Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



MARYBETH TINNING(SERIAL KILLER)

Sábado, 22.03.14

Marybeth Tinning


 
Marybeth Roe nasceu em Duanesburg, uma pequena cidade em Nova York. Ela e seu irmão mais novo, ambos estudaram em Duanesburg High School, onde foi uma aluna média. Seu pai, Alton Roe, trabalhou como operador de prensa para a General Electric.


Ao longo dos próximos anos, ela trabalhou em uma série de empregos de baixa remuneração. Eventualmente, ela tornou-se auxiliar de enfermagem no Hospital Ellis em Schenectady. Em 1963, ela conheceu Joe Tinning. Começaram a namorar na Primavera de 1965.

Mortes de crianças:
Nos primeiros cinco anos de seu casamento, o casal teve dois filhos, Bárbara e Joseph Jr. Em dezembro de 1971, Ela deu à luz a um terceiro filho, a menina Jennifer. Pouco mais de um mês depois, no entanto, Jennifer morreu num hospital de Schenectady de infecção grave, que foi diagnosticada como meningite.
Em 20 de janeiro de 1972, ela levou Joseph Jr, então com dois anos, ao pronto-socorro do Hospital Ellis. Ela disse que ele tinha tido algum tipo de infecção. A criança foi mantida em observação por um tempo e, quando os médicos não puderam encontrar nada de errado com ele, foi enviado para casa. Algumas horas depois, Tinning e seu filho retornaram à emergência. Desta vez, porém, ele estava morto. Ela disse que tinha colocado ele na cama e voltou mais tarde para descobrir que ele tinha ficado azul.
Seis semanas depois, Tinning estava de volta à sala de emergência, desta vez com sua filha, Barbara, 4 anos. Ela disse que a garota tinha tido convulsões.

Embora os médicos quisessem que a criança permanecesse durante a noite para observação, Tinning insistiu em levá-la de volta para casa. Várias horas depois, ela retornou com Bárbara, que estava inconsciente. A criança mais tarde morreu de causa desconhecida. Todos os três filhos de Tinning haviam morrido dentro de 90 dias um do outro. Tinning ficou grávida de seu quarto filho no ano seguinte.
Em dia de ação de graças de 1973, ela deu à luz um filho, Timothy. Em 10 de dezembro, apenas três semanas após seu nascimento, Timothy foi trazido de volta para o mesmo hospital - morto. Médicos disseram que ela disse que o encontrou sem vida no seu berço. Novamente, os médicos não encontraram nada de errado medicamente. Sua morte foi listada oficialmente como SIDS. (Em Português "Síndrome da morte súbita infantil")
Dois anos depois, em 30 de março de 1975 (Domingo de Páscoa), Tinning deu à luz ao seu quinto filho, Nathan. Em 2 de setembro, ela apareceu no Hospital de Santa Clara com o bebê nos braços. Ele estava morto. Ela disse que estava dirigindo em seu carro com o bebê no banco da frente, quando ela percebeu que ele tinha parado de respirar. Mais uma vez, parecia não haver nenhuma explicação para sua morte.

Em 1978, o casal fez arranjos para adotar uma criança. Nesse mesmo ano, Tinning engravidou novamente. Os Tinnings não cancelaram a adoção e optaram por manter os dois filhos. Em agosto de 1978, eles receberam um menino, Michael, da agência de adoção.
Dois meses depois, em 29 de outubro, ela deu à luz ao seu sexto filho, Mary Frances. Em janeiro de 1979, o bebê aparentemente desenvolveu algum tipo de infecção. Mary Frances correu para a sala de emergência, e os funcionários conseguiram reanimá-la. Em 20 de fevereiro, no entanto, Tinning, algum tempo depois, entrou correndo no mesmo hospital com Mary Frances, que estava com morte cerebral. Mais uma vez, Tinning disse que encontrou o bebê

 inconsciente e não sabia o que tinha acontecido com ela.Depois que Mary Frances foi sepultada, Tinning, mais uma vez ficou grávida. Em 19 de novembro, ela deu à luz ao seu SÉTIMOOO filho, Jonathan. Em março de 1980, ela apareceu no hospital St. Clare's com Jonathan inconsciente. Como seu último filho, ele foi reanimado com sucesso. Devido à história da família, Jonathan foi enviado ao Hospital de Boston, onde foi exaustivamente examinado. Os médicos não conseguiam encontrar nenhuma razão médica válida do porque o bebê simplesmente parou de respirar. Jonathan foi enviado para casa. Poucos dias depois, estava de volta em St. Clare's, desta vez a criança estava com morte cerebral. Jonathan morreu no dia 24 de março de 1980.

Menos de um ano depois, na manhã do dia 2 de março de 1981, Tinning apareceu no escritório do seu pediatra com Michael, seu filho adotivo. Ele estava enrolado em um cobertor e inconsciente. Ela disse ao médico que ela não conseguia despertar Michael e não tinha ideia do que estava errado. Quando o médico examinou Michael, ele já estava morto. Desde que Michael foi adotado, a teoria ao longo da suspeita de que as mortes na família Tinning teria uma origem genética foi descartada.

Em 22 de agosto de 1985, Tinning deu à luz ao seu OITAVO filho, Tami Lynne. Em 19 de dezembro, uma vizinha Cynthia Walter, que também era auxiliar de enfermagem, foi às compras com Tinning e depois visitou a casa dela. Mais tarde naquela noite, Walter recebeu um telefonema desesperado de Tinning. Quando Walter chegou, encontrou Tami Lynne deitada em uma mesa. Walter testemunhou que a criança não estava se movendo e ela não conseguia sentir qualquer pulso ou respiração. Na sala de emergência, o bebê foi declarado morto.

Confissão e condenação:

Finalmente a suspeita foi montada contra Tinning, que estava sempre sozinha, quando as crianças morreriam, mas não havia nenhuma evidência de que ela fazia algo errado. Depois de um interrogatório policial, no entanto, Tinning confessou ter sufocado Tami Lynne, Nathan, e Timothy. Sua primeira tentativa de liberdade condicional foi em março de 2007. Na reunião para a condicional ela disse, "Eu tenho que ser honesta, e a única coisa que posso dizer é que eu sei que minha filha está morta. Eu vivo com isso todos os dias", ela continuou, "eu não tenho nenhuma lembrança e eu não posso acreditar que a machuquei, eu não posso dizer mais do que isso. " Sua liberdade condicional foi negada.

No final de janeiro de 2009, Marybeth Tinning passou novamente por reunião para liberdade condicional. Ela afirmou que estava passando por maus momentos, quando ela matou a filha. ( PS: ela só foi julgada e condenada pela morte de uma criança!!) O conselho de liberdade condicional negou novamente sua liberdade condicional, afirmando que o seu remorso era "superficial na melhor das hipóteses".

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por duronaqueda às 08:08