilo.“Eles quiseram deixar claro, durante todo o tempo, que nunca estiveram desaparecidos, que essa versão de desaparecimento não condiz com a realidade. Eles estavam tentando não ficar na vista de paparazzi, que querem apenas expor a vida privada de forma aproveitadora”, explicou Jacobsen, que não descobriu a residência fixa do casal nos últimos anos, apenas que eles estiveram em lugares como Uruguai e algumas cidades no Brasil.

Apesar do interesse do grupo de jornalistas em conseguir a entrevista, o músico foi incisivo ao afirmar que não contaria detalhes sobre sua situação atual, pois estaria esperando “a hora certa” e que gostaria de algo grandioso. “Não foi uma entrevista propriamente dita. Gostaríamos de ter feito, sugerimos, mas ele achou que não era o momento”, relatou Jacobsen. O “momento”, no entanto, não foi definido, mas Belchior afirmou que pretende fazer um relato importante. “Eles (Belchior e Edna) deixaram claro que têm informações que querem trazer à tona”, adiantou o jornalista.

Jornal do Commercio
ENTREVISTA/ Belchior
O discurso `pop confidente' de Belchior
por JOSÉ TELES
A carreira do cearense Antonio Carlos Gomes Belchior Fontenelle Fernandes (Sobral, 1946), nome acertadamente abreviado para Belchior, começou em meados dos anos 60, em Fortaleza. Em 1970 ele venceu, no Rio, o então importante Festival Universitário da MPB, com Na Hora do Almoço. A vitória lhe abriu as portas para gravar um compacto, em 1971, na Copacabana. No ano seguinte, Roberto Carlos gravou Mucuripe (parceria dele com Fagner). Em 1974, Belchior chegou ao primeiro LP, pela Chantecler.
Não se sabe portanto, onde a BMG foi contabilizar os anos de estrada de Belchior para que o CD, Auto-Retrato, lançado esta semana, seja definido como uma retrospecto dos seus vinte anos de carreira. Se a gravadora errou no varejo, acertou no atacado. Belchior, meio esquecido pela mídia nos anos 90, foi um dos mais instigantes compositores surgidos logo depois do tropicalismo. As 25 canções deste disco trazem de volta à vitrine a música de um autor que sempre teve algo a dizer e que por algum tempo foi uma espécie de porta-voz de uma geração, traduzindo-lhe os medos, as angústias e as perplexidades.Por telefone, de São Paulo, Belchior, concedeu entrevista ao Jornal do Commercio, em que falou do disco novo, da carreira, de sua pouco conhecida faceta de artista plástico e até do poeta Dante Alighieri - e do seu ousado projeto em traduzir o clássico literário Divina Comédia, aproveitando o italiano aprendido com os padres, no colégio em que estudou em Fortaleza.


JORNAL DO COM- MERCIO - Você tem freqüentado pouco a mídia, o que dá impressão que o artista está parado. O que tem feito nestes anos?
BELCHIOR - Continuo compondo muito e fazendo uma média de 15 shows por mês. Tenho feito apresentações pelos Estados Unidos, pela América Latina, gravei um disco para o mercado latino, El Dorado. Para o bem e para o mal, há esta apreciação subjetiva do artista. Uns acham que ele deve mudar, fazer-se contemporâneo, outros que deve manter a coerência artística.
JC - Você falou que tem muita música inédita, então por que um disco com regravações?
BELCHIOR - Tenho composições suficientes, tantas quantas forem necessárias para fazer um álbum novo. Agora este CD, é parte de um projeto bem sucedido que já teve Zé Ramalho, Fagner, Geraldo Azevedo. O acordo com a BMG é para apenas este disco, com probabilidade de outro pela frente.
JC - A primeira coisa que chama atenção neste álbum são os desenhos que ilustram a capa e o encarte, todos assinados por você. Eles foram feitos especialmente para este trabalho, ou já existiam antes?
BELCHIOR - Alguns já estavam prontos, outros fiz especialmente para o disco. São cerca de 25 desenhos, farei uma exposição com eles, acompanhando os shows deste CD.

JC - Você pinta apenas por diletantismo ou pensa em encarar a coisa profissionalmente?
BELCHIOR - Pinto, antes de tudo, porque me dá prazer. Não se trata, vamos dizer, de uma terapia ocupacional. Eu estudo, levo muito a sério a pintura, mesmo não tendo feito ainda exposições, apenas ilustrei capas de discos meus.
JC - Estes desenhos lembram um pouco os que Bob Dylan fez para o álbum Self Portrait, em 70...
BELCHIOR - Realmente, parecem, mas tem muito músico que também desenha bem: John Lennon, Caetano Veloso, Dorival Caymmi, Raul Seixas, Ron Wood, Capiba, mas não me pergunte porque isto acontece com eles.
JC - Algumas das canções deste disco são verdadeiros clássicos da MPB, e suas gravações podem ser consideradas versões definitivas, como foi regravá-las? Alguma teria ficado melhor do que a original?
BELCHIOR - Regravei como se elas fossem inéditas, com o mesmo pique da primeira gravação, querendo causar o mesmo impacto, porém usando uma linguagem de hoje. Não penso na comparação, porque pra mim foi com se tivesse entrado pela primeira fez no estúdio com estas músicas.
JC - O disco é dividido em duas partes: Pequeno Perfil de um Cidadão Comum e Pequeno mapa do Tempo, por sinal títulos de músicas suas, daria pra explicar esta divisão?
BELCHIOR - Os dois formam uma espécie de autobiografia, retrato de corpo e alma do artista. As canções do primeiro são minha visão do mundo, meu ponto de vista, o universo individual. A segunda é uma introspecção, uma visão lírica interior.

JC - Foi difícil chegar ao repertório final do disco?
BELCHIOR - Pelo contrário, foi até muito fácil. Escolhi algumas músicas mais representativas da minha carreira, com outras poucos conhecidas, que o pessoal quer muito ouvir mas não tem em CDs.
JC - No disco tem uma música, 500 anos, que ficou bem atual, embora ela não seja inédita. Como aconteceu esta música?
BELCHIOR - Fiz há quatro anos, na Espanha. Saiu no disco Baihunos, lançado pela Movieplay. Agora eu regravei com uma versão que eu mesmo fiz.
JC - Você além de compor e pintar, também sempre gostou muito de escrever, fez textos para o Pasquim, para outros jornais.
BELCHIOR - Continuo sempre escrevendo. Agora mesmo tô trabalhando numa tradução de A Divina Comédia, de Dante. Não é encomenda de nenhuma editora, é por prazer mesmo.
JC - Você surgiu numa geração que teve relativa facilidade de acontecer. Pessoas como Elis Regina procuravam, gravavam, compositores novos. Hoje as rádios e TV limitaram seu universo musical. Neste seus mais de 25 anos de carreira, como você compararia as duas épocas?
BELCHIOR - Havia o interesse em lançamentos de novos artistas, sem a obrigação do sucesso imediato. Havia intérpretes, como a própria Elis, abrindo espaços para os novos, a televisão era mais acessível. Tinham os festivais, que facilitaram muito para o surgimento de uma porção de artistas. Mas apesar de tudo, atualmente tem um pessoal que está dando continuidade ao que fizemos. Estes grupos do mangue, por exemplo, prosseguem o que foi iniciado pela nossa geração. Eles não fazem uma música apenas por modismo, mas trabalham para ficar na história da música popular brasileira.

VEJA OUTRA ENTREVISTA DE BELCHIOR CLICANDO NESTA FRASE

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por duronaqueda às 11:18


Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.